quinta-feira, 5 de outubro de 2017

O adeus de Passos Coelho

Helena Garrido

A história fará justiça a Pedro Passos Coelho. Neste momento ninguém quer saber do futuro e muito menos do passado. Só o presente conta e tem de ser feliz.

Vivemos numa embriaguez pós-crise que pode sair-nos cara mas que parece impossível de evitar. Quem estiver sóbrio será sempre acusado dos mais variados defeitos. São assim as euforias, tal e qual como nos mercados financeiros, enquanto a música estiver a tocar todos terão que dançar.

Há um ano começava-se a perceber que a trajetória de desastre, antecipada para a política económica do Governo de António Costa, não se ia confirmar. O que se projetava antes disso (um parêntesis para dizer que também fui bastante pessimista) era a impossibilidade de repor salários e pensões ao ritmo acordado entre o Governo e os partidos que o apoiam. Ninguém acreditou e durante um ano pagamos o preço disso, como por exemplo com uma das agências de avaliação de risco a reduzir a perspectiva de positivo para estável.

É no fim do ano que de 2016 que se começam a ter certezas, primeiro com o acordo alcançado para a capitalização da CGD e mais tarde com os resultados das contas públicas e da economia. A trajetória deixou de ser linear, deixou de ser uma projeção do passado. Houve mudanças de conjuntura e rupturas, determinadas mais pela política do que pelas políticas.

Podem identificar-se três fatores essenciais que convergiram para um resultado diferente do projetado. Ou, midiaticamente simplificando, para que “o diabo” não chegasse depois do Verão de 2016. Fatores internos e externos que não foram devidamente tidos em conta.

O primeiro fator de mudança é o apoio do PCP ao Governo. Sem o apoio dos comunistas seria impossível a qualquer Governo controlar a despesa pública, de funcionamento e de investimento, como o fez António Costa em 2016. E esta foi uma via que ninguém antecipou. Ninguém colocou a hipótese de que era possível apertar ainda mais os gastos excluindo salários – compensando assim a “reposição salarial” – sem que isso gerasse uma onda de contestação. Mas foi isso que se fez contando com o silêncio dos comunistas que eram os que, em geral, denunciavam estas situações.

O segundo fator foi o da recuperação da economia a partir do segundo semestre de 2016, graças à retoma europeia e a uma dinâmica histórica do sector do turismo.

Por último, mas não menos importante, o terceiro fator reside em Bruxelas. A Comissão Europeia tornou-se menos ortodoxa nas suas exigências, o que se pode explicar pelo Brexit e pelo tempo eleitoral que se viveu na União Europeia, só concluído agora com as eleições alemãs.

Nada disto se poderia antecipar quando assistimos ao anuncio de uma política orçamental que parecia expansionista e que acabou por ser contracionista em 2016. E tudo isto se conjuga com uma capacidade de comunicar única.

Há muito tempo que não se assistia a uma distância tão grande entre aquilo que se diz e aquilo que se faz. Ao ponto de todos nós estarmos concentrados na recuperação de rendimentos dos que ganham menos e nos esquecermos que, ao mesmo tempo, foi este Governo que acabou com as contribuições que recaíam sobre as pensões mais altas. Embora as contas sejam diferentes, o certo é que se repôs mais depressa esses rendimentos mais elevados do que os salários do sector privado que só agora poderão aspirar a um alívio fiscal.

A estes fatores é preciso juntar o optimismo. Sendo a atividade económica em boa parte ditada pela confiança, esta atuação optimista, esta mensagem de fim de toda a crise, de viragem da página da austeridade, teve em si também um contributo importante para os resultados económicos que foram atingidos. O Governo de António Costa deitou para o lixo a folha de Excel e arriscou. Colocou o país em risco, mas como ninguém decide pelo que não aconteceu, António Costa arriscou e petiscou, como mostraram os resultados das autárquicas.

