segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Os vigaristas riem da cara dos brasileiros: “Como é fácil enganá-los!”

Até os petistas devem parar de vez em quando… não digo para pensar, que também não é o caso de a gente exagerar, mas para fazer, assim, um balanço de suas ações. E devem dizer para si mesmos: “Como é fácil levar essa brasileirada no bico!” Ooops! “No bico”, não! Eles diriam que isso é coisa de tucano. É fácil dar truque, enganar, mentir, trapacear, aplicar um estelionato eleitoral.
Menos de quatro meses depois das eleições, ficamos sabendo que o governo federal decidiu abraçar resolução do Conselho Nacional de Educação e incentivar a implementação da progressão continuada no Brasil inteiro — a mesma progressão de que Dilma Rousseff falou mal durante a campanha; a mesma progressão que Aloizio Mercadante, agora ministro, malhou impiedosamente.
Pior: quando eles faziam seu proselitismo, o MEC, na prática, já havia adotado a sugestão do CNE. A candidata Dilma, pois, estava praticando aquilo que usualmente se conhece como “mentira”. Mercadante também. 
Se forem cobrados — boa parte da imprensa não fará isso para não parecer indelicado com os companheiros —, dirão que a “progressão” deles é diferente da dos tucanos porque vem acompanhada de aulas de reforço etc. Como se não houvesse isso em São Paulo — estado em que há dois professores em sala de aula no primeiro ano, o da alfabetização.
Eis aí: mentira, trapaça, enganação. E não que ajam à socapa. Isso nem mais é necessário. Chegamos ao ponto em que já não se avalia a qualidade de uma política pública, mas quem a implementa. A progressão continuada, se implementada por tucanos, é viciosa; se abraçada por petistas, é virtuosa. Programas de reparação da miséria, como os  do governo FHC, eram viciosos; chamados de Bolsa Família por Lula, são virtuosos e devem ganhar até um museu, instalado num palacete.
Setores importantes da imprensa, que se calam diante da vigarice, tornaram-se agentes da tentativa de construção do partido único. Tudo segundo a mais legítima lógica democrática, é claro! Dilma já dá sinais de que não pretende mais “controlar a mídia”, a exemplo de Lula.
“Controlar pra quê?” Está tudo sob controle.
Título e Texto: Reinaldo Azevedo


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-