quarta-feira, 11 de outubro de 2017

[Aparecido rasga o verbo] Assessório não cadastrado

Aparecido Raimundo de Souza

UM SUJEITO COM SEU Honda Civic Sport novinho em folha chegou à loja de assessórios para automóveis e disse para a recepcionista que imediatamente o veio atender.
- Gostaria de colocar um anti-radar. Um amigo meu, o Genésio, do DETRAN, me falou que vocês, por debaixo dos panos...
- Claro, o senhor Genésio é nosso cliente antigo. O senhor tem ficha aqui com a gente?
- Tenho sim. Meses atrás vocês colocaram um DVD e um aparelho de TV num outro veículo que possuo.

Outro cidadão, numa Mercedes Benz, ao ver aquela beldade esvoaçante, os cabelos avermelhados como as penugens de um Cardinal vindo em sua direção, pulou do veículo e se adiantou, a ela, as sobrancelhas erguidas sobre as têmporas.
- Bom dia. Estou atrás de um anti-pardal. Vocês têm para vender?
- Com certeza. O senhor veio indicado por alguém?
- Sim. Pelo Odair do posto de gasolina.
- Perfeito. Tem ficha na casa?
- Não.
- Vou providenciar e logo sairá daqui com tudo nos conformes.

O terceiro da fila era um senhor na casa dos sessenta, acondicionado num Renault Kwid. Assim que a recepcionista o interpelou, se derreteu em mesuras e mandou bala.
- Não sei se vocês fazem esse tipo de serviço...
- E qual seria “esse tipo de serviço” meu simpático cavalheiro?
- A instalação de um inibidor anti-furto. E gostaria, igualmente, de acrescentar um espião de radar. Como viajo muito, necessito evitar as multas...

- Executamos esses serviços sim. E outros mais. O senhor veio ao lugar certo. Terá apenas que esperar um bocadinho. Enquanto providencio a ficha desses amigos que chegaram à sua frente. Rogo ao distinto que vá até aquele balcão e peça à Jacira, nossa atendente, uma água bem gelada e um café. Por favor, fique à vontade. Antes que me esqueça. Veio indicado?
- Sim, pelo Waldomiro da farmácia. Ele disse que, se houver alguma dúvida, em face desse equipamento ser, entre aspas, proibido no mercado, para a senhorita ou alguém daqui ligar que ele confirma.

- Não se preocupe. Seu Waldomiro é nosso cliente de muitos anos. O senhor tem cadastro com a gente?
- Não. Se precisar assinar alguma coisa é só me trazer a papelada.
- De pronto, só necessito da sua Identidade, CPF, telefones de contato e endereço.

Mal acabara com esse, pintou na área mais dois cidadãos num Fusca amarelo 2017. A recepcionista prontamente correu ao encontro de ambos. Esse mês a comissão seria polpuda, além do salário fixo na carteira.
- Bom dia? Em que posso ajudar os distintos?
O moço de calça jeans e blusa branca que dirigia se antecipou ao que viera com ele e indagou:
- Vocês colocam anti-radar?
- Perfeitamente.
- Eu gostaria de um desses brinquedinhos no meu “pé-de borracha”.
- Só temos um probleminha. Demorará um pouquinho. Temos gente na fila. Porém, com certeza, o amigo sairá daqui satisfeito.
- Sem problema. Estou com o dia todo folgado. Não importa o tempo.
- Quem lhe deu a nossa indicação?
- Desculpe, ia me esquecendo. O Genésio, do DETRAN.
- É freguês da casa?
- Não, primeira vez.
- Vamos providenciar seu cadastro. Por gentileza, me veja seus documentos.

O carona, de boné, bermuda e camiseta regata, que até então estivera calado, indagou enquanto lançava uma corrida de olhos nas belas pernas da jovem.
- E o senhor, pois não? Qual seu problema ou só está acompanhando o amigo?
- Meu problema é você...
- Não entendi.
- Venha comigo e todos os meus anseios terão fim.

A gostosa recepcionista, fina e educada, com essa gaiatice, por um instante, se embaraçou. Contudo, fingiu não ter assimilado a cantada e desconversou:
- O que nossa loja poderá fazer pelo simpático e educado mancebo?
- Pretendo assim que o meu amigo aí estiver livre, trazer meu possante até aqui, um Citroen Berlingo para instalar uma televisão no painel e um anti-radar. Depois de tudo pronto e após terminar seu expediente, gostaria de convidá-la para um jantar à luz de velas. 

- À luz do que, senhor?
- Das velas. Só nos dois...

