terça-feira, 4 de julho de 2017

As fake news da CNN: Anatomia de um escândalo

Flavio Morgenstern

A CNN é fonte número 1 de quase toda a grande mídia brasileira sobre a América. Mas foi flagrada admitindo que mente para espectadores burros.


A CNN, de quem a Rede Globo tenta ser uma descarada cópia em seu jornalismo, entrou nesta semana naquilo que já é considerado a maior crise de sua história. O único a comentar seu desandar foi Rodrigo Constantino, na Gazeta do Povo. Fora isso, não há menção sobre um dos maiores escândalos da história da imprensa americana no Brasil, e bem quando jornais de todo o mundo discutem metalingüisticamente sobre fake news.

Na verdade, a CNN foi uma das grandes protagonistas na polêmica que fez o termo fake news se tornar famoso: a uma semana das eleições, suas projeções aumentaram as chances de vitória de Hillary Clinton de 78% para 91% (sic).

Sem ter como se justificar a seu público por um erro tão catastroficamente divorciado da realidade, a rede, junto a veículos como o New York Times (85% de chance para Hillary) e Huffington Post (98,2% de chance para Hillary), entre tantos outros clarividentes de botequim, atribuíram o descalabro de suas pesquisas a uma rede de “notícias falsas” (fake news) que teria modificado tão drasticamente o desejo do eleitorado americano que ninguém foi capaz de prever (Filipe Martins, deste Senso Incomumpreviu a vitória de Trump acertando 48 estados).

Nesta manobra, os nomes da chamada mainstream media (MSM), como CNN, New York Times et caterva, seriam os propagadores de notícias “reais”, de puro jornalismo. Qualquer pequeno site, como este Senso Incomum, que acerte mais do que eles, seria fake news, exigindo que os grandes conglomerados de mídia, aliados aos donos de redes sociais como Facebook e Twitter, determinassem quais notícias devem ser acreditadas e quais não.

(…)

Como já é famoso, Donald Trump, desde sua primeira coletiva, inverteu o termo que, sem sua ironia, seria usado tão somente contra pequenos sites: chamou um jornalista da própria CNN de fake news, negando-se a continuar a responder uma série de perguntas suas já respondidas sobre a Rússia. Foi o famoso caso You are fake news, que teve como resposta da MSM, inclusive no Brasil, via Rede Globo, noticiar o “destempero” de Trump e sua “quebra de decoro”.

Relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-