segunda-feira, 3 de abril de 2017

[Atualidade em xeque] 12 de abril, nunca mais!

José Manuel

Doze de abril de 2006, 10 horas da manhã.

Neste mesmo lugar onde escrevo isto, agora, olhava para a tela do computador, para dentro do meu e-mail e não podia acreditar, quase sem poder respirar, no que via. Li duas, três, dez vezes, a mensagem do Aerus comunicando que havia entrado em intervenção judicial e que os meus salários a partir daquele momento iriam começar a diminuir até chegar aos 8% do que recebíamos.

A partir daí todos estão fartos de saber o que aconteceu, com quase dois mil falecimentos, famílias dispersas, perdas patrimoniais sem conta, jovens sem poder concluir seus cursos, suas universidades, perda de planos de saúde, doenças, muitas doenças, e até hoje os ativos nada receberam.

No dia 30 de março deste ano (quinta-feira da semana passada), tínhamos a esperança de que parte dessa desgraça iria começar a ser resgatada, com o julgamento do último recurso da União no processo onde já somos vencedores por cinco a dois em julgamento anterior, em 13 de março de 2014, portanto, mais de três anos, e após o presidente do STJ na época, Joaquim Barbosa, ter permanecido com o processo preso por sete meses.

Nesse julgamento, nessa vitória (5 a 2), os dois que foram contra, precisamente o Joaquim Barbosa e o Gilmar Mendes. O que fizemos a estes dois personagens, para sermos penalizados? Penalizados sim, porque justiça fizeram os outros cinco, ou será que estou enganado?

No entanto, nesta quinta, 30 de março, infelizmente ainda não foi desta vez, porque o ministro Gilmar Mendes teve de se ausentar do julgamento por ter outra agenda, postergando para abril, o mesmo abril do dia 12, e aí veremos o que o ministro fará de novo, uma vez que é muito ocupado com a sua faculdade.


Escrevo isso aqui e escreverei quantas vezes for preciso, para que nunca mais se repitam os fatos acontecidos, e que as pessoas atingidas por esse crime hediondo nunca se esqueçam e lutem, lutem muito, para que jamais volte a acontecer.

É como o holocausto dos judeus. Tem que ser repetido sempre e sempre para que ninguém esqueça do que aconteceu.

Abaixo, o teor de uma carta recebida e publicada pelo “Cão que fuma” logo após um dos episódios de protesto, para ser lida com atenção, pois todos têm a sua parcela de responsabilidade para consigo mesmo e para que Justiça não continue "postergando", como fez agora recentemente.

“Meu amigo Zé,

Louvo a sua intenção em defesa de uma classe que poderia, já há tempos, ter demonstrado atitudes mais contundentes, até mesmo semelhantes às que você fez e agora repete.

Entretanto, meu amigo, preocupa-me sobremaneira o seu comportamento isolado, quando você briga por você e outros 8 000 colegas.
Desnecessário dizer-lhe que “uma andorinha só não faz verão” e, se uma dezena de outros colegas que estão passando pelo que você passa, não forem solidários em mais esta demonstração de repúdio ao tratamento dispensado a essa tão laboriosa e fiel classe, juntando-se a você em mais esta greve de fome, não querendo desanimá-lo, mas alertá-lo, o seu sacrifício será em vão, pois não terá o alcance almejado, devido ao pouco interesse dos políticos, da Justiça, da OAB, da CNBB e da mídia nacional.

Por quê? Esses só se manifestam quando acontece algo espetaculoso, algo que sensibilize ou cause grande comoção.

Infelizmente, não será você ou qualquer outro seu colega, que com essa desesperada atitude isolada conseguirá sensibilizar a Justiça.

Já tomou conhecimento pela mídia de paraquedista morto pela não abertura do seu paraquedas? Em contrapartida, quantas notícias de queda de avião você leu ou assistiu nos telejornais?

Infelizmente, amigo, os políticos, a OAB, a CNBB e a mídia nacional são movidos pelo número de eleitores, pelo auxílio sensacionalista dado a um "injustiçado", pelo maior número de devotos, pelo maior número de jornais vendidos ou pelo maior Ibope televisivo.

UMA ANDORINHA SÓ NÃO FAZ VERÃO!

Não quero encontrá-lo numa praça pública, como uma merecida estátua àquele que sacrificou a sua vida em prol da laboriosa classe de aeronautas.
Quero sim, continuar podendo encontrá-lo, abraçá-lo e degustar os nossos vinhos e, não, ter de levar um ramalhete de flores para depositar aos pés de sua estátua.
Espero ver, ouvir e ler que você dessa vez não estará só.

Espero que os seus colegas não fiquem somente em suas casas torcendo e orando para o sucesso de seu "representante", mas, ao lado dele, passando e sentindo na pele o sacrifício que ele está fazendo.
Que Deus o proteja ou os protejam.
Do amigo,
Título e Texto: Sérgio Avellar, 21-10-2013” 

Título e Texto: José Manuel, espero mais, espero que gritem, berrem até à exaustão, contra esse descompromisso ético social protagonizado pelo mesmo Ministro do Supremo, mais uma vez. 3-4-2017

Relacionados:

Colunas anteriores:

Um comentário:

  1. Amigo Zé.
    Após mais de 3 anos, vejo que o conteúdo de minha carta continua atual.
    Poderia escrever-lhe outra com o título: PIMENTA NOS "OLHOS" DOS AERONAUTAS É REFRESCO.
    Entretanto, como não quero usar de termos veementemente revoltantes contra a contumaz atitude do nosso Judiciário, fica aqui para os bons entendedores que: PIMENTA EM UM DOS "OLHOS" DOS AERONAUTAS É REFRESCO.
    Continue lutando amigo.
    Avellar

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-