terça-feira, 21 de julho de 2020

Alcolumbre barrou entrada da PF no gabinete de Serra

Presidente do Senado impediu que a Polícia Federal cumprisse o mandado de busca e apreensão no gabinete do senador José Serra
 
Foto: Roque de Sá/Agência Senado
Wesley Oliveira

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), barrou a entrada da Polícia Federal no gabinete do senador José Serra (PSDB-SP). O tucano foi alvo de uma operação na manhã desta terça-feira, 21.

O presidente do Senado considerou que um juiz de primeira instância não tem competência para determinar uma medida invasiva dentro do Senado e que a Polícia Federal não poderia cumprir a ordem. Com isso, os agentes da PF foram barrados pela Polícia Legislativa.

No momento que policiais chegaram, não havia ninguém no gabinete. Assessores e advogados do senador foram ao local para conversar com os agentes.

Investigação
A PF deflagrou a operação Paralelo 23. Esta é a terceira fase da Lava Jato junto à Justiça Eleitoral de São Paulo. Um dos investigados é o ex-ministro e hoje senador José Serra (PSDB), que já é alvo da Lava Jato por suposta lavagem de dinheiro.

De acordo com as investigações, há indícios de recebimento pelo parlamentar de doações eleitorais não contabilizadas que chegam a R$ 5 milhões. Além disso, os valores seriam repassados por meio de operações financeiras e societárias simuladas para ocultar a origem ilícita do dinheiro.

No entanto, Serra disse ter sido surpreendido pela “nova e abusiva operação” da PF em seus endereços e que “jamais foi ouvido” nas investigações. Também destacou a espetacularização nesse tipo de ação no Brasil e pediu rapidez nas investigações, a fim de não ter a honra manchada por “acusações falsas”

2 comentários:

  1. Toffoli suspende ação da PF no gabinete de José Serra

    Tucano é alvo de inquérito que apura suposto caixa 2 de R$ 5 milhões

    O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, decidiu hoje suspender a ação da Polícia Federal (PF) de cumprir o mandado de busca e apreensão no gabinete do senador José Serra (PSDB-SP), em Brasília. Os agentes estavam no local para seguir as ordens da Justiça. O fundador da Qualicorp foi preso no âmbito da operação.

    Em suma, Toffoli argumentou que Serra tem foro privilegiado em razão de ser parlamentar. Portanto, não está submetido a ações vindas da 1.ª instância. Assim sendo, responde apenas ao STF. Conforme noticiou Oeste, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), barrou a entrada da PF no local. O tucano foi alvo de uma operação deflagrada na manhã desta terça-feira, 21.

    “Defiro a liminar para suspender a ordem judicial de busca e apreensão proferida em 21 de julho de 2020 pelo Juiz Marcelo Antonio Martin Vargas, da 1ª Zona Eleitoral de São Paulo, nas dependências do Senado Federal, mais especificamente no gabinete do senador José Serra. Comunique-se, com urgência, solicitando informações à autoridade reclamada”, decidiu Toffoli.
    Cristyan Costa, revista Oeste, 21-7-2020, 12h02

    ResponderExcluir

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-