domingo, 26 de julho de 2020

[As danações de Carina] Acima de tudo, eficiência e vontade de vencer. Haja o que houver

Carina Bratt

No mundo de hoje, no enfrentamento do dia a dia, precisamos ser robustas e dinâmicas. A vida não consiste tão somente em termos boas cartas nas mãos, ou via escusa, escondidas nos fundilhos das mangas do casaco. A vida é algo proficiente, mais austera, mais ríspida, mais séria e abalizada. A arte de viver não é uma classe de alunos vulgares. É uma escola de vida constante.

Por conta desta renovação, carecemos jogar bem as cartas que estão dispostas diante de nós. O jogo da vida se aprimora, se vivifica a cada dia, se reconstrói a cada segundo, assim como se agiganta e se emenda sempre com um novo brilho. E este brilho é o que nos fará diferente, não importando a nossa posição social, ou o número de anos que teremos pela frente.



Se não conseguirmos acompanhar a sua evolução, estaremos perdidas. Ficaremos à mercê do nada, no mato sem cachorro. Seremos retrógradas e ultrapassadas. Não valeremos absolutamente nada. E o nada, como o nome já diz, é bagatela, é patavina, e nada. Nada é algo vazio, oco, coisa nenhuma. 

No mundo de hoje, há de existir foco. Acima de tudo, foco. Foco? O que é foco?! Foco é um objetivo ambicioso, ardiloso, se assemelha muito a engenhoso.  Foco é ainda uma coisa palpável que está pulsante diante de nossos olhos. Uma coisa viva e latejante, como uma determinação sagaz que devemos agarrar pelos cabelos.

Temos, lado outro, por obrigação, não sermos só meras entendidas naquela fixação de sabermos tudo. Nada sabemos. Entretanto, a mulher sábia, a esperta, caras amigas leitoras, a mulher de visão deve conhecer apenas o essencial. Graham Bell, o americano que inventou o telefone, ensinava que “os raios de sol não queimam enquanto não estão focados”.

Se mantivermos eficiência, se soubermos jogar as cartas na hora certa, no instante devido, se tivermos concentradas num objetivo a ser alcançado, seremos mais que entendidas em tudo, ou seja, aprenderemos a separar o joio do trigo, a água pura da lama, a noite escura do dia magnânimo, o bem maior do mal infame, o ruim pegajoso do excelente. Com isto, teremos sempre na mira o essencial.

Não podemos deixar de lado ou esquecermos também da iniciativa. A mulher de hoje, com toda esta tecnologia a seu favor, precisa saber usar a independência ou o desvelo que lhe cai nas mãos. Usar evidentemente com esmero, com apuro, com acuidade e zelo.

Encontrar, custe o que custar, doa a quem doer, a estrada, o caminho, a rota, o ponto nevrálgico a ser seguido. Entendam, caríssimas: ou topamos com o atalho buscado, tipo aquela senda oculta no meio dos problemas da nossa vida diária e arregaçamos os nossos desejos ocultos e colocamos as mãos na massa, ou estaremos guindadas ao buraco negro da transvaloração do improfícuo e da ociosidade.

Colocarmos, bem entendido, literalmente, ou na pior das amarguras, abrimos novas perspectivas para nos enveredarmos por elas. Jamais pararmos no tempo. Estancar não é uma saída. Estancar é um engastalhar emperramento à nossa felicidade.

São Francisco de Assis batia na tecla de que “devemos iniciar nossos objetivos começando por fazer o necessário. De resto, tudo aquilo que se nos apresenta inalcançável, de repente, como num passe de mágica, nos parecerá fácil de ser acastelado”.

Ele quis dizer que nada é impossível, ainda que pareça um bicho de sete cabeças. Voltando à linha do essencial, ele faz bem aos olhos, assim como o impossível alimenta nossa alma e a iniciativa nos faz ter a visão mais sucinta de um amanhã melhor, de um porvir que sonhamos para nossas vidas.

Amigas, não corram atrás das borboletas. Plantem uma flor em seus jardins interiores (todas nós temos um jardim escondido) e todas as borboletas virão até ela. Jamais corram em vão. Não desperdicem tempo. Se o seu avião não chegou, voe até ele. Como? Para tudo há uma saída.

Quando não há nenhuma saída, abram uma. Se não há vento, assoprem.  Se não há luz procurem uma vela. Se não tem elevador disponível, subam pelas escadas. Só não fiquem paradas, à espera que aconteça. Lembrando Geraldo Vandré, "quem “sabe faz a hora, não espera acontecer”.

Precisamos fazer com que as coisas aconteçam na nossa vida. Coisas boas. Pensem sempre que há três maneiras de fazer as coisas: a maneira errada, a maneira certa e uma maneira melhor. 

O melhor, amigas é como uma descoberta nova. E ela, a descoberta nova, se resume em ver o que todo mundo já viu. Todavia, pensar, imaginar, e fazer, sobretudo fazer o que ninguém pensou, ou sequer, ousou dar o primeiro passo e COMEÇAR. 

Título e Texto: Carina Bratt, de Vila Velha, no Espírito Santo. 26-7-2020

Anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-