sexta-feira, 17 de julho de 2020

A cidade que nada viu

Um homem foi assassinado à luz do dia. Por que é que ninguém fala?

Bill Hangley Jr., Andy Simmons e Marc Peyser

O homem mais odiado de Skidmore, no Missouri, era um ladrão, um rufia, um incendiário. Não tinha problemas em apontar uma arma à barriga de um inocente e disparar. Foi o que fez. E sempre conseguiu se safar. Isto, até 10 de julho de 1981.

Ken Rex McElroy [foto], de 47 anos, descrito como como um tipo “grande e bruto”, era um homem de pavio curto cujo currículo criminal incluía roubo de gado, agressão, assédio e tentativa de homicídio. Raramente cumpriu pena, graças aos talentos de um advogado astucioso e um grupo leal de amigos sempre preparados com um álibi.


Como se isto não bastasse, um pouco de intimidação também resultava.

Uma vez, um agricultor que apanhou McElroy a roubar dois cavalos apresentou queixa, mas a retirou quando McElroy o agrediu no rosto com a coronha do fuzil.

A justiça parecia impotente em relação a McElroy. Quando um agricultor, Romaine Henry, o surpreendeu nas suas terras, McfElroy atingiu-o a tiro na sua barriga. Henry sobreviveu e apresentou queixa, mas McElroy apresentou testemunhas que juraram que ele estava em casa à hora dos disparos. O júri considerou-o inocente.

Porém, a sorte de McElroy mudou em julho de 1980, quando o merceeiro local, Bo Bowenkamp, acusou a filha de McElroy, de 8 anos, de ter roubado doces. McElroy, furioso, foi à procura de Bowenkamp e deu-lhe um tiro de fuzil no pescoço. O homem de 70 anos sobreviveu e McElroy foi preso e julgado.

O júri considerou-o culpado de agressão de segundo grau. Foi condenado a dois anos e depois libertado sob fiança, a aguardar o recurso. Dois anos por atingir um homem a tiro? A população de Skidmore estava farta.

DOIS ANOS POR ATINGIR UM HOMEM A TIRO? A POPULAÇÃO DE SKIDMORE ESTAVA FARTA.

Na manhã de 10 de julho de 1981, uma multidão que alegadamente incluía o presidente da Câmara e o xerife, juntou-se no pavilhão da Legião Americana para discutir o que fazer. Quando alguém apareceu a correr e anunciou que McElroy tinha acabado de entrar na D&G Tavern, ali perto, o grupo dirigiu-se ao bar e cercou-o.

McElroy, indiferente, pegou nas seis latas de cerveja que tinha comprado. Depois, ele e a mulher saíram do D&G e dirigiram-se ao estacionamento, o homem se sentou ao volante da sua Chevy Silverado, e a mulher ao lado. Cerca de sessenta homens tinham saído do bar e de estabelecimentos próximos.


McElroy rodou a chave na ignição, mas, antes de conseguir fazer marcha a ré, alguém – ou talvez diversos alguéns – começou a disparar.

McElroy tombou para a frente, morto. Todas as pessoas que nesse dia se encontravam na rua disseram aos investigadores que nada viram.

Embora haja quem possa considerar justificável o que aconteceu a McElroy, McFadin deu voz àquilo em que outros acreditam quando disse ao New York Times: “A cidade cometeu um crime sem castigo.”

Título e Texto: Bill Hangley Jr., Andy Simmons e Marc Peyser, Seleções Reader’s Digest, julho de 2020
Digitação: JP

Relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-