quarta-feira, 28 de março de 2018

"Execuções" e "execuções"

Cesar Maia
        
1. Acompanhando as imagens relativas ao movimento dos carros desde o local onde a vereadora Marielle participava de uma reunião na Lapa até as imagens da execução já consumada, formou-se - desde o início - um consenso: tratou-se de uma "execução".
      
2. Mas as "execuções" não são homogêneas a ponto de permitir deduções relativas às responsabilidades e objetivos. No México, os cartéis desenvolveram o uso dos "sicários", assassinos especializados que são contratados.
        
3. Este processo gerou "sicários" internos dos cartéis, assim como "sicários" terceirizados à disposição de quem os contratar, sejam organizações ou pessoas. Os "sicários" são usados dentro dos cartéis, facções, gangues, grupos, para eliminar concorrentes e redefinir o controle dos mesmos.
      
4. Assim, também, os "sicários" são usados para eliminar cabeças dos cartéis, grupos, facções, gangues, grupos, concorrentes. O mercado de "sicários" inclui crimes passionais e crimes intra e interempresariais. Os casos são muitos e estão à disposição para estudo. Livros, filmes e documentários têm tratado de inúmeros casos e muitos e muitos anos.
        
5. Ocorrem até na repressão ao crime organizado quando forças policiais estimulam e até contratam "sicários" para eliminar as cabeças de um certo cartel ou facção. As séries na Netflix mostram casos diversos, especialmente na Colômbia, além do México.
        
6. A diversidade do uso - interno ou terceirizado - de "sicários" é de tal amplitude que a simples afirmação que um assassinato se enquadra na categoria "execução" não é suficiente para se deduzir autoria ou razões.

7. Um ex-delegado, comentarista do RJTV (TV Globo), afirmou que no caso da Vereadora, houve uma "execução", pois o atirador era um profissional pela escolha da arma e da escolha do local. Ou seja: foi uma "execução". Mas com isso não se avançou muito.
      
8. Ou de outra forma: era "um sicário". Uma primeira conclusão óbvia pela atuação da Vereadora é que foi uma "execução" externa. Mas, com isso, não se avança suficientemente, pois tanto pode ser um "sicário" interno de uma organização, um "sicário" terceirizado profissional, e suas amplas variantes.
        
9. Esclarecer as razões e o comando da "execução" da Vereadora é fundamental, já que se pode ir mais longe do que se imagina. Mas como disse o Secretário de Segurança no final da semana passada: "Não podemos confundir celeridade com precipitação".
      
10. Ou seja, a "execução" abre um quadro complexo de investigação e deve levar ao conhecimento efetivo de autoria direta ou indireta e razões, sem gerar quaisquer dúvidas.
Título e Texto: Cesar Maia, 26-3-2018

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-