segunda-feira, 13 de março de 2017

[Aparecido rasga o verbo] Um rosto no espelho e a cicatriz indesejada

Aparecido Raimundo de Souza

Um
ZÉ INCONFORMADO, todo santo dia, antes de sair para o trabalho, se tranca no minúsculo cubículo que serve como quarto no mocambo onde mora. Nesses breves minutos, o rosto rubicundo, piscando os olhos estrábicos e pequenos, de cor imprecisa, sem dinheiro nenhum para os óculos caros demais, a pele maltratada pelo tempo quanto o telhado de amianto sob sua cabeça, se mira demoradamente na metade de um espelho incrustado numa velha porta do que um dia fez parte de um guarda-roupa.

“Espelho,
espelho meu,
me diga, agora,
se ainda existe
alguém mais trouxa
ou mais besta do que eu?”

Dois
Indiferente, o pequeno objeto permanece surdo, estático, parado, frio e insólito. Na verdade, se limita apenas a enfeitar a sua ruína com os malogros e contusões encontrados ao longo de sua existência, objetivando refletir uma imagem distorcida, como a de um bocó, diante de um Monet.
— Vamos, fale comigo. Preciso de uma resposta. Necessito saber... — Balbucia a decisão enérgica. – Não me deixe a ver navios!

Três
O espelho, todavia, não ajuda. Contumaz, insiste na mudez sepulcral. Uma voz meiga, indo e vindo, no embalo de uma recém-nascida de pouco mais de dez dias, vem lá da cozinha e invade a solidão da peça. É Maria Clara, mulher do Zé:
— Meu bem, vai chega tarde. Sua malmita tá pronta em cima do fugão.

Sem desviar o rosto do caco de espelho, o infeliz esboça um “já vou” sem entusiasmo, preguiçoso, perdido, rendido incondicionalmente à sua inutilidade total, como se a revolta que sente na alma lhe prendesse os pés e as vontades nos desvãos das tábuas desgastadas do assoalho.
— Preparei tamém o café. — Continua a mulher em sinal de alarme. — Não vá esquece. Coloquei na garrafa de refrigeranti. No caso de senti sono à noite.

Quatro
Zé Inconformado, não quer continuar sofrendo. A vontade é se meter no buraco que serve de privada e sumir como um cagalhão na fossa comunitária onde desembocam todos os esgotos oriundos das outras palafitas que fazem parte do cortiço. Maria Clara, todavia, atenta às obrigações, o faz voltar à realidade nua e crua; como crua e desnuda se apresenta sua vida, seu futuro desumanamente igual, sem um mínimo de esperança para alegrar um novo porvir. A rotina o enerva, sobremaneira. Trabalhar a noite inteira e dormir durante o dia. No fim da tarde, por volta das seis, pular da cama e se preparar para encarar o batente e começar tudo outra vez, numa repetição que não perde a sua morbidez.

Cinco
Não aguenta mais o balde de água fria, pendurado à guisa de chuveiro; se fartou, há muito, da gororoba invariável; se abarrotou de engolir o café ralo com pão dormido; se encheu de vestir o uniforme de cor laranja desbotado, a logomarca da empresa ilegível no bolso furado. Odeia pegar a bicicleta velha, caindo aos pedaços, e seguir para o local onde labuta como vigia. O salário, nem se fala. Mirrado, escasso, depauperado, mal cobre o valor da cesta básica. Pior na história: a mulher recém-chegada do SUS dera luz a uma menina com rostinho de princesa. O nascimento da filha, porém, não lhe anima, nem encoraja a seguir em frente e lutar.
—Zé, meu amor, olhe as hora. Vai chega atrasado, home. Não isqueça que o percurso é longo...

Seis
Zé Inconformado parece um paspalho. Apalermado, não está interessado no andamento dos ponteiros. Quer esquecer que o tempo urge. Pouco lhe importa se chegará depois do horário previsto. Mirando ainda o espelho, num derradeiro lampejo, como um possesso, se lembra de uma notícia que leu, dias atrás, num jornal que deixaram na portaria. Falava de uma enfermeira de setenta e oito anos que mandara tatuar uma mensagem no peito, pedindo para todas as suas colegas que não procedessem às manobras de ressuscitação em pacientes que apresentassem caso de parada cardíaca. Segundo a matéria, a mulher agia dessa forma porque concluíra que a vida não valia a pena ser vivida. Tudo no mundo se tornara cruel devido ao aumento assustador das pessoas ingratas que se degradavam entre si.
— Zé, pelo amor de Deus...
— Já escutei. Tô saindo!...
—Vô até à Comunidadi busca umas ropinha que dona Adelina conseguiu juntá das doação pra nossa Marjorie. Fecha as oito em pontu. Se não consegui chega percu a veis...

