terça-feira, 25 de junho de 2013

Falta de confiança e desprezo pela classe política

É IMPERIOSA A DESTITUIÇÃO, COM A FORMA NECESSÁRIA E SUFICIENTE, DESSE PODER PÚBLICO QUE NÃO MERECE MAIS QUALQUER RESPEITO DA SOCIEDADE.
Geraldo Almendra
Não se pode mais fazer uma reforma política com a participação de um Congresso que não reflete as expectativas da sociedade pelo fato de ter a maioria de seus integrantes envolvidos em atos imorais, aéticos, desonestos, corruptos ou criminosos.
O Brasil, com as recentes manifestações, chegou a um ponto que não tem retorno: ou destitui essa classe política que é desprezada por mais de 70 % da sociedade, ou entrega seu destino, definitivamente, nas mãos de bandidos comandados pelo Foro de São Paulo.
Uma nova constituinte como alguns estão propondo, além de ser inconstitucional e planejada com a cumplicidade de um desgoverno corrupto, acovardado e acuado, é morrer na praia da manipulação de nossas aspirações por mudanças, pelo simples fato de que o poder público estar sendo controlado por um covil de bandidos da corrupção e da prevaricação, liderados por um governo paralelo, e que irá se juntar aos seus cúmplices parlamentares para montarem um novo circo do engodo e enganar a sociedade por mais 20 anos.

É absolutamente necessário a tomada do poder por uma junta civil-militar que esteja vinculado aos princípios de uma verdadeira Justiça, da honestidade, da dignidade, da ética e do patriotismo como fundamentos de suas ações, para eliminar da estrutura do poder público todos aqueles que estão promovendo uma incontrolável degeneração moral das relações públicas e privadas.
Está bastante evidente: os milhares de esclarecidos canalhas que têm rabo preso com a corrupçao e o suborno já estão tremendo ao verem propostas de uma intervenção civil-militar, declarando que isso seria uma nova ditadura.

Muita estupidez seria propor uma nova ditadura na sua forma convencional pois seria um retrocesso com altíssimos riscos de descambar em uma guerra civil de consequências imprevisíveis.
O que a maioria quer é a deposição desse poder espúrio que desgoverna o país, para que novos representantes da sociedade, sem vículo com essa corja de políticos prostituídos e ladrões, possam reorganizar e limpar o poder público da patifaria institucionalizada que o domina, e reorganizar o Brasil que está em um acelerado processo de falência de suas instituições.
A meta dos interventores de uma junta civil-militar é estancar a Fraude da Abertura Democrática e promover uma era de uma verdadeira democracia, desenvolvimento auto-sustentado, e de uma efetiva justiça social, que não se utilize mais de processos assistencialistas que visam unicamente transformar os menos favorecidos em massas de manobra com a concessão de bolsas qualque coisa, enquanto milhares de corruptos e traidores do país enriquecem sem parar.
É urgente que se dê um basta a esse sórdido assistencialismo comprador de votos com um programa de geração de empregos compromissados com empresários em uma economia moderna e com participação mínima do estado em atividades produtivas, uma revolução na estrutura econômica do país que possa absorver de forma digna e pela meritocracia a maioria dos que são tratados pelo desgoverno petista e seus aliados como manipulados lacaios de um projeto ditatorial fascista.

A deposição desse poder público sórdido deve começar com manifestações a nivel nacional já esperadas contra o Foro de São Paulo e contra a PEC37 que, de forma sorrateira e absolutamente desleal com a sociedade, foi pontualmente antecipada pelo decreto-lei 12830/2013, e somente com esta PEC teria seus efeitos regulamentados de maneira “corretiva” alternativa e constitucional, mas promovendo um golpe definitivo contra o Ministério Público.
O desgoverno petista diante da ampla rejeição dos políticos pela sociedade somente está agora preocupado com sua sobrevivência política e criminal, levando os milhões que protestam nas ruas, da forma costumeiramente leviana, mentirosa e desonesta, a acreditar que está trablhando para atender as legítimas aspirações da sociedade para a moralização do poder público.

Enquanto isso os condenados da gang dos quarenta e seu verdadeiro chefe continuam promovendo um golpe fascista e uma continuada degeneração moral dos já apodrecidos poderes da República.
A “presidenta”, independente de sua total incompetência e falta de moral para continuar no seu cargo, já perdeu o controle do poder público dominado pelo governo paralelo de seu padrinho, denunciado por um condenado como o verdadeiro chefe do mensalão que se encontra em processo de investigação por corrupção entre outros crimes.
Título e Texto: Geraldo Almendra, 25-06-2013


1º de julho de 2013
O Brasil vai parar!

Relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-