segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

A malandragem do malandro...

Valdemar Habitzreuter

Todos nós sabemos o que é capaz um malandro cara de pau. Em primeiro lugar, faz-se passar por honesto, galanteador e prestativo. Em segundo, é proeminentemente loquaz, articulador e convincente; geralmente, tem potencial de liderança, pois empolga pelo discurso e faz com que as pessoas incautas se envolvam e ajam para alcançar os objetivos por ele apregoados como frutíferos a todos.



Uma vez conquistada a confiança das pessoas, parte para o plano da malandragem propriamente dita: tirar proveito de sua virtude (ou seria outra coisa?) de malandro. Cerca-se de pessoas de mesma índole e funda um núcleo de malandragem, uma associação que visa ludibriar o maior número possível de pessoas sem que estas saibam serem enganadas.

Foi assim que uma associação de malandros começou a formar-se aqui no Brasil na década de 70, a ponto de transformar-se num partido político e instalar-se no governo em 2003. Ainda continua no poder, mas a malandragem foi descoberta e os malandros estão se vendo em apuros. Alguns já na cadeia.

Dizia Abraham Lincoln: “pode-se enganar a todos por algum tempo; pode-se enganar alguns por todo o tempo; mas não se pode enganar a todos todo o tempo”. De qualquer forma, este partido enganou o povo por muito tempo que agora está estupefato pelas constantes descobertas de ações criminosas praticadas ao longo de quase duas décadas, colocando em risco a democracia, além de fragilizar os alicerces econômicos e políticos do país. 

É uma vergonha para o Brasil que um malandro cara de pau, semianalfabeto, obtivesse tal êxito de alçar-se primeiro mandatário da nação pela diabrura da malandragem e arregimentasse outros tantos malandros para comandar o país. E este cara de pau ainda recebeu honrarias no exterior, sendo elogiado pelo cognome de “o cara”.

Talvez este malandro não seja simplesmente um cara de pau, mas um psicopata com intenção de lesar a ordem democrática tão arduamente conquistada pelo povo quando teve que lutar contra a ditadura militar. Sabia brincar de socialismo e mancomunava-se com outros psicopatas de outras nações para tentar estabelecer um governo que chamavam de bolivariano, distorcendo os ideais democráticos do herói Bolívar.

Psicopatas não medem consequências, a ética para eles é puro nominalismo sem valor, que o mundo se dane para valores como democracia, liberdade... O que querem é jogar o jogo do poder sem responsabilidade e locupletar-se nele.

Diante disso, vemos como o povo brasileiro e sul-americano estão ainda em estágio, com algumas exceções, de desculturação onde não se visa a educação fértil para tirá-los do sono da ignorância e promove-los a se constituírem em cidadãos autênticos, independentes e norteadores de seu destino. É lamentável que malandros se utilizam da ignorância do povo para sufoca-los ainda mais em sua infortuna e desgraça.

O juiz Sergio Moro já está demorando demais para enquadrar o malandro chefe que ludibriou por tanto tempo o povo brasileiro. Será que ele ainda tem tanta malandragem que possa escapar da Justiça pelos crimes, falcatruas e roubalheiras que pesam sobre seus ombros? 
Título e Texto: Valdemar Habitzreuter, 7-2-2016

Um comentário:

  1. É..... Ele é o próprio, se enquadra na sua totalidade, como descreves.
    Abs
    H Volkart

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-