sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Hipóteses do crescimento recente da violência e da criminalidade no Rio

Cesar Maia


1. Supondo que o vetor orientador da criminalidade é aquele que explica a maior rentabilidade entre todas as modalidades, há que se perguntar que vetor é este e o que pode ter afetado a lucratividade deste vetor. É claro que não há um só vetor, mesmo que o principal se destaque, até porque a lucratividade é agregada, ou seja, soma diversas modalidades.

2. Mas quando a principal modalidade é afetada, a busca de compensações em outras modalidades – especialmente quando estas não são concentradas - gera um espalhamento e exponencia a sensação de insegurança.

3. No final de 1994 e início de 1995, a perda de controle da segurança pública no Rio de Janeiro sobre a criminalidade levou a uma intervenção do Exército com ocupação contínua de várias comunidades. O sufoco dado no tráfico de drogas fez o crime “vir para o asfalto” e a criminalidade de rua –assaltos de todos os tipos- cresceu vertiginosamente.

4. A repressão de contato feita pelo exército levou a uma autocrítica por duas razões: a) o exército é treinado para ocupar o território inimigo e para liquidar a força oponente, o que não é caso de comunidades cujo território é municipal e a imensa maioria dos moradores quer paz e torcia pelo sucesso do exército. b) a repressão de contato aumenta em muito o risco de contaminar os que reprimem, como mostra a experiência em outros países, como o México.

5. O Exército saiu e a alternativa foi trocar o secretário de segurança e iniciar um ciclo altamente repressivo por parte das forças policiais, com significativo aumento da mortalidade dos delinquentes, acuando o tráfico de drogas e a criminalidade. Com isso, ocorreu um refluxo em relação aos chamados crimes de rua. E o tráfico de drogas voltou a liderar as modalidades e retornar às comunidades que serviam de base a seu mercado.

6. Agora –outra vez- numa curva que cresce e depois exponencia, a partir de fins de 2015, há um descontrole na segurança pública e um aumento da violência e da criminalidade. O secretário de segurança, como se pudesse ter previsto, programa sua saída depois dos JJOO e de um ciclo de exaltação de ações de segurança pública de uma nota só, com as chamadas UPPs.

7. E mais uma vez o Exército é chamado a entrar nesse processo, reprimindo e inibindo a criminalidade fora de controle. Mas a experiência de 1994/1995 levou a que o exército não repetisse – agora - o erro de 1994/1995, quando ocupou comunidades numa repressão de proximidade, como se fosse polícia, sem o ser.

8. E volta a pergunta inicial: o que mudou no perfil da criminalidade para ter deflagrado esse novo processo de descontrole e espalhamento?

9. A hipótese com que alguns especialistas trabalham é que o vetor principal – ou orientador - da criminalidade no Rio – o tráfico de drogas e em especial de cocaína - foi afetado e debilitou-se, seja por razões de demanda, seja por razões de oferta.

10. De DEMANDA em função da crise econômica, reduzindo o poder de compra dos consumidores e dos repassadores diretos. E empurrando a maior taxa de desemprego dos jovens a buscar alternativas. De OFERTA pela maior efetividade da repressão ao tráfico de drogas nas fronteiras e nos corredores, até o mercado distribuidor – o narcovarejo.

11. Isso produz três efeitos. Primeiro, o acirramento e radicalização pelo controle dos pontos mais lucrativos do narcovarejo, desequilibrando áreas como Rocinha, Maré, Alemão, Jacarezinho, Rolas..., entre outras. E desintegrando as UPPs. Segundo, a busca de novas modalidades compensatórias, como o caso do roubo de cargas. Terceiro, desconectando as pontas do varejo, da estrutura das “bocas de fumo”, lançando os “aviões, olheiros e fogueteiros” no crime de rua, inclusive com armas brancas.

12. Se estas hipóteses são efetivas, o problema é similar ao de 1994/1995, só que agora em muito maior dimensão, em função dos fatos narrados nos itens 10 e 11. Se é fato que a repressão no atacado tem produzido melhores resultados, esta é uma boa notícia. Mas sua articulação com a estrutura dos crimes deveria ter levado as polícias a se organizarem para enfrentar as novas situações que vieram como desdobramento.

13. E – sendo assim - há que redesenhar o perfil da segurança pública, de forma a enfrentar as novas situações criadas de fora para dentro. Ou seja, se a razão de origem desse novo quadro não é o fracasso da polícia, o fato é que a partir do novo desenho do crime e da falta de antecipação, compreensão e agilidade para enfrentar este novo momento, a responsabilidade passa a ser alocada à polícia.

14. E o Exército e as forças federais darão uma enorme contribuição conhecendo bem este novo momento, estes novos perfis conjunturais, e atuando de forma complementar e interativa com as polícias, inibindo os poros que foram abertos pelas circunstâncias. Por isso, não é figura de retórica quando o secretário de segurança afirma que a polícia está sangrando e a sociedade está sangrando, figura que ajuda a entender que esses sangramentos não serão contidos por simples bandagens
Título e Texto: Cesar Maia, 25-8-2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-