terça-feira, 6 de outubro de 2015

Os especialistas ao poder

Alberto Gonçalves
No início do Verão, as ocasionais sondagens davam uma vantagem razoável do PS sobre a coligação. Os especialistas, que salpicam análises nas televisões, riam: era óbvio que, dado o prodigioso talento do Dr. Costa, a vantagem seria muito maior.

Há algumas semanas, uma sondagem sugeria que o PS e a coligação estariam misteriosamente próximos. Os especialistas riam: a sondagem era uma anedota que não reflectia o entusiasmante carisma do Dr. Costa.

Na pré-campanha, sondagens diárias começaram a introduzir a possibilidade de uma vitória ligeira da coligação. Os especialistas riam: tratava-se de meras tracking polls, americanice que não representa nada e jamais contrariaria a esmagadora superioridade moral do Dr. Costa.

Na campanha propriamente dita, as tracking polls e uma ou outra sondagem resolveram imaginar um triunfo relativamente folgado da coligação. Os especialistas riam: descontado o ódio das massas ao governo, simbolizado no relevante agrupamento Os Lesados do BES, a verdade é que o avanço se encontrava dentro do empate técnico e, para cúmulo, tudo constituía uma fraude organizada para "mobilizar" a "direita" e prejudicar o Dr. Costa.

Na quinta-feira passada, as derradeiras sondagens repetiam, com maior distância, a vitória da coligação. Os especialistas riam menos: o povo português não pode ser tão estúpido, além de que todos os líderes democráticos, com o Dr. Costa à cabeça, ouviam nas ruas o bom povo a invectivá-los da necessidade de correr com "aqueles gajos".

Ontem, os inquéritos à boca de urna ousavam insinuar que a coligação ganhara as "legislativas", talvez com hipóteses de maioria absoluta. Os especialistas já não riam: limitavam-se a notar, com inteira propriedade, que a maioria absoluta seria improvável e que o importante é que a esquerda unida teria decerto mais mandatos do que a "direita".

Os resultados provisórios, pelo menos à hora a que escrevo, confirmavam a maioria relativa da coligação. Os especialistas deixavam escapar uma lágrima: não havia dúvida de que a "direita" sofrera uma derrota às mãos das "forças sociais" à esquerda e, como é natural, restava ao Presidente da República enxotar do poder os dois partidos que concorreram juntos e colocar lá o PS com um ou dois bandos de terceiro-mundistas detestados por metade dos eleitores socialistas e 9/10 dos portugueses.

Na TVI, uma especialista enganou-se ao admitir que o Dr. Costa é o grande derrotado da noite: é o Dr. Costa e são os especialistas. É pô-los também a governar. 
Título e Texto: Alberto Gonçalves, Diário de Notícias, 5-10-2015

Um comentário:

  1. Embora existam já mil e um comentários e análises sobre as eleições e quem ganhou e quem perdeu, não resisto a uma breve análise.

    Como todos vimos, ouvimos e lemos, quase todos os jornalistas, de quase todos os órgãos de comunicação social (melhor dizendo, órgãos de descomunicação anti-social), com raras e honrosas exceções, e incluo também quase todos os chamados "comentadores", pois toda esta gente pugnou, de forma clara ou velada, pela derrota da coligação PSD/CDS e pela vitória do PS. Destaco especialmente, nos jornais, os seguintes pasquins: DN, JN, Público e Expresso. Entre as TVs foi notória o empenhamento da TVI e da SIC na derrota do Governo. E na rádio destacaria a Antena1 e TSF.

    Pois bem, todos estes órgãos verdadeiramente de desinformação foram largamente derrotados. O diretor de informação da SIC Notícias já se demitiu. E os outros diretores não teem vergonha na cara? Ou são como o António Costa e não se demitem? São uns sem vergonha!
    Jorge Rodrigues

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-