terça-feira, 14 de março de 2017

[Aparecido rasga o verbo] Timão de charrua

Aparecido Raimundo de Souza

“O marido reclamava tanto da mulher que ela, certa noite, enfurecida, resolveu prendê-lo no canil dos cachorros. Quando, manhã seguinte, se lembrou de tirá-lo do castigo, ele havia fugido com a cadela da vizinha”. 
Basfulú Rufino (Citado em “Tudo o que eu gostaria de ter dito”, página 116, Celeiro de escritores - São Paulo - 2010)

1
Sempre que o Leporace se sentava para tomar o dejejum matinal, a reclamação era a mesma.
- Diabo, Lindinha. Posso contar nos dedos as vezes em que eu vim tomar café que essa porcaria de garrafa não estivesse com o café no ponto. Pombas, você não aprende...
Lindinha, a esposa, eternamente solícita, vinha em socorro do seu marido com um sorriso largo no rosto entristecido.
- Lepo, meu amor, acabei de coar...

Leporace (ou Lepo, como carinhosamente Lindinha o tratava), nervoso e com cara de poucos amigos, enregelado como uma lâmina de forca rebatia:
- Confira você mesma.
- Vai ver “foi as crianças”. Sabe como é. Apressadinhas...
- Não me interessa. O café está uma merda.

Pacientemente a mulher derramava todo o conteúdo numa vasilha e voltava com ele ao fogão. Quando retornava Leporace continuava falando pelos cotovelos.
- Agora ficou pior...
- Como pior, amor?
- Gosto de requentado. Pra mim chega. Vou embora que o dia promete ser longo. Beba você essa água de batata.

2
Assim se sucedia todos os dias, o ano inteiro. À hora do café Leporace voltava à carga com a pobre da Lindinha, e o café que, segundo ele, andava pra lá de gelado, ora frio, ora morno, ora insosso e sem açúcar. Por mais que Lindinha se esforçasse, nunca acertava os ponteiros com o chato de galochas do homem amado.

A coitada acordava às cinco. Ia à padaria, passava o café, arrumava a mesa, preparava o lanche dos três filhos para a escola e, às sete horas em ponto, depois de uma correria danada, Lilinha, Simoni e Eduardo se viam no portão da casa enorme à espera da Van que os levaria para a escola. Despachada as crianças, voltava às carreiras para cuidar do mal-acabado do turrão que sairia às oito para a prefeitura, onde exercia a profissão de motorista de um dos caminhões de lixo.
- Estou atrasado, hoje...
-  Lepo, meu amor, a mesa está posta, à sua espera.

3
Novamente, ao se acomodar, o impaciente e intrépido mal-agradecido vociferava da bebida fora dos padrões normais.
- De novo para o trabalho sem me alimentar adequadamente. Droga... droga... droga!

Alguns dias à frente Lindinha careceu de sair. Após se livrar das crianças, da calçada mesmo se mandou para a pracinha onde pegaria a condução. Leporace pulou da cama, tomou banho, se vestiu e, como normal, ao entrar na sala encontrou a mesa do café pronta, com tudo a tempo e a hora. Chamou pela companheira, mas lembrou, na noite anterior -, ela avisara que estaria ausente em vista de precisar realizar uma consulta com seu ginecologista. Leporace passou manteiga no pão, cortou o queijo, se serviu de uma fatia de mortadela, pegou o leite. Até aí sem queixa ou protesto, até porque todos os cômodos estavam vazios.
- Droga! Que droga!

Ao se servir do líquido precioso, o estrondo inesperado não se fez esperar.
- Garrafa dos infernos. Essa água rala parece mais com mijo de velha.

Nessa hora, aconteceu então o inesperado imprevisto. Uma voz rouca e braba encheu todo o ambiente:
“Escuta aqui, seu filho de uma égua desmamada...”.

4
Leporace tomou um susto tremendo. Derrubou a cadeira onde se sentara. Desconfiado, perscrutou para todos os lados.
- Quem está falando? Quem é? Apareça...
“Estou aqui desgranhento. Sou eu quem fala contigo. Passa a mão nessa cadeira, e senta a bunda aí e me escuta. Olhe para mim. Quero levar um tête à tête com o ilustre cavalheiro.

Leporace espavorido e atemorizado, tremendo mais que vara de caniço em temporal, espiou de novo em todas as direções. Nada. Não viu viva alma.

A voz macabra insistiu:
“Senta aí excomungado. Não vou pedir de novo”.

Deu de frente, finalmente, com a velha garrafa de café, no centro da mesa, olhando para ele, enfezada, zangada, furiosa, pê da vida.
“Sou eu mesma. A sua garrafa de café. Senta esse rabo magro ou despejarei essa panela de leite nos seus cornos”.
- Que brincadeira é essa? – “Tá me tirano”?

A garrafa deu umas mexidas estranhas, como se dançasse ao som de uma música infernal. Esse novo contratempo   perturbou mais um bocado os ânimos austeros e abespinhados da criatura.
“Senta seu monte de bosta”.

