sábado, 25 de abril de 2015

O dilema de uma mãe socialista

Inês Teotónio Pereira
Eu, tal como o PS, compro tudo aos meus filhos sem vergonha nenhuma e prometo-lhes o céu e a terra só para poder ver o telejornal descansada

Estava eu a ler o programa eleitoral socialista e pela primeira vez em toda a minha vida – que já vai mais longa que o regime democrático – identifiquei-me pessoalmente com o PS. Até à data eu tinha a convicção profunda de que em minha casa só os meus filhos eram socialistas e apenas os pais continuavam a ser as mesmas duas pessoas lúcidas que sempre foram. Estava enganada, o programa do PS levou-me a concluir que afinal eu também sou uma mãe socialista. Cheguei a esta curiosa conclusão porque percebi que o PS lida com os portugueses da mesma forma que eu lido com os meus filhos.

O PS, segundo o seu programa eleitoral, promete o que tem e o que não tem e com estas promessas tem esperança de vir a ter a votos. As contas não batem certo, as previsões são baseadas na esperança e até faz tábua rasa de tudo o que tem dito até aqui. Ora eu sou igualzinha com os meus filhos: também lhes prometo tudo na esperança que eles me obedeçam e cumpram as suas obrigações. Digo uma coisa num dia e outra coisa noutro dia só para fazer chegar a água ao meu moinho e nem me preocupo com a coerência das minhas promessas porque as batalhas diárias não dão espaço para preocupações dessa ordem.

Nós, eu e o PS, fazemos tudo para atingir os nossos resultados: o PS votos e eu que os miúdos vão para a cama. Até hoje eu achava que esta não era a melhor forma de educar crianças, que não devia prometer tanto e muitas vezes não conseguir cumprir. Achava ingenuamente que os estava comprar e que isso era mau. Mas graças ao PS percebi que não, que não é mau. É que segundo o economista do PS, João Galamba, comprar votos é um mero exercício de democracia.

Obrigada, João Galamba, já somos dois democratas.

Eu, tal como o PS, compro tudo aos meus filhos sem vergonha nenhuma e prometo-lhes o céu e a terra só para poder ver o telejornal descansada. Prometo-lhes chupas se eles tirarem boas notas, rebuçados se se calarem, cinema se se portarem bem, a chucha ao bebé se ele comer a sopa, etc. E a verdade é que muitas vezes não cumpro essas promessas. Não é por mal, é que muitas vezes não tenho tempo para os levar ao cinema, raramente tenho chupas em casa e na maioria dos casos nem me lembro do que prometi. Enfim, vivo a subornar os meus filhos e a fazer-lhes promessas falsas. Não por votos, como o PS, mas por causas muito menos nobres, como seja o sucesso escolar deles, o meu sossego, eles comerem legumes, etc. A minha veia democrata e socialista é de tal forma latejante que até lhes prometo que se estudarem podem vir a ser economistas do PS, assinar manifestos e até chegar a ministros.

Ora aquilo que eu achava que era uma fragilidade maternal, um erro pedagógico, uma forma de compensar a minha falta de autoridade e de verdade, afinal não é. Este é um dos casos em que os fins justificam os meios, ensinou-me o PS. Eu compro os meus filhos para eles fazerem o que eu quero, o PS faz o mesmo com os portugueses para ganhar eleições.

São ambos bons fins e ao que parece até são democráticos.

Mas eu ainda tenho muito a aprender com o PS e gostava sinceramente que outro programa eleitoral ou outra qualquer declaração do economista João Galamba me ensinassem. O meu grande problema, que aproveito para partilhar com o PS, é que os meus filhos já me toparam e eu sinto-me mal. Eu sei que o PS não tem esta preocupação e já ultrapassou estes dilemas morais, mas ainda sou verde nestas coisas do socialismo e por isso tenho uma dúvida: o PS nunca tem vergonha? 
Título, Imagem e Texto: Inês Teotónio Pereira, Jornal “i”, 25-4-2015

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-