segunda-feira, 11 de março de 2019

“Constança está de posse de documentos entregues de forma ilegal”, confira a tradução da matéria original de jornalista francês

NdE:
Li algures comentário a esta postagem, publicada ontem, como sendo “fake news”. Então, pensei com os meus botões, vou traduzir a matéria original de Jawad Rhalib.

Tirei um print screen da matéria dele, just in case... e fui à lide diária. Quando passeava no twitter, vi os tantos posts da imprensa, exatamente os mesmos, pois redigidos pelo Estadão. Um verdadeiro batalhão de bonecos (e bonecas) de ventríloquo.


Mas, eis que para a sorte minha, me deparo com a nova matéria de Fernanda Salles, do blogue Terça Livre, com a tradução do original de Jawad Rhalib.

É essa tradução que (re)publicarei em nossa revista virtual daqui a duas horas.

“Constança está de posse de documentos entregues de forma ilegal”, confira a tradução da matéria original de jornalista francês

Fernanda Salles

Após a publicação da matéria do Terça Livre TV sobre a denúncia do jornalista francês Jawad Rhalib, que divulgou uma gravação em que afirma que a repórter do Estadão, Constança Rezende, confirma que recebeu documentos sigilosos do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF), jornais de todo país acusam o nosso portal de publicar uma notícia falsa. Em uma tentativa de se defender, o próprio Estadão confessa que os áudios são mesmo de Constança Rezende, mas alega que a jornalista não tinha a intenção de prejudicar Bolsonaro, como foi afirmado por Rhalib e reproduzido pelo Terça Livre TV.


O Estadão também acusa falsamente o Terça Livre TV de dizer que Constança concedeu entrevista ao próprio Rhalib. A matéria publicada pelo nosso portal jamais afirmou isso, mas que a brasileira havia conversado com um investigador. O Estadão confirma que a conversa com o investigador de Rhalib aconteceu no dia 23 de janeiro.


As agências de “checagem” e o próprio Estadão omitem trechos fundamentais do diálogo entre o investigador e Constança. Em uma de suas falas, a repórter do Estadão e filha de Chico Otávio do O GLOBO, afirma: “I only do that, I think i’am on thirty days doing only this case, because it can compromise… can ruin Bolsonaro”. 

“Eu só faço isso. Eu acho estou há 30 dias fazendo somente esse caso, porque isso pode comprometer, pode arruinar Bolsonaro”.

Because – expressa causa. A jornalista do Estadão afirma que está se empenhando no caso porque isso pode comprometer e arruinar Jair Bolsonaro.

Foi o que constatou Jawad Rhalib. Confira a tradução da matéria original do jornalista francês:

“Que não concordemos com os políticos, quaisquer que sejam suas opiniões, suas ações, suas posições, suas convicções … que a opinião pública condene esses políticos votando-os ao desprezo por crimes contra a humanidade, isso não tira que nosso rigor jornalístico deva permanecer a regra fundamental de nossa profissão, apesar da ferocidade ‘animal’ de certos regimes políticos que podemos ter diante de nós e dos apelos à destituição, à prisão, à guilhotina lançados nas ruas de Washington, de Budapest, de Roma, de Viena ou de Brasília… semelhantes à caça às bruxas na Europa (1560-1580) que queimava mulheres e seu suposto poder, invocando Deus Pai Todo-Poderoso.

Minha especialidade de jornalista documentarista sempre me incitou ao rigor. Essa foi minha primeira preocupação antes de cada investigação, de cada produção de um documentário… é, aliás, a regra entre milhares de meus colegas ao redor do mundo. Colocar em destaque um acontecimento, vê-lo e torná-lo visível, explicá-lo ao público com absoluta honestidade, objetividade e precisão… Quem, o quê, onde, por que, como?

Se no documentário criativo, a investigação está a serviço da criação com um propósito e um posicionamento a favor de uma causa, na reportagem, as notícias, a imprensa escrita, a tomada de posição, o viés, o ativismo não faz parte das competências do jornalista. A militância é uma coisa ruim nesta parte do nosso ofício, a não ser quando, por exemplo, se trata de colaborar “abertamente” com um partido ou um político.

Os meios de comunicação têm uma influência sobre os povos e sobre a opinião pública e não há lugar para a propaganda partidária, para a manipulação, que infelizmente nos privaria de nossa liberdade e nos submeteria a tal ou tal outro partido, movimento, influência… A mídia pode nos esmagar como quiser e nos induzir a erro.

Desde sua eleição para Presidente do Brasil, Bolsonaro intriga, perturba, desafia. Diante da ofensiva da mídia, como jornalista, fiz-me a seguinte pergunta: e se eu investigasse de perto o que se escreve sobre ele e tentasse determinar o que é verdade e o que é falso? E se eu verificasse os fatos? « fact checking ».

Solicitei, então, a uma das minhas fontes que trabalhasse comigo sobre o assunto, e conduzisse uma investigação sobre as reações dos órgãos da mídia face ao novo líder brasileiro. Isso calhava bem com o trabalho de fim de curso da minha fonte, focado nesse tema, e estudando numa famosa universidade britânica.

