quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

Perda dos aposentados do INSS em relação ao salário mínimo chega a 87,28%, desde o Plano Real

EXTRA


Com o reajuste de 3,43% a ser concedido a 11,7 milhões de aposentados e pensionistas do INSS que ganham acima do salário mínimo — o aumento será pago em fevereiro, sobre os vencimentos de janeiro —, a defasagem desses benefícios mais altos em relação ao aumento do piso nacional chegará a 87,28%. Esse é percentual acumulado de perda do poder de compra dos segurados que recebem mais do que o piso, no período de 1994 a 2019, ou seja, desde o início do Plano Real.

O cálculo foi feito pela Confederação Brasileira de Aposentados, Pensionistas e Idosos (Cobap). E esse percentual de perda cresce de tempos em tempos porque, em geral, os segurados do INSS que ganham mais acabam tendo reajustes menores do que os que recebem apenas o mínimo.

O aumento de 3,43% deste ano refere-se ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) acumulado de janeiro a dezembro de 2018. O indicador é medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No caso dos aposentados que ganham acima do piso nacional, o aumento anual considera a necessidade de reposição da inflação. É o que determina a lei. Nada impede, porém, que o governo decida dar um aumento maior (ganho real).

Para o reajuste do salário mínimo — e consequentemente dos outros 23,3 milhões de segurados do INSS que ganham apenas o piso —, o governo federal considera outra fórmula de cálculo: a alta do custo de vida no ano anterior (no caso, o INPC de 2018) mais a variação do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas do país) de dois anos antes (2017).

Este ano, porém, o governo anunciou o reajuste do mínimo antes de o INPC de 2018 ser fechado. Com isso, foi aplicada uma projeção de inflação mais o crescimento do PIB em 2017 (de 1%), além de uma diferença de R$ 1,75, que deixou de ser aplicada no ano passado. Dessa forma, o aumento do piso nacional ficou em 4,61%.

Essa divergência de percentuais agravou ainda a perda do poder de compra dos benefícios maiores.

Exceção

Em 2018, aposentadorias e pensões acima do salário mínimo foram reajustadas em 2,07%, enquanto o piso nacional teve aumento de 1,95%. Porém, esse comportamento não é comum. Historicamente, o salário mínimo tem reajustes anuais maiores do que o índice concedido a aposentados e pensionistas que ganham acima do piso nacional, atualmente em R$ 998.

E esse percentual de perda cresce de tempos em tempos porque, em geral, os segurados do INSS que ganham mais acabam tendo reajustes menores do que os que recebem apenas o mínimo
De 2003 a 2010, as aposentadorias acima do mínimo tiveram perdas de mais de 44%
Em 2012, enquanto o mínimo teve reajuste de 14,13%, as aposentadorias acima do piso tiveram aumento de apenas 6%
Em 2018, aposentadorias e pensões acima do salário mínimo foram reajustadas em 2,07%, enquanto o salário mínimo teve aumento de 1,81%. Porém, esse comportamento não é comum
Título, Imagens e Texto: Jornal EXTRA, Rio de Janeiro, 15-1-2019, 17h34

Relacionados:
Aposentado do INSS: tua insígnia é o desprezo

2 comentários:

  1. Concordo que as aposentadorias brasileiras estão baixíssimas e defasadas, principalmente em comparação aos 200 Milhões de Dólares recebidos por Raul Schmidt em propinas na operação Lava-Jato e agora encontra-se num apartamento milionário em Lisboa, comendo bacalhau e pastéis de nata. Cuidado aí pra não topar com ele passeando alegremente no Largo do Rato. Se ocorrer, avisem que o Brasil e o povo brasileiro o aguardam!

    ResponderExcluir
  2. Uma verdadeira bomba atômica o Artigo publicado pelo jornal EXTRA do Rio de Janeiro, em 15 do corrente! A reportagem publica planilhas elaboradas pela COBAP, um verdadeiro Raio X da satânica e desumana perseguição dos nossos últimos quatro presidentes, quando vimos, gestões direcionadas somente contra os direitos dos indefesos aposentados! Ao contrário do que preceitua a nossa Constituição/88 e o Estatuto do Idoso/2003, que determinavam a manutenção do poder aquisitivo do aposentado, estes desgovernos, Fernando Henrique, Lula, Dilma e Temer, com sede vampirística no já debilitado sangue dos aposentados do RGPS, defasou-os, chegando ao inacreditável percentual de 87,28% de covardes surrupios realizados contra cidadãos com idade avançada! Temos que fazer uma ressalva entretanto para o presidente Michel Temer, que mesmo tendo um período mais curto de governo, concedeu aos aposentados lesados, em 2017 e 2018, percentuais acima ao do salário minimo, mostrando que quando se quer, não é necessário prejudicar aposentados. Parabéns ao EXTRA e a COBAP por divulgarem holocaustos como este, que desabona e desqualifica a soberania e a justiça social do nosso apequenado Brasil...
    Almir Papalardo.

    ResponderExcluir

Desculpem o GRITO!
NÃO ACEITAMOS/NÃO PUBLICAMOS COMENTÁRIOS ANÔNIMOS!!


Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-