terça-feira, 17 de novembro de 2015

Coisas em que ninguém repara. Desta vez duas

Vasco Lobo Xavier
António Costa deu ontem uma entrevista à RTP. Mais uma. Sem dizer nada de relevante ou de credível (quando respondia ao criado-mudo, o que raramente aconteceu). A acrescer às centenas de entrevistas que Centeno, César, Pedro Santos têm dado em corropio a todas as televisões e jornais. Com muitos jornais e televisões, pejados de comentadores amigos, a tentarem justificar o que importa e é injustificável, ou seja: uma tremenda colecção de mentiras a todos os títulos inconcebível. Não me importa a legitimidade processual, legal ou constitucional do homem ou das suas atitudes: interessam-me as mentiras.

António Costa prometeu que só derrubaria o Governo legítimo se tivesse alternativa sólida, credível e estável e fez o contrário. Disse que não integraria uma alternativa negativa e é só isso que tem feito (em rigor não integra coisa alguma mas enfim…).

Garantiu ao Presidente da República que tinha um acordo com os partidos da extrema-esquerda quando não tinha. Anunciou mais tarde esse acordo (que não existia e não existe, sequer hoje) quando PEV, PCP e BE dizem coisas completamente diferentes e as diferentes coisas que se encontram escritas em diferentes post it, ou quase, assinados às escondidas numa cave, constituem um conjunto de banalidades que nada asseguram.

Baseou-se no estudo Centeno/Galamba para garantir que as contas davam certo e rasgou-o na primeira oportunidade. Promete tudo e mais alguma coisa quando todos sabemos que é impossível. Tudo isto para além de ser um zero quando instado a explicar-se concretamente, ou às suas medidas. E, todos sabemos também (eu escrevi-o no princípio de Setembro), anda nisto apenas para salvar a sua pele e que se lixem os portugueses, os eleitores, as eleições e o país (para já não falar do seu próprio partido). Se Costa não serviu para afastar nas urnas um Governo que supostamente era tão mau, se os portugueses não confiaram em António Costa para isso, tarefa alegadamente tão fácil, se os portugueses não acreditaram nele, mesmo nas condições difíceis em que a Coligação se apresentou a eleições, ele é merecedor de quê?!?

Parece que isto não incomoda em Lisboa a comunicação social e menos ainda incomoda os comentadores sociais lisboetas. Pois seja: aos portugueses incomoda.

Uma coisa é certa. Ou, mais rigorosamente, duas. A primeira é que, independentemente dos contorcionismos de malabarista com que se queiram ver ou analisar os resultados das eleições legislativas, os portugueses não quiseram António Costa para Primeiro-Ministro e disseram isso com o seu voto, bem alto e de forma bem audível. “Este, não! Nunca!” O que se está fazer para o alçar a Primeiro-Ministro, António Costa e a sua trupe, revela apenas um desprezo total e completo dos socialistas and friends pela democracia e pelos resultados das eleições democráticas. Por outras palavras, um desprezo pelos portugueses e pelo seu voto nas urnas.

A segunda coisa certa e indiscutível é que António Costa, mesmo que venha a ser Primeiro-Ministro, continuará a ser para todo o sempre e para todos, mesmo para os do seu partido, o desgraçado que não conseguiu sequer vencer o Governo de Coligação que se viu obrigado a, durante quatro longos e duros anos, aplicar o difícil memorando da troika que o PS negociou e assinou, o memorando a que o PS obrigou o país por ter levado o país à bancarrota em 2011. É currículo que justifique ou sustente vir a ser Primeiro-Ministro? Só na cabecinha dele… 
Título e Texto: Vasco Lobo Xavier, Corta-fitas, 17-11-2015

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-