Leporace, completamente estatelado, se acomodou assombrado, confuso, o coração acelerado, como se quisesse saltar pela boca.
“Agora me escute. Olhe para mim...”.
- Você?  Você fala? Meu Deus! Enlouqueci. Estou batendo boca com uma garrafa de café. Kikikiki.
“Pare de rir imbecil. Agora diga sim senhora”.
- Eu dizer para uma garrafa sim senhora? “Qualé a sua?”.  Vá ver se estou lá na esquina.
“Me alcance o cabresto. Se você estiver lá, lhe trago amarrado a minha raiva”.
- De que cabresto falamos?

A resposta não se fez esperar. A leiteira, como se estivesse sendo movida por uma mão invisível, saiu do seu marasmo e voou em direção a Leporace derramando todo o conteúdo em sua cabeça. Mesmo instante, o pote de manteiga deu uma pirueta se alojando em seu nariz, sujando toda a sua cara esbugalhada com o produto gorduroso.

5     
- Mas o que é isso? Que brincadeira mais sem graça? Olha como ficou meu uniforme... eu vou...
“Leporace seu imbecil de uma figa. Você não vai coisíssima nenhuma. Fica na sua. Abaixa a sua bola. Caso contrário, providenciarei para que essa mesa caia sobre seus costados. Agora me escuta, seu verme. Repita comigo. Sim senhora”.
- Sim senhora.
“De novo. Sim senhora”.
- Sim senhora...
“Bom menino. Assim é que gosto de ver. Guarda bem o que direi seu vagabundo. A partir de hoje não quero mais ver ou ouvir o senhor dar um pio em relação ao café que a Lindinha prepara com todo esmero e dedicação e lhe serve nessa mesa. Aliás, em relação a mais nada. Vamos botar um ponto final a partir de agora. De contrapeso, apelo para seu bom senso. Se ouvir mais um protesto, um tantinho assim que seja lhe aplicarei um castigo do qual jamais se esquecerá.

6
A toalha inopinadamente se elevou da mesa, deu um safanão e se estatelou no chão derrubando tudo o que estava sob ela.
“Entendeu meu recadinho, seu covarde?”
- Si... sim...
“Então diga sim senhora, entendi perfeitamente bem. Fale... solte a língua”.
- Sim senhora. Entendi.
“Não ouvi. Repita”.
- Sim senhora. Entendi.
“Saiba que sua consorte, a Lindinha não é sua escrava. Ela levanta cedo, cuida de todos os afazeres, como uma boa e prestimosa dona de casa, e não dá um pio. Aturar três crianças e mais um canalha da sua laia é o “olho do borogodó”. Portanto, seu veado chifrudo, a partir de hoje, se eu escutar, ou melhor, se eu sonhar ter ouvido um protesto, uma empombação, zanga ou exigência tenha a certeza de que o senhor nunca mais se esquecerá de mim. Estamos entendidos?
- Esta... esta... esta... mos... en...
“Pare de gaguejar seu filho de um jumento. Você não é homem para ficar se exibindo?”
- Sou...
“Então repita. Estamos entendidos”.
- Es... esta... estamos entendidos.
“Não ouvi. De novo”.
- Esta... estamos entendi... entendidos...
“De novo”.
- Estamos entendidos.
“Mais alto, mais alto”.
- Estamos entendidos.
“Grite. Estamos entendidos”.

Leporace mal acabou de berrar, a garrafa de café se destampou sozinha e mergulhou, certeira, sobre a cabeça do abestalhado, despejando sobre seus cabelos todo o restante do café acondicionado em seu interior.

***    

Final:
Sonho, ilusão, visão, não importa. Desse dia em diante, nunca mais se ouviu uma contradita saída da boca de Leporace com relação ao café que Lindinha lhe preparava. A bem da verdade, o cidadão se transformou da água para o vinho. Ficou como dizem, “pianinho”, passando, inclusive, a ajudar a cara-metade nos pequenos afazeres domésticos antes de sair definitivamente para o batente. Lindinha percebeu e aprovou essa mudança. Todavia, nunca compreendeu os motivos que levaram seu querido Lepinho a se tornar, da noite para o dia, numa pessoa exemplar, meiga e atenciosa. E o mais espetacular: com uma educação refinadíssima e acima de qualquer suspeita.

AVISO AOS NAVEGANTES:
PARA LER E PENSAR, SE O FACEBOOK, CÃO QUE FUMA OU OUTRO SITE QUE REPUBLICA MEUS TEXTOS, POR QUALQUER MOTIVO QUE SEJA VIEREM A SER RETIRADOS DO AR, OU OS MEUS ESCRITOS APAGADOS E CENSURADOS PELAS REDES SOCIAIS, O PRESENTE ARTIGO SERÁ PANFLETADO E DISTRIBUÍDO NAS SINALEIRAS, ALÉM DE INCLUÍ-LO EM MEU PRÓXIMO LIVRO “LINHAS MALDITAS” VOLUME 3.
Título e texto: Aparecido Raimundo de Souzajornalista. Do Sítio ”Shangri-La” – Um lugar perdido no meio do nada. 13-3-2017

Colunas anteriores:

Um comentário:

  1. Com certeza muitas mulheres desejam possuir uma garrafa termica dessa em suas casas. Otima aliada contra o machismo desmedido de certos individuos totalmente sem nocao. Parabens ao autor.

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-