terça-feira, 30 de julho de 2019

Onde há Trump, ataca-se; onde não há, inventa-se

Rui Ramos

A moda de comparar qualquer líder da direita com Trump, e Trump com o diabo, é uma complacência niilista que impede o debate político e tornará o público indiferente a um verdadeiro diabo.

A recepção mediática ao novo primeiro-ministro inglês tem sido um dos espetáculos mais bizarros dos últimos anos. Lewis Carroll não teria conseguido imaginar nada de mais absurdo.

Boris Johnson [foto] tem um diploma em Estudos Clássicos por uma das melhores universidades do mundo? É um bronco analfabeto. Boris Johnson formou o governo etnicamente mais diverso da história do Reino Unido, com filhos de imigrantes (Priti Patel e Savid Javid) em dois dos ministérios mais importantes? É racista. Boris Johnson prometeu garantir os direitos dos cidadãos da UE no Reino Unido após o Brexit? É xenófobo. Boris Johnson anunciou grandes investimentos nos serviços públicos? Vai destruir o Estado social.


Podia continuar, mas não vale a pena. Já devem ter percebido a ideia: Boris Johnson tem de ser bronco, racista, homofóbico, machista, e fascista, custe o que custar à realidade. Têm essas imputações alguma coisa a ver com o que o homem é, disse, fez ou vai fazer? Não. Boris Johnson é tudo isso, apenas porque os seus inimigos julgam que lhes convém atacá-lo segundo a cartilha com que Trump ou Bolsonaro são atacados nos EUA e no Brasil, independentemente de quaisquer factos.

Estou a dizer que Boris Johnson deveria ter sido recebido como o Messias em Jerusalém? É claro que não. Johnson é líder do Partido Conservador e primeiro-ministro de um governo que promete cumprir a vontade dos cidadãos do Reino Unido expressa no referendo sobre a União Europeia.

É natural que não fosse abençoado pela esquerda ou pelos adeptos da opção rejeitada em 2016.

Mas o modo como o atacam é interessante. Há trinta anos, este antigo aluno de Eton e de Oxford, capaz de citar de cor poemas em grego antigo e em latim, teria sido denunciado ao proletariado das fábricas e das minas como mais um esnobe. Agora, porém, parece que o que convém é o contrário: assustar as elites metropolitanas da era do iPhone e do Starbucks com a ideia de que vem aí um Espártaco, rude e sanguinário, à frente da plebe excitada pelo Brexit.

Quando, curiosamente, Boris ainda era, há uns dez anos, o único conservador popular entre essas elites metropolitanas, que então o achavam culto e divertido. Por isso, aliás, foi eleito e reeleito mayor de Londres.

Quero sugerir que a imprensa está a ser injusta, por que Boris Johnson é impecável e vai resolver tudo? Também não. Johnson não é obviamente São Francisco de Assis, porque senão nunca teria chegado a primeiro-ministro. Os seus pecados e extravagâncias, porém, não são mais relevantes do que os de grandes primeiros-ministros do passado, como Disraeli ou Churchill.

Provavelmente, enfrentará a mesma via sacra de Theresa May, e pela mesma razão: a tentação das facções parlamentares britânicas de usarem o processo do Brexit para mudarem de primeiros-ministros. Mas a atual moda de comparar qualquer líder da direita com Trump (para grande divertimento do presidente americano), e de identificar Trump com o diabo, é uma complacência niilista. Parece que à medida em que estão em causa coisas fundamentais – no caso do Reino Unido, a relação com a UE — , mais o debate político deixa de ter qualquer relação com a realidade, e passa a desenrolar-se a um nível de fantasia apocalíptica, onde os protagonistas de que não gostamos têm por força de ser uma mistura de Hitler com um palhaço.

Há dois riscos aqui. O primeiro é o da dificuldade de debater racionalmente, quando a democracia – é bom lembrar – pressupõe o debate, isto é, que é possível acreditar e querer sem deixar de ser lúcido e justo. O segundo é tão mau como esse: de tanto vermos lobos em todo o lado, tornarmo-nos indiferentes aos verdadeiros lobos.
Título e Texto: Rui Ramos, Observador, 26-7-2019

Um comentário:

  1. Quando eu vejo escrito a palavra democracia, sinto que as pessoas não buscam a história, para reaver seu verdadeiro sentido.
    Na antiga Atenas havia artistas, artesãos, lavradores, enfim pessoas que tinham atividades para os outros. Quando um destes sofria um acidente, estava condenado a viver de esmolas, de ser um problema pra as famílias, aquele trambolho que hoje o mundo democrático chama de "especiais.
    Por isso criaram um sistema de impostos pago pelos que produziam para sustentar os impossibilitados nas suas velhices e doenças incapacitantes.
    Essa previdência era a DEMOCRACIA dos atenienses.
    Hoje no século XXI as pessoas criaram o conceito de que liberdade é a verdadeira democracia.
    Mentem para si mesmos.
    Os Atenienses escravizavam outros povos, tinham leis severas para crimes entre os cidadãos.
    Eram livres.
    Podiam dizer o que quisessem sem cometer injúrias e falsos testemunhos.
    Diferente do hoje, onde não podemos calar as injúrias e os falsos testemunhos porque ferimos a democracia.
    Quando falam de aumentar impostos, eu raciocino que ao pobre é que vais pagá-los, o produtor aumenta os produtos, o empresário recebe em dinheiro ao vivo, muitos retiram seus "pró labore" em dinheiros reais, sem pagar os impostos, depositam em aplicações sem impostos, e como nababos reais coletam dos mais necessitados.
    Acredito que no mínimo 50 milhões de brasileiros podiam contribuir com 30,00 reais por mês para ajudar o governo na saúde, na educação e na DEMOCRACIA.
    Isso daria cerca de 2 bilhões ao ano.
    O consumo de cigarros arrecada 300 milhões de impostos por dia.
    O problema maior do Brasil é ter mais funcionários públicos do que necessita.
    Se o tal de COAF agisse corretamente muitos estariam na corda bamba da falsidade ideológica.
    Nós fomos descontados em folha para um instituto de DEMOCRACIA, FOMOS ROUBADOS E ESPOLIADOS, e esperamos mais de 20 anos para que um sistema de juízes SUPREMOS, garantisse a nossa LIBERDADE.
    Todos nós deveríamos contribuir para a previdência, mesmo aposentados para refletir verdadeiramente o sentido da DEMOCRACIA ATENIENSE.
    DEMOCRACIA não admite debate.
    fui...

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-