A chegada de Bolsonaro é uma grande reviravolta no cenário político brasileiro, que conheceu uma elite corrupta.

Interessamo-nos, desde logo, é claro, por alguns jornalistas anti-Bolsanaro, e, pouco a pouco, a lista tornou-se mais restrita para se focar nos artigos de uma jornalista virulenta face a Bolsonaro. Esta jornalista, do jornal O Estado de São Paulo, chama-se Constança Rezende, a primeira jornalista a publicar artigos sobre Flávio Bolsonaro, o filho de Jair Bolsonaro. Nós tentamos, como parte da pesquisa da minha fonte, certificada pela universidade, e por fim conseguimos que a jornalista aceitasse uma entrevista por telefone que gravamos para entender as suas motivações. No final obtivemos uma gravação que traça uma imagem catastrófica dos órgãos de mídia local e das instituições governamentais.

A partir de dezembro de 2018, Flávio Bolsonaro – então deputado estadual do Rio de Janeiro, atual senador federal e filho do presidente Jair Bolsonaro – esteve no centro de vários artigos polêmicos na mídia brasileira. De acordo com a cobertura inicial, o “Conselho de Controle de Atividades Financeiras” (COAF) do Brasil publicou um relatório detalhando pagamentos suspeitos de 1,2 milhões de reais pagos entre 2016 e 2017 a Fabrício José Carlos Queiroz, o motorista de Flávio Bolsonaro.

Muito rapidamente, as reportagens nos órgãos da mídia foram seguidas pela abertura de uma investigação contra Flávio Bolsonaro.

A conversa gravada entre minha fonte (“estudante”) e Constança Rezende de O Estado de São Paulo revela que a verdadeira motivação por trás da cobertura mediática negativa é a de “arruinar” o presidente Jair Bolsonaro e de causar sua destituição.

Este “estudo de caso” sobre o modo como os órgãos de mídia brasileira engajados tratam a informação revela que eles não estão interessados nos fatos reais, mas simplesmente utilizam histórias negativas, muitas vezes inventadas, sobre a família do Presidente Bolsonaro, que, diga-se de passagem, foi eleito democraticamente.

Constança Rezende está de posse de documentos que não são públicos que lhe foram entregues de modo ilegal pelo COAF e publicou seu primeiro artigo contra Flávio Bolsonaro com base em documentos elaborados pelo COAF há mais de um ano. No entanto, eles só foram divulgados em dezembro de 2018, logo após as eleições gerais de outubro e antes da posse de Jair Bolsonaro em janeiro de 2019.

O momento escolhido para divulgar os documentos do COAF aos jornalistas brasileiros levanta sérias dúvidas. Muito especialmente a quem beneficia esta divulgação mediática? Como também sobre as motivações do COAF.

Sejamos claros: não sou um defensor de Bolsonaro, mas acho que utilizar o poder da mídia para atacar um presidente através de seu filho é de qualquer forma algo bastante distorcido e inaceitável para o jornalista que eu sou”
, afirma Rhalib.

Confira agora a matéria original em francês, publicada dois dias antes do portal Terça Livre TV. Clique aqui.

Nos áudios, a filha do jornalista do O GLOBO explica que os documentos sigilosos foram entregues pelo COAF aos jornalistas. O jornalista francês constata que “Constança Rezende está de posse de documentos que não são públicos que lhe foram entregues de modo ilegal pelo COAF”.
Título e Texto: Fernanda Salles, Terça Livre, 11-3-2019

Relacionados:

3 comentários:

  1. E no Jornal Nacional de hoje, a Globo na maior cara de pau ratifica o posicionamento do Estadão. Negam o conteúdo da entrevista, distorcem os fatos. Jair Messias come fogo com a nossa imprensa. Obrigado Jim por nos ajudar a entender estes fatos. Aliás, para uma jornalista de ponta do Estadão, a Constança Rezende tem um Inglês bem sofrível!

    ResponderExcluir
  2. Amigo VD,
    Eu nem era assim eleitor de Bolsonaro... aliás, eleitor de ninguém.

    Votamos, meu filho e eu, em Ciro Gomes, nas presidenciais de 1998, mas estava ressabiado com o que li e assisti em Portugal depois da vitória de Pedro Passos Coelho: todo o dia a imprensa ‘noticiava’ uma desgraça no país causada pelo governo de Pedro Passos Coelho (de direita, claro!).

    Aí veio o estalo, entendi o passado e o presente!

    Mais ainda como era noticiada a campanha eleitoral de Donald Trump... quando a revista TIME (que eu assinava) publicou a abjeta capa.

    Aí, depois dessa, decidi me dedicar à grande causa: CONTRA O ESQUERDISMO, MESMO QUANDO DISFARÇADO DE MATÉRIA JORNALÍSTICA!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim Jim, o teu parece, também, o caminho por mim trilhado. Ojeriza ao jogo sujo, só por jogar, sem medir as consequências de grande parte da imprensa brasileira. Um abraço .

      Excluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-