terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

Antes que melhore, é preciso piorar... (No pain, no gain)

Valdemar Habitzreuter
Profetizar que a crise política e econômica que o país atravessa no momento vai melhorar, sem antes piorar, é um contrassenso, uma falácia ou uma estratégia de transmitir esperança ao povo. Mas é assim que as profecias de falsos profetas funcionam. Nunca erram. Primeiro profetizam que vai piorar, e nisso acertam se piorar; mas acrescentam que vai melhorar, e também acertam se melhorar (não são capazes de dizer quando).

Um médico incompetente, que examina um doente e não sabe o que ele realmente tem, dirá o seguinte ao paciente: vê-se que o senhor não está nada bem, e acrescenta profeticamente: talvez piore antes que melhore - e lhe receita um remédio ao seu bel-prazer. Passam os dias e o paciente volta ao consultório do médico queixando-se das dores que aumentaram. O médico lhe receita outro remédio mais potente.

Mesmo assim, nada de melhorar, só piorando. O paciente desesperado procura outro médico. Este por sua vez descobre a doença e questiona o paciente pela demora em procurar ajuda médica. O paciente responde: pensei que o senhor diria que ‘ficará pior antes que melhore’, como o médico que consultei anteriormente. O médico retruca: “sem dúvida, tua apendicite piorou a tal ponto que poderia ter te matado... Com a cirurgia vai melhorar.”

A sutileza da falácia ‘ficará-pior-antes-que-melhore’ serve apenas para encobrir a incompetência e ignorância de pessoas charlatãs.



Alguma semelhança com a nossa política econômica brasileira? Os profetas do PT profetizam da mesma forma. O Brasil está gravemente doente e pode ser transferido para a UTI, e chegou a este estado pela incompetência do governo petista, embora culpem o FHC e causas externas.

Agora, nossa atual dama-profetiza não se cansa de consolar o povo com a mesma falácia profética de que a crise pode se agravar, mas que é preciso agonizar, apertar o cinto, para num momento oportuno melhorar. Parece que os nossos dirigentes estão imbuídos da máxima cristã: é pelo sofrimento que alcançamos a felicidade, o céu.

É claro que a nossa profetiza está acertando em cheio. Que a crise está piorando está na cara e que vai melhorar, isso também vai (espera-se). Mas não com ela...

Os petistas cegos fanáticos que endeusaram seu profeta maior não enxergam a falácia das profecias petistas. Esta crise, esta doença que acometeu o Brasil não teria acontecido se falsos profetas não tivessem se apoderado das mentes fracas do povão. O estrago da doença está aí à vista de todos; só autênticos líderes poderão remediar esta situação caótica através de uma cirurgia radical e dar saúde e vida nova ao Brasil.
Título e Texto: Valdemar Habitzreuter, 16-2-2016

Relacionados:

2 comentários:

  1. Apesar do estupendo comentário, não poderia deixar de dar meu pitaco.
    Não existe modelo econômico melhor que o capitalismo.
    A teoria nos diz é descobrir quando o estado deve intervir.
    Depois do 11 de setembro, os EUA ajudaram as 5 grandes companhias aéreas com 5 bilhões de dólares para cada uma, dado, doado não importa, foi intervenção estatal na macro-economia.
    Depois na crise imobiliária novamente o estado americano interveio nos grandes bancos.
    Em toda crise macro-econômica os americanos fazem intervenção, ora baixando os juros a zero, ora subindo alguns pontos percentuais.
    Ora, FHC ajudou as instituições financeiras, mas não reduziu as taxas de juros.
    Devemos lembrar que a CPMF foi criada pelo FMI, para realizar o superávit primário, e nosso congresso dizia que era para a saúde.
    Veio a quebradeira de nossas empresas aéreas, nada foi feito, e os juros nada de baixar.
    Segundo Keynes um plano econômico leva de 6 a 8 anos pra dar resultado, e foi o que aconteceu com o plano real, a mula eleita em 2002 colheu os louros da vitória econômica.
    Não fez ajustes nenhum na economia.
    Vivia de JUROS da macro-economia, com o fim da CPMF passou a tirar da previdência social, para sustentar o superávit primário.
    Qualquer crise econômica no Brasil aumenta-se as taxas de juros.
    Reduz a produção, reduz o dinheiro no mercado, reduz o número de empregos, e aumenta os juros das dívidas públicas e os lucros da empreiteiras e bancos, fazendo a macro-economia ceder, e as empreiteiras a ganhar com juros subsidiados pelo estado.
    Tem uma frase de keynes que explica:
    - O declínio da eficiência marginal do capital decorre de sua escassez decrescente com o volume demandado, como ocorre com qualquer ativo de capital. Para ativos de capital produtivo, o limite para o investimento é dado pelo mercado dos bens produzidos com esse capital. O declínio do seu rendimento marginal se dá devido aos crescentes custos financeiros decorrentes de amortizações e dívidas contraídas pela empresa investidora, ou ainda o fluxo de desembolsos para o pagamento desses mesmos bens de capital, o que reduz a condição de liquidez da empresa. Esses fatores aumentam os riscos financeiros assumidos pelos investidores, o que faz com que as suas expectativas de retorno sejam cada vez menores.
    No Brasil ACABOU O DINHEIRO com a corrupção, não há capital de investimento, e as dívidas do setor público e privado, não rendem mais juros.
    O PT É MALTHUSIANO.
    FAZ CONTROLE POPULACIONAL, MATANDO OS VELHOS DE FOME E DOENÇAS, E OS POBRES NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE.

    ResponderExcluir
  2. Caros Habitz e Rochinha.
    Tanto o Texto como o Balanço que denominastes "pitaco" são reais e exatos, verdadeiros, porém na Democracia, a maioria vence, é 50% mais um, precisamos nos conscientizar que a classe que se beneficia com este poder petista, que é desprovida de cultura, e os que vivem na marginalidade, se proliferaram absurdamente nos últimos 15 anos, a sua natalidade é muito maior do que possamos avaliar, este País está tomado, literalmente, pelo PT, a lavagem cerebral já foi feita.

    O País é carente de um Líder honesto e competente.
    O Povo merece o que tem!!!
    É o fim da Picada!!!
    Abs
    H Volkart

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-