domingo, 7 de julho de 2019

A esquerda tem um entendimento curioso da democracia

João Marques de Almeida

A maioria dos socialistas não entende a democracia como uma competição entre forças políticas distintas com a mesma legitimidade. A democracia é apenas uma forma de chegar ao poder com o apoio do povo


A escolha do novo Presidente da Comissão mostrou, mais uma vez, o entendimento muito particular que a esquerda tem da democracia. Os exemplos repetiram-se. Começou com a rejeição de Manfred Weber para a chefia da Comissão. Já afirmei que o PPE cometeu um erro ao escolher um político inexperiente e sem experiência executiva para se candidatar à presidência da Comissão. Mas uma coisa bem diferente é atacar a sua legitimidade para o cargo. Eu trabalhava em Bruxelas quando se negociou o Tratado de Lisboa e lembro-me muito bem do que se discutiu. Todos sabiam que havendo eleições em 28 países é praticamente impossível um grupo político alcançar sozinho a maioria absoluta. Por isso, o espírito do Tratado é de que o candidato do grupo mais votado goza do direito político de ser escolhido pelo Conselho Europeu e de tentar construir uma maioria no Parlamento Europeu. Foi assim com Durão Barroso em 2009 e com Jean Claude Juncker em 2014.

Desta vez, não foi assim porque os governos socialistas e liberais atacaram a legitimidade de Weber, com argumentos extraordinários. Um deles foi de que o PPE tem ocupado a presidência da Comissão Europeia há demasiado tempo. É verdade. Sabem por quê? Porque é o grupo mais votado desde 2004. Vejam se entendem bem. Os socialistas perdem as eleições europeias desde 2004. Quem tem a culpa das sucessivas derrotas dos socialistas? Não são certamente os partidos de direita na Europa. Se os socialistas tivessem sido o grupo mais votado nestas eleições europeias, os seus líderes teriam questionado a legitimidade do seu candidato, Timmermans? Claro que não. Então por que razão questionaram a legitimidade de Weber? Por uma razão muito simples: não é socialista e é de direita. Perguntará o leitor mais sensato: e o respeito pelas regras da democracia europeia e do Tratado de Lisboa? Os socialistas não as respeitaram porque não gostam de perder. Só gostam das regras da democracia quando ganham as eleições. Quando as perdem, tentam descobrir atalhos políticos para alcançar uma vitória que não conseguiram nas urnas. De resto, é essa a definição de geringonça.

Weber foi afastado, pela coligação entre socialistas, liberais e Macron, a qual contudo não conseguiu eleger o candidato socialista, Timmermans. Acabou por ser eleita uma política do PPE, Ursula von der Leyen. Apareceram então mais dois argumentos dos socialistas. Em primeiro lugar, Ursula von der Leyen não foi candidata nas eleições europeias e por isso não tem legitimidade. Ou seja, quando foi do interesse dos socialistas, as regras do Tratado de Lisboa não interessavam. Agora, para enfraquecer a escolha do Conselho Europeu, o Tratado de Lisboa voltou a ser importante. Em segundo lugar, os liberais e Macron eram óptimos quando se juntaram aos socialistas para derrotar Weber. Agora, já são péssimos porque se aliaram ao PPE.

Os socialistas e os cronistas de esquerda passaram ainda as últimas semanas a atacar a legitimidade dos governos da Hungria, da Polónia e da Itália. Mais uma vez, a esquerda confunde a questão da legitimidade política com as suas preferências ideológicas. Eu também acho que as políticas de Orban são uma ameaça ao estado de direito na Hungria. Mas nunca ouvi muitos dos que atacam Orban quase todas as semanas mostrar qualquer preocupação com o modo como Sócrates controlou o Procurador Geral da República e o Supremo Tribunal quando foi PM. Também não me revejo no nacionalismo do governo polaco nem no de Salvini. Mas todos eles, na Hungria e na Polónia (em Itália, apenas as eleições europeias), ganharam as eleições. Foram os partidos mais votados. Os seus governos têm toda a legitimidade para defender os seus interesses nacionais. A legitimidade política de Orban é exatamente a mesma de António Costa e de todos os outros líderes europeus. Mas os nossos cronistas socialistas ficaram muito espantados porque os governos italiano, húngaro e polaco não apoiaram o candidato socialista. Ou seja, os governos socialistas fazem muito bem em opor-se a um candidato de direita, mas os governos de direita devem apoiar os candidatos socialistas. Mais um exemplo do entendimento socialista da democracia.

Ainda atacaram os governos do PPE por se aliarem aos governos populistas de direita para escolher o candidato de centro direita. Como os portugueses sabem muito bem, o PS nunca se alia à extrema esquerda para chegar ao poder. Quando o centro direita se alia à direita populista está numa “deriva radical”. Quando os socialistas se aliam às extremas esquerda mostram inteligência e habilidade políticas.

Para terminar, talvez ainda não tenham reparado, mas pela primeira vez na história da União Europeia, duas mulheres foram escolhidas para a liderança da Comissão Europeia e do BCE. Mas são de direita. Se fossem duas mulheres de esquerda, os nossos socialistas ainda não tinham parado de saudar a escolhas históricas da União Europeia. Até no tratamento das mulheres, há uma desigualdade entre as de direita e as de esquerda.

As esquerdas olham para a democracia de um modo muito particular, sobretudo quando não ganham eleições. Para eles, o socialismo tem um valor muito superior à democracia. A maioria dos socialistas não entende a democracia como uma competição entre forças políticas diferentes, mas com a mesma legitimidade. A democracia é apenas uma forma de chegar ao poder com o apoio do povo. Se não tiverem esse apoio, tentem chegar ao poder com outros argumentos. Sabem por quê? Porque é bom para o povo, o pobre do povo é que ainda não entendeu. É isso mesmo que os socialistas pensam.
Título e Texto: João Marques de Almeida, Observador, 7-7-2019

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-