- Me diga qual é seu carro, tendo em vista aproveitado o vácuo de seu amigo. Para adiantar, vou providenciando a sua ficha e comunicar os seus serviços ao encarregado da seção que cuidará do seu “possante”.  Me passe por obséquio seus documentos pessoais.
Sorriu brejeira, antes de continuar e engolir aquela cantada idiota que lhe dava asco. Todo santo dia pintava um engraçadinho com uma conversa fora de esquadro.
- Enquanto espera a sua vez, sugiro faça como os demais. Continue na sombra de seu amigo. Vá até a copa, dê um bom dia à Jacira, beba uma água gelada e tome um café. Com licença.

Vinte minutos depois, estaciona de frente da concorrida loja, uma loira alta e magra, ricamente vestida num Maserati zero bala, todo preto, 3.0, Teto solar, 4 portas, entre outras comodidades da tecnologia. Ao sair dele, com um movimento enérgico, todos, sem exceção, que se achavam aglomerados na recepção (inclusive os funcionários), estancaram o que faziam, para uma olhada naquela coisa angelical e indescritível, como um bibelô artístico, que enfeitara o ambiente com a sua elegância ímpar, gosto apurado e gestos literalmente delicados.



Até a deusa da recepção, por um mísero de segundo, se sentiu baqueada, pequena diante daquela modelo inimitável que adentrava, vibrando sobre seus delicados pés, trazendo na tez fina um sorriso deslumbrante. Lembrava ainda que distantemente um galgo prestes a dar uma mordida inofensiva. Sem perder a postura e o charme, partiu atendê-la, com um espanto repentino que a rejuvenesceu com uma rijeza prazerosa.
- Bom dia, senhorita. Em que posso ajudá-la?
A encantada criatura retirou os óculos escuros e encarou a interlocutora.
- Necessito instalar, para ontem, um para-raios no meu carro.
A recepcionista franziu o cenho, estranhando aquele produto. Repetiu incrédula.
- Para-raios?
- Foi o que eu disse. Vocês devem ter em estoque para comercialização e, com certeza, o disponibilizam. Estou certa?
- Para-raios? Um instante, por favor.

Enquanto os plantonistas que aguardavam vez colocavam em seus olhos largas gotas daquele colírio delirante, a atendente saiu à cata do gerente da loja. Menos de um minuto depois, retornou com um cidadão baixinho e careca, acondicionado num terno marrom impecável.
- Bom dia, senhorita. Qual a sua graça?
- Arlinda. E o seu?
- Borlote. Carlos Borlote às suas ordens.
- Prazer.
- A minha funcionária disse que a senhorita gostaria de instalar em seu veículo um...?
- Um para-raios!
- Não seria, por acaso um anti-radar?
- Nada disso. É como eu disse: para-raios.

O gerente, solícito, meio que sem graça, se abriu num sorriso amarelo mesclado de cortesia e espanto. Coçou a orelha direita, impaciente. Sempre coçava a orelha direita quando alguma normalidade pintava do nada.
- Desculpe minha linda. Trabalho e não só trabalho... vivo e atuo, no ramo de instalações há mais de vinte e cinco anos e confesso, nunca ouvi falar nesse equipamento. Pelo menos para particulares de passeio...
- Eu sei moço. Mas está vendo o meu? É um Maserati. Acabei de tirá-lo da concessionária. Observe que nem placa deu tempo de colocar.
- Tudo bem, senhorita. Compreendo, entretanto, esse apetrecho...
- Vocês instalam, sim ou não?
- Por que a senhorita quer um para-raios em seu carro?

A loira, dona de si, o rosto redondo, rosado, magistralmente maquiado, onde um par de olhos enormes e a boca pequena, fina e embutida, pareciam donairosear com pudor comedido e estudado, rodeada de curiosos além dos demais funcionários, e dos clientes que aguardavam, abriu o jogo sem mais delongas.
- Para me proteger, ora bolas! A mim e a meu sonho de consumo.
- Por certo. A senhorita está coberta de razão. Mas me perdoe a mera curiosidade. Proteger a senhorita exatamente do quê?
- Fala sério!  Não acredito no que acabou de me falar. Estou rosa.

Tomando os presentes como testemunhas, completou saliente e timidamente exagerada:
- Meu caro Borlote. É esse seu nome, estou certa? Acho que ouvi direito. Seu Borlote, acaso nunca ouviu falar de “um tal de sequestro relâmpago?”.
A risada da galera em derredor pipocou geral.
Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza. Dos Estúdios Globo, em Jacarepaguá, Rio de Janeiro. 10-10-2017

Colunas anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-