quarta-feira, 8 de março de 2017

[Para que servem as borboletas?] Que liberdade é essa?...

Valdemar Habitzreuter

Sei lá, está tudo muito confuso. Quanto mais filosofamos sobre a vida mais embaralhados ficamos, não chegamos a um porto seguro. Dizer que somos os donos da verdade e que sabemos viver a vida bem e feliz é uma pilhéria. Tudo muito complexo esta vida para o ser humano. Se me proponho a ser feliz, e o quero ser de verdade - a felicidade, diz-se, só acontece se escolho o bem e evito o mal -, por que é tão penoso fazer o bem e tão agradável e fácil deixar-se levar pelo lado oposto? Praticar o bem só me dá alegrias depois de tê-lo praticado, enquanto o mal já se apresenta delicioso e compensável no ato mesmo de praticá-lo, embora o depois nos carregue, as mais das vezes, de tristezas e arrependimento.

E não me digam todos vocês que não tenham o propósito, como meta, de serem felizes. Todos procuramos a felicidade. No entanto, não tão dispostos a empregar os meios para tal finalidade. Aliás, podemos até estar firmemente decididos, mas algo sempre intervém e relaxamos em nossas decisões e puf!, lá estamos nós escorregando para o lado mais fácil de deixar a vida passar, para o lado onde a felicidade não se encontra.

Pois é, tudo por culpa da liberdade, acho. Tenho a opção de escolher entre o bem e o mal. O bem me leva para a felicidade, o mal para a infelicidade. No entanto, a escolha do bem, na maioria das vezes, é enfraquecida quando o mal se apresenta como alternativa de um bem mais gostoso. Que diabos de liberdade é essa em que escolho o bem e acabo praticando o mal?

Quem já não se viu numa ocasião festiva ou numa balada, por exemplo, em que iguarias e bebidas deliciosas estavam disponíveis aos convivas e, ao mesmo tempo sobrevindo o dilema: deixo-me empanturrar e embebedar, caindo de boca nessa gostosura toda, ou me refreio? Ao me refrear tenho a certeza de que vou me sentir melhor depois do que se me entregasse à glutonia. E sabemos, por experiência própria, que a tentação de se deliciar dessas gostosuras se impõe e adeus, então, com o bem escolhido, e bem-vindo o ‘bem-bom’ imediato e prazeroso.

Sinal de que a liberdade não é uma mercadoria que se compra facilmente na esquina da vida. Nossa condição humana corrupta e frágil não tem meios suficientes para estar de posse dessa força de vontade que nos possibilite tão somente praticar o bem, por simplesmente tê-lo escolhido livremente; sempre oscilamos entre o bem e o mal. São Paulo já se queixava desse problema: “procuro fazer o bem e acabo fazendo o mal”.

Inclusive muitos filósofos se debateram em torno da liberdade. Um que se destacou foi Sto. Agostinho no sec. IV quando enfrentou Pelágio (pelagionismo) que apregoava que o ser humano tem em si a semente da perfeição e é apto, por suas próprias forças, a somente praticar o bem; se não o faz é porque escolheu livremente o oposto, e está destinado a sofrer.

Já Agostinho é mais condescendente, vai na mesma linha de São Paulo. Para ele, há sim a liberdade, mas é preciso conquistá-la antes de tudo, como seres imperfeitos que somos; a conquista aquele que treina sua vontade para, paulatinamente, “curar” sua natureza humana imperfeita, galgando degraus de liberdade: de menor liberdade, ainda sujeito a escolher o mal, para maior liberdade, já firmando-se mais na escolha do bem, até chegar à plena liberdade em que é capaz de só escolher o bem. E tem mais: esta conquista da liberdade, segundo Sto. Agostinho, não se dá por forças próprias do homem, ela depende, em grande parte, da graça divina. Assim, como a graça é de graça, não imposta, a recebe quem a quer; quem não a deseja fica capenga e sem a liberdade plena que o faria sempre feliz por estar apto a só escolher o bem. 
Título e Texto: Valdemar Habitzreuter, 8-3-2017

Colunas anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-