segunda-feira, 23 de outubro de 2017

[Atualidade em xeque] Parvônia

José Manuel

Once upon a time... não, não vai dar certo!
De novo... era uma vez um país neste planeta, que se chamava "Parvônia" e ficava localizado... bem, isso também não interessa. O fato é que ele existiu e ainda restam resquícios de sua civilização aparvalhada.

Os parvoneses eram um povo incomum e jamais algo parecido foi visto sobre o solo terrestre. Gabavam-se de ser um grande país, no sentido não só de tamanho, que também o era, mas sim na grandeza de sua civilização. Eram os maiores e melhores do mundo em tudo.

No futebol andaram-se perpetuando em proezas passadas, até que um certo povo do Norte enfiou-lhe sete gols pela goela abaixo, acabando com a sua pseudo hegemonia, que só os parvos acreditavam.

Realmente, para dizer a verdade, chegaram a fazer grandes realizações, que duraram poucos anos em relação à sua história. Os parvoneses adoravam criar grandes organizações, industriais, comerciais, públicas e privadas, mas, infelizmente, não conseguiam conviver bem com isso.

Uma prova disso e ainda se podem ver desenhos nas cavernas, é que construíram a terceira maior empresa de exploração de petróleo do mundo, e quando ela funcionava a pleno vapor, começaram a saqueá-la nas formas mais abomináveis possíveis, sempre em proveitos pessoais.

Criaram a quinta maior empresa de aviação do mundo, o creme de lá creme de tecnologia aeronáutica comercial, mas derreteram-na sem dó nem piedade, pois incomodava a eles próprios ter uma empresa de sucesso em nível internacional. E aí preferiram entregar os seus céus aos estrangeiros espertos. Depois, não ficou uma sequer legítima parvonesa.

Então, ao longo de sua história foram dizimando tudo que haviam feito, de bom e bem, por sinal, deixando ao abandono e na miséria o parvo povo que assistia a tudo, simplesmente aparvalhado e sem reagir.

Há registros escritos, falados e gravados clandestinamente, de que os parvoneses só se sentiam bem fazendo mutretas, e a corrupção era sistêmica, não se salvando nenhum setor, principalmente o público, que se misturava com o privado numa simbiose jamais vista na raça humana.

Acostumados desde criancinhas a se julgarem os maiores do mundo, conseguiram recordes mundiais, como a maior corrupção do mundo, o maior ladrão do mundo, a maior concentração de dinheiro em um apartamento, do mundo, o maior número de contas clandestinas no exterior, do mundo, as eleições mais fraudadas do mundo, os políticos mais corruptos do mundo e por aí vai uma extensa relação, maior do mundo.

Na retroengenharia social, os parvoneses também se destacaram em níveis superlativos, tais com o pior sistema educacional do mundo, o pior sistema de saúde do mundo, a pior seguridade social do mundo, o maior número de desempregados do mundo, as maiores taxas de insalubridade do mundo civilizado, as maiores áreas sem saneamento básico do mundo e mais uma extensa lista, encontrada nas cavernas, por arqueólogos. 

Era um país que certamente hoje com a globalização e o modernismo poderia perfeitamente se chamar " Selfie Country ". Eles construíam, eles mesmo destruíam, se roubavam mutuamente e com a maior naturalidade como se roubar fosse a coisa mais natural do mundo.

Um dos seus ladrões mais famosos, certa vez em reunião ministerial disse com a maior naturalidade, como se isso fizesse parte do senso comum:
"Mandem comprar as sondas e já separem a nossa comissão". Isso está escrito por delator funcional da Parvônia que, segundo ele, como ministro e participante oficial do saque, deixou a todos aparvalhados com tamanha cara de pau do mandatário à época.

Felizmente para a humanidade a Parvônia entrou em extinção.
Título e Texto: José Manuel - cada vez mais intrigado como um povo se aparvalhou desta maneira, 23-10-2017 

Colunas anteriores:

Um comentário:

  1. Um ministro da Parvônia, cujo governo militar parvonense lhe tirou uma empresa de aviação por pura inveja, disse que na Parvônia "saía mais barato dar 10% de propina do que executar uma obra planejada"! Na Parvônia do nordeste, construíram um porto moderno onde navios de passageiros não conseguem entrar pois o projetista importado fez a obra com 50 metros de altura para a suposta passagem de navios que medem 56!
    Em um grave acidente de aviação, com muitas vítimas o juiz parvonense libertou os dois pilotos culpados que estavam "testando" o avião novo no espaço aéreo da Amazônia e, confrontado pelo poderoso país dos culpados, atribuiu a culpa e puniu modestos militares controladores de voo.

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-