quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

Fusão de quatro pastas gerou economia de quase três mil cargos

Estrutura do Ministério da Economia entra em vigor


O Ministério da Economia – resultado da fusão dos antigos ministérios da Fazenda; Planejamento, Desenvolvimento e Gestão; Indústria, Comércio Exterior e Serviços; e Trabalho – está funcionando a partir desta quarta-feira (30/1) de acordo com o estabelecido pelo Decreto 9.679, de 2 de janeiro de 2019. A nova estrutura organizacional, bem como o quadro demonstrativo dos cargos em comissão e funções de confiança entrou em vigor hoje.

Nos últimos 28 dias após a edição do decreto foram adotadas medidas tanto para alocar os servidores dentro na nova estrutura quanto para viabilizar a publicação dos atos de nomeação e apostilamento, que é a correspondência entre funções dos órgãos extintos e do novo ministério. O objetivo foi evitar a descontinuidade das atividades da Pasta.

Entre as atribuições do ministério estão a administração financeira e contabilidade pública, desburocratização, gestão e governo digital, fiscalização e controle do comércio exterior, previdência e negociações econômicas e financeiras com governos, organismos multilaterais e agências governamentais.

O primeiro escalão do ministério é constituído por sete secretarias especiais: Fazenda; Receita Federal; Previdência e Trabalho; Comércio Exterior e Assuntos Internacionais; Desestatização e Desinvestimento; Produtividade, Emprego e Competitividade; e Desburocratização, Gestão e Governo Digital, além da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional.

Cada uma das Secretarias Especiais conta com pelo menos duas outras secretarias, como é o caso da Secretaria de Previdência e da Secretaria de Trabalho, que integram a estrutura da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho. Outras, como a Secretaria Especial de Fazenda, que é a que mais possui órgãos, conta na nova estrutura com quatro secretarias, cinco subsecretarias e dois departamentos.

A alocação das pessoas na nova estrutura será realizada com base no cadastro existente no SIAPE em 31/12/2018. Para que isso aconteça, a área de gestão de pessoas avisa que serão observadas as correlações entre as unidades extintas e aquelas criadas dentro da nova estrutura.

No Ministério da Economia também já está em processo a adequação dos espaços físicos. Até lá, os servidores deverão permanecer no mesmo local onde já desempenham suas funções.

A fusão dos ministérios permitiu a redução de 243 cargos de Direção e Assessoramento Superior (DAS), 389 Funções Comissionadas do Poder Executivo (FCPE) e mais de 2.355 funções gratificadas, totalizando 2.987 cargos extintos.

A nova estrutura do Ministério da Economia conta com 3.612 cargos comissionados que estão distribuídos da seguinte forma: 1.569 cargos de Direção e Assessoramento Superior (DAS) e 2.043 Funções Comissionadas do Poder Executivo (FCPE) – essas últimas só podem ser ocupadas por servidores concursados.
Título, Imagem e Texto. Ministério da Economia, 30-1-2019

Um comentário:

  1. Na verdade, a notícia divulgada pelo governo é Fake News!
    A extinção dos cargos no ministério da economia , não gerou "economi", pois, foram remanejadas para outros órgãos do governo, conforme prevê a legislação,que protege o funcionário público (?) e na forma do decreto 9662 de Janeiro de 2019.

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-