Embora esteja longe de estar errado, Pedro Passos Coelho enganou-se e fez o que devia fazer. Citando Pedro Santana Lopes esta semana na SIC: “é um homem do dever ser”. E não está errado nos alertas que tem feito porque Portugal está exposto a um enorme risco financeiro – medido pela dimensão da sua dívida externa – e vive há dois anos sem uma política económica, financeira e social que resolva efetivamente alguns dos nossos problemas mais graves. Entre os problemas que um dia teremos de enfrentar, além da dívida, estão obviamente o sistema de pensões e a saúde. Vamos ter problemas, só não sabemos quando.

É aliás irónico e ilustrativo, da fase de grande ilusão em que vivemos, que se diga que o PSD de Pedro Passos Coelho não tem políticas para o país quando na realidade tem sido o único a falar desses problemas. Podemos não gostar das soluções, mas não podemos dizer que não identifica os problemas e não apresenta uma via para os resolver. O mesmo não se pode dizer deste Governo que governa junto à costa, decidindo em função do que vai sendo a agenda mediática – agora é a habitação – e os segmentos de mercado eleitoral.

Hoje podíamos escolher a forma de resolver alguns desses problemas, controlar a solução, minimizar os danos. Mas ninguém quer. Tal como no passado quisemos acreditar que estávamos ricos e podíamos encher o país de autoestradas e viver de crédito bancário, hoje voltamos à mesma crença do crescimento infinito de rendimentos, sem que se diga que para isso é preciso produzir mais e melhor.

Os erros de Pedro Passos Coelho foram esses. O de projetar o futuro de forma linear – não contou com a cumplicidade do PCP – e o de acreditar que era possível aos portugueses verem a realidade dos problemas que temos e não se deixarem iludir. E assim se transformou naquilo que o próprio designou como a “argamassa” desta solução governativa. Sem o querer, era o ex-futuro líder do PSD que estava a unir o PCP e o Bloco de Esquerda ao PS. Transformaram Pedro Passos Coelho – e Pedro Passos Coelho foi deixando que isso acontecesse — numa espécie de “lobo mau”: se não querem, vem aí a “direita e o corte de rendimentos”. Os resultados das eleições autárquicas, os piores de sempre do PSD, confirmaram que boa parte dos cidadãos sentiam o mesmo: não querem este líder socialdemocrata que os alerta para os problemas.

Ninguém quer saber do passado como também dizia esta semana na SIC Pedro Santana Lopes. Como também ninguém quer saber do futuro. Cansados de crise, queremos viver o presente. A história agradecerá a Passos o que fez pelo país. Esperemos que os portugueses não tenham também de se lembrar dos avisos que fez. Porque os problemas estão lá, à espera de serem resolvidos para não empobrecermos. Com esta solução governativa, já percebemos, não serão resolvidos, não existem condições políticas para isso. António Costa sabe isso como saberá também o novo líder do PSD. Até à formação de uma maioria diferente desta continuaremos nesta ilusão de infinita reposição de rendimentos que levou ao adeus de Passos Coelho.
Título e Texto: Helena Garrido, Observador, 5-10-2017

Relacionados:

3 comentários:

  1. "A História fará justiça", não acredito! Dependerá de quem a escrever.
    António Oliveira Salazar foi primeiro-ministro de Portugal por 42 anos, existia uma ponte com o nome dele. Hoje, essa ponte tem o nome de 25 de abril, e 'salazarista' virou um rótulo não recomendado.
    E sim, a comparação faz todo o sentido e é oportuna. Afinal, quem não ouviu ou leu 'insultarem' Pedro Passos Coelho de... salazarista? E outros epítetos!



