sábado, 27 de outubro de 2012

Hoje não comprei o Expresso

Maurício Barra
Pela primeira vez na minha vida, e desde o nº 1, hoje não comprei o Expresso (comecei a comprá-lo ainda estava no liceu e, mais tarde, mesmo quando estava em viagem, o jornaleiro guardava-me as minhas “leituras” diárias).
Depois de na semana passada quase todos os artigos do jornal aparentemente “terem” sido redigidos por Mário Soares, advogando numa profusão de formatos sobre a “não existência do governo”, “o governo implodiu”, “o Presidente tem de tomar conta disto”, etc, numa corrida tremendista e alucinada que a realidade contradizia e continua a desmentir – o Governo está para durar, o cumprimento do acordo com a troika está para continuar -, esta semana evita abordar a falência das suas premonições e foge como o Diabo da Cruz (tal como o PS) do assunto político da semana: o Estado que os portugueses estão dispostos a pagar.
Preferem continuar com as novelas da pequena política: Relvas, o telefonema a (e não de) Passos Coelho que já tem onze (!) meses, o Governo que põe em causa o Estado Social (o Governo? a sério? ou o sobredimensionamento do Estado socialista que nos levou à bancarrota?), e a defesa das “vozes”, parceiras de estrada do BE, do PC e do soarismo radical, para que Portugal não pague a sua dívida.
Não contentes, escolhem para a primeira página desta semana um assunto de futebol, completamente extemporâneo. Se quisessem abordar o tema a sério teriam de analisar o assunto da semana nessa área de informação, ou seja, o efeito que provocará nas redes televisivas o fim das transmissões de jogos do Benfica pela Olivedesportos. Mas esse assunto não lhes interessa: tal como os que estavam contra a televisão privada quando a SIC surgiu, não gostam de novos players na coutada do oligopólio televisivo que a Impresa quer continuar a dominar e, se por causa do marketing, não convém atacar o Benfica de frente, o melhor é dar uma facada pelas costas.
Título e Texto: Maurício Barra, Forte Apache, 27-10-2012

Comentário de Luís Santos:
Mas alguém ainda acredita na comunicação social que temos? Os jornais tornaram-se tabloides da esquerda. É irritante como deturpam tudo e como jogam com "as gordas" porque sabem que o povo é preguiçoso nas leituras e fica-se "pelas gordas" e nem explora outras fontes e informação. Há muito que só leio blogues. É a melhor forma de informação e desmascara toda a comunicação social tendenciosa. Já ontem li que um leitor assíduo do Público também o deixou de comprar...enfim, depois admiram-se que despedem jornalistas. Se o jornalismo fosse bom, os jornais vendiam-se... tenho dito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-