segunda-feira, 31 de julho de 2017

Vale a pena ir a eleições?

Moiani Matondo


Os mais recentes acontecimentos são desanimadores quanto à possibilidade de as próximas eleições gerais em Angola serem livres e justas. Parece, que mais uma vez, haverá um mero ato simbólico em que o vencedor é conhecido desde o início e os partidos da oposição fazem de “imbecis úteis”, para usar as palavras aparentemente usadas noutro contexto por Lenine.

Com a União Europeia, o governo angolano recusou-se a assinar um Memorando de Entendimento para proceder à observação das eleições, alegando as velhas justificações soberanistas e neocolonialistas. O ministro das Relações Exteriores, Georges Chikoti, disse: “É assim que o continente funciona em matéria de eleições. E não esperamos que alguém nos vá impor à sua maneira de olhar para as eleições e nos dar alguma lição, como também não pretendemos dar lições em termos de eleições.” É este argumento de que em África a cultura é diferente que justifica a corrupção, o tratamento desigualitário das mulheres e tantos outros atropelos aos direitos humanos. Mas, pergunta-se, porque hão de ser diferentes as eleições em África? Por que razão são os próprios dirigentes africanos que passam a si mesmo atestados de menoridade?

Afastado o perigo de ter uma Ana Gomes, deputada do Parlamento Europeu, a vigiar e denunciar as fraudes eleitorais, o regime conta também com as empresas que prestam serviços técnicos para controlar as votações. Houve muito barulho na CNE devido a essas contratações, mas tudo foi silenciado. A Indra e a Sinfic continuam como responsáveis técnicas das eleições.

Outro problema que já se nota é a discrepância dos tempos de antena concedidos às diferentes forças políticas. Segundo a associação Handeka, cerca de 88% do tempo de emissão analisado pelos seus voluntários é dedicado a promover o MPLA, e só o restante se divide entre os outros partidos políticos.

A isso acresce todo um trabalho encapotado do Estado para promover o MPLA. Por exemplo, foram publicadas notícias segundo as quais a “União das Associações Locais de Angola (Amangola), uma ONG que recebe fundos do Estado, assumiu publicamente trabalhar arduamente para sensibilizar a população angolana, no sentido de nas eleições de 23 de agosto votarem no MPLA e no seu candidato a presidente da República, João Lourenço”.

Em resumo, há uma estrutura montada que vai desde o controlo dos meios informáticos e tecnológicos ao serviço do processo eleitoral, ao espaço da comunicação social, aos meios de apoio social e ao afastamento de observadores incómodos – tudo isto permite afirmar sem dúvidas que não existem condições para eleições livres e justas no país.

Portanto, face a este cenário, alguns apelam ao boicote eleitoral por parte dos partidos da oposição.

Contudo, este apelo faz sempre lembrar o que aconteceu na Revolução de Outubro de 1917, na Rússia, que permitiu que Lenine tomasse o poder e instalasse a ditadura do terror comunista. Esta revolução foi “legalizada” pelo Segundo Congresso dos Sovietes, composto por 670 delegados eleitos; apenas 300 eram comunistas. Quando a queda do Palácio de Inverno (isto é, o derrube do governo “burguês” saído da deposição do czar em fevereiro de 1917) foi anunciada, o Congresso aprovou um decreto de transferência de poder para os sovietes dos Deputados dos Trabalhadores, Soldados e Camponeses, ratificando assim a Revolução.

As alas centrais e de direita dos revolucionários socialistas e dos mencheviques acreditavam que Lenine e os comunistas tinham tomado ilegalmente o poder, e saíram antes da aprovação da resolução. À medida que eles saíram, Leon Trotsky disse-lhes: “Vocês são pessoas lamentáveis ​​e isoladas, vocês estão falidos. O vosso lugar é no caixote de lixo da história.” Teve razão durante algumas décadas.

No dia seguinte, 26 de outubro, o Congresso elegeu um conselho de comissários do povo (Sovnarkom), tendo Lenine como líder.

A revolução comunista tinha triunfado, em parte, graças ao boicote das oposições que se ausentaram da votação, remetendo-se elas próprias para o caixote do lixo da história.

Este é o problema com que se defronta Angola. As eleições não são livres e justas, mas, caso a oposição se retire, entrega a totalidade do poder ao MPLA e à sua ditadura.

Retomando Lenine, pergunta-se: O que fazer?

Pois então: pode-se denunciar as eleições como fraudulentas e anunciar que um mero voto a mais do que em 2012 é uma vitória, e preparar, com a mobilização da sociedade civil, um movimento que exija no terreno uma verdadeira transição para a democracia.

A luta pela democracia trava-se em várias frentes, e as eleições viciadas são apenas uma delas.

É junto do povo, nas redes sociais, nas ruas e por toda a parte que a população tem de ser mobilizada para a verdadeira mudança que vai ocorrer a seguir às eleições, e apesar destas.

A exigência de uma transição efetiva de poder, uma nova Constituição, um novo regime económico e uma nova justiça são a grande mudança em que tem de haver empenho. As falsas eleições não impedirão este poderoso movimento em curso.
Título, Imagem e Texto: Moiani Matondo, Maka Angola, 30-7-2017

Relacionados:

Um comentário:

  1. VOU DEIXAR AQUI A MINHA HUMILDE OPINIÃO, COM RELAÇÃO ÀS ELEIÇÕES E, DE CERTA FORMA, AO TEXTO ACIMA. CONVERSAS PRA BOIS E VACAS DORMIREM E SONHAREM.

    A CADA 15 MINUTOS, nós que ouvimos as rádios FMs, somos obrigados a engolir aquelas propagandas feitas pela galera do TRE (Tribunal dos Ratos Espertalhões), onde duas palhaças dialogam: A primeira faz uma indagação idiota e a outra responde: “NÃO CAIA EM MITOS ELEITORAIS”. Não ficaria mais elegante, MAIS DECENTE, “CABRITOS ELEITORAIS?!”.

    A cada vez que escuto essas merdas, esses entulhos inúteis, na verdade, o novo ópio, a nova maconha, para deixar os Zés e os Manés, as Candinhas e as Cidinhas em pontos de bala (portanto aptos e aptas para se deixarem colocar as cangalhas, em seus focinhos), me questiono, me belisco, corpo inteiro, intencionando saber se ainda tem por ai, algum ser humano decente, honrado, honesto e de visão, que acredite piamente que as eleições, neste país de vagabundos e manipuladores sejam transparentes.

    AMADOS, PELO AMOR DE DEUS, NÃO ME FAÇAM DE PALHAÇO. NÃO VOU VOTAR, NÃO VOU ME CADASTRAR. “AH, ENTÃO O SENHOR TERÁ SEU TÍTULO CANCELADO”. POR FAVOR, NÃO CANCELEM MEU QUERIDO TÍTULO. AO INVÉS DISSO, SUGIRO LEVAREM O DITO DOCUMENTO PARA SUAS CASAS E O USAREM NA PRIVADA.

    ASSIM COMO NA PROPAGANDA NOJENTA E ASQUEROSA, EU AINDA ACREDITO IGUALMENTE, COM TODAS AS MINHAS FORÇAS, EM PAPAI NOEL. DE IGUAL FORMA, EM BRANCA DE NEVE, E OS 40 LADRÕES, NA ALICE NO PAÍS “DAS BRASILIA”, ETC... e ETC...

    (Aparecido Raimundo de Souza, 64 anos, jornalista).

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-