    ResponderExcluir
  2. Partilho as minhas declarações à TSF sobre a decisão tomada pelo meu Presidente Pedro Passos Coelho.

    in Fórum TSF: PSD ficou a perder com a saída de Pedro Passos Coelho

    “Dizer que compreendi a decisão do dr. Pedro Passos Coelho, mas que discordei dela e que manifestei a minha discordância nos órgãos nacionais do partido tendo, de resto, dito que o faria também publicamente, se essa oportunidade existisse. Esta é uma oportunidade que me dá, e que eu agradeço, e portanto quero aqui reiterar que, tendo a maior compreensão e respeito pela decisão que o dr. Pedro Passos Coelho tomou, eu fui contra esta decisão, discordei dela e pedi-lhe enfaticamente que se recandidatasse. Não o consegui convencer, nem eu nem muitas outras pessoas que seguramente fizeram o mesmo porque, como é sabido, o dr. Pedro Passos Coelho assentou a sua decisão em duas conclusões principais: por um lado, no resultado das eleições autárquicas, que assumiu como sendo uma responsabilidade sua, e por outro lado no facto de entender que seria melhor para o PSD, que seria mais vantajoso para o futuro do PSD, ter uma nova liderança. Ora, como eu não concordo com nenhuma destas razões, não podia deixar de discordar da decisão que ele tomou. E não concordo porque, em minha opinião, nem a responsabilidade do resultado eleitoral é do dr. Pedro Passos Coelho, ou é maioritariamente dele – que, de resto, participou activamente na campanha eleitoral, trabalhou imenso nesta campanha eleitoral e foi muito bem recebido por onde andou -, nem o PSD ganha, do meu ponto de vista, com a sua saída. A responsabilidade de um resultado eleitoral, que é mau, mas não é também a hecatombe de que muita gente fala – e eu lembro que o PSD perdeu 8 câmaras, tem neste momento 98 câmaras no país, mas houve partidos que perderam um terço das suas câmaras e não tiraram qualquer consequência disso. Há partidos que cantam vitória quando não têm uma única câmara municipal no país ou quando aumentaram uma câmara, em relação ao que tinham. O PSD, por ter um líder de uma enorme seriedade assumiu a responsabilidade e o líder quis assumir o fardo da responsabilidade de um mau resultado. Ora, do meu ponto de vista, o mau resultado eleitoral do PSD deve-se onde ele aconteceu, porque em muitos concelhos houve uma vitória e houve até uma votação mais expressiva do que nas anteriores eleições. A verdade é que onde as coisas correram mal, do meu ponto de vista, correram mal por decisões erradas que foram tomadas na escolha dos próprios candidatos pelas estruturas locais do partido, quer pelas concelhias, quer pelas distritais. E, portanto, muitas vezes os candidatos escolhidos não foram os melhores, muitas vezes os dirigentes concelhios e distritais não se envolveram suficientemente na campanha eleitoral, como deveriam ter feito, e distraíram-se com objectivos que propunham para o futuro e que não estavam em cima da mesa na campanha eleitoral. Não se esforçaram o suficiente.”

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. “O PSD, do meu ponto de vista, não tem um melhor líder do que o dr. Pedro Passos Coelho. Portanto, a saída do dr. Pedro Passos Coelho não é, do meu ponto de vista, nenhuma oportunidade para o PSD, desse ponto de vista. O PSD perde o seu melhor. E, portanto, quem vier a seguir definirá a sua estratégia, constituirá a sua equipa, repensará o partido como entender. Agora - e estamos a menos de 24 horas do anúncio público da decisão de não recandidatura do dr. Pedro Passos Coelho - o que eu queria sublinhar é que quem estará a festejar neste momento são as pessoas que consideravam o dr. Pedro Passos Coelho um incómodo, por ser um homem que falava verdade, por ser sério, por ser competente, por ter combatido interesses instalados, por ter combatido lobbies. São aqueles que na política valorizam a chico-espertice, a manha, a astúcia. Esses estão provavelmente a comemorar. Os outros, como eu, não estão a comemorar, estão a lamentar a saída de um homem sério, competente e preparado. Aquilo que o PSD fará no futuro dependerá, naturalmente agora, dos nomes que avançarem como candidatos à liderança e da estratégia que vierem a definir. É demasiado cedo para nos pronunciarmos sobre isso porque já ouvimos dizer que há quem está a pensar, que há quem vá avançar, mas nada disso, neste momento, é suficientemente conhecido para merecer um comentário da minha parte.”
      Teresa Morais

      Excluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-