Sete
O rapaz parece isolado na sua dor pungente. Se sente como um avião em parafuso, numa descida vertiginosa, em direção ao solo. Sabe que dentro de segundos haverá um impacto indescritível e então será o fim. Isso o deixa abandonado à sorte de uma existência vazia e fatigada. A uma vida desassossegada, ignota, explodindo pavor por todos os poros. Para que continuar pelejando? A tal enfermeira, melhor que ninguém, naturalmente deveria ter todas as razões do universo para fazer um pedido extravagante, mas, no fundo, de cunho eivado de profunda seriedade e discernimento.

“Espelho,
espelho meu
me diga, agora,
se ainda existe
alguém mais trouxa
ou mais besta do que eu?”

Oito
O refletor se mantém intransigente, na sua incumbência infame de reproduzir a miséria de seu amo. Zé Inconformado se vira, abre o postigo que separa as repartições. A fenda cede num estalar de vencido. Na cozinha, passa a mão na marmita com arroz e ovo cozido. Junto, vai um vasilhame pet com café preto, tudo acondicionado numa espécie de sacola de pano de cozinha remendado em várias partes. Lá fora, prepara a bicicleta e se põe em marcha. A favela fica às margens de uma rodovia onde milhares e milhares de caminhões e ônibus trafegam numa violência inimaginável.

Nove
Zé Inconformado segue, desviando de um amontoado de tranqueiras jogadas, sacos de lixos espalhados em montes os mais variados tamanhos.  Pedala, devagar, em face do terreno irregular, em direção ao seu destino. Exatamente três quilômetros até o portão principal que acessa a guarita. Maria Clara, pouco à frente, com a neném ao colo, faz igual trajeto, contudo, logo adiante, coisa de trezentos metros, dobra atravessando uma ponte. Zé tenta alcançá-la, na esperança de dizer adeus à companheira e a filhinha. Só tornará a rever as duas na manhã do dia seguinte, ainda assim, se der sorte e não tiver que “dobrar”, cobrindo algum companheiro faltoso.

Dez
O carro de passeio, desgovernado, naquele instante, cruza a via. Passa da direita para a esquerda, depois volta, numa velocidade vertiginosa. Roda alguns metros, em ziguezague. Abalroa dois outros veículos que seguem quase paralelos. Uma moto trafega pelo corredor. De súbito, o sujeito que a pilota, tenta escapar de ser colhido pela traseira. À custa de muito sacrifício e perícia, atrelado a um ato de sobrevivência espantosa, tensa e afobada, preso, porém, num ângulo impossível, gira como pode, tirando de qualquer jeito para o acostamento.

Onze
O acidente, contudo, traz, consigo destinatário certo. No vestíbulo do que seria um meio fio inexistente, pega, em cheio, a bicicleta de Zé Inconformado. O desditoso se vê, entrementes, atirado ao longe. Voa, a uma aceleração incrível, lambendo a imundície exposta em rumo de colisão com uma parede de concreto armado. A pancada que o detém é tão forte e agressiva, que sua cabeça se transforma numa bola disforme, com pedaços de massa encefálica espalhadas feito um tumor por todos os lados.

Doze
Agonizando, perde o controle sobre tudo, mergulha num abismo de escuridão, cai num estado de morte antes que o socorro (num explodir de luzes vermelhas e sirenes de sons alardeantes) possa lhe prestar ajuda. Parte desta para melhor, o pobre Zé, ironicamente inconformado, sem a resposta que buscava com aflição e veemência, indagando do pedaço de espelho que não coadjuvava outro papel, senão sobrepor a sua imagem estúpida e aprisionada dentro da própria solidão.

“Espelho,
espelho meu
me diga, agora, se a... se ainda e... existe...?”

AVISO AOS NAVEGANTES:
PARA LER E PENSAR, SE O FACEBOOK, CÃO QUE FUMA OU OUTRO SITE QUE REPUBLICA MEUS TEXTOS, POR QUALQUER MOTIVO QUE SEJA VIEREM A SER RETIRADOS DO AR, OU OS MEUS ESCRITOS APAGADOS E CENSURADOS PELAS REDES SOCIAIS, O PRESENTE ARTIGO SERÁ PANFLETADO E DISTRIBUÍDO NAS SINALEIRAS, ALÉM DE INCLUÍ-LO EM MEU PRÓXIMO LIVRO “LINHAS MALDITAS” VOLUME 3.
Título e texto: Aparecido Raimundo de Souzajornalista. Do Sítio ”Shangri-La” – Um lugar  perdido no meio do nada. 13-3-2017

Colunas anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-