quinta-feira, 12 de julho de 2018

Escorraçar marajás a vassouradas

Péricles Capanema



Jânio Quadros (1960) e Fernando Collor de Mello (1989) se elegeram despregando a bandeira do combate à corrupção. Fácil de compreender, o assunto irrita pronto, o eleitor logo se sente lesado e responde no voto. Votos de protesto, “contra tudo o que está aí”.

“Varre, varre, vassourinha
Varre, varre a bandalheira
Que o povo já tá cansado
De sofrer dessa maneira

Jânio Quadros é a esperança desse povo abandonado
Jânio Quadros é a certeza de um Brasil moralizado
Alerta, meu irmão
Vassoura, conterrâneo.”

O “caçador de marajás” calcou a mesma tecla.

“Essa vidinha tão boa
Vai terminar
Olha que tá chegando o homi
caçador de marajá.”

Marajá, para quem não sabe, era o funcionário público privilegiado, altos salários, estabilidade, férias garantidas e prolongadas.


Deixo o passado, volto à eleição do México no último 1º de julho. Existem pontos importantes ainda a tratar, podem ajudar a compreender a confusão da situação brasileira.

As denúncias da corrupção generalizada elegeram Andrés Manuel López Obrador (AMLO) no México, desaguou nele o voto “contra tudo o que está aí”, establishment político, conluios, roubalheira, violência. Contou ainda a promessa de acabar com a impunidade. Como no caso de Jânio e de Collor.

Três anos depois de fundado, o MORENA (Movimento de Regeneração Nacional) conquistou a Presidência da República, conseguiu maioria na Câmara e no Senado, a prefeitura da Cidade do México. Das oito eleições estaduais, venceu em quatro.

Para vencer, o MORENA quis ter aliados à direita. Uniu-se ao PES (Partido do Encontro Social), agrupação ancorada na chamada direita evangélica, conservadora em temas morais e sociais (família, aborto, “casamento” homossexual). Em seu primeiro discurso, o presidente eleito tranquilizou: “Não agiremos de forma arbitrária, não haverá confiscação nem expropriação de bens. Erradicar a corrupção e a impunidade será a missão principal do novo governo.” Palavras anestesiantes. Quem pode ser a favor da corrupção? Quem quer a impunidade?

Caso AMLO coloque ênfase nas medidas propriamente de esquerda, mesmo no terreno moral, como favorecimento do “casamento” homossexual, facilidades para o aborto, dificuldades maiores para a família tradicional, o povo o rejeitará. Por quê? A eleição favoreceu a esquerda, é verdade, mas não evidenciou migração da opinião pública para a esquerda.

Mostrou apenas que não teme favorecê-la para obter o que deseja. Caiu a rejeição à esquerda nesta eleição, sem aumentar o apoio e a simpatia. Continuando frágil a sustentação esquerdista, AMLO tem pouco espaço de manobra, precisará pisar em ovos para não se isolar. E medidas muito radicais lançarão rapidamente a opinião pública contra ele.

Futuro? Dependerá de como vai reagir o povo mexicano. Mas não só. Não convém irritar em demasia o vizinho do Norte, para lá vão 80% das exportações mexicanas. Tem a respeito proposta potencialmente explosiva: a aproximação com a China. Obrador manifestou intenção de investir 5% do PIB em infraestrutura (a porcentagem atual é 2,6%). Não existe dinheiro. Saída: “A China está muito interessada em investir em projetos mexicanos”. Caminhará por aí? Como reagirão os Estados Unidos?

Em resumo, o programa do novo governo será sempre retroceder no rumo da esquerda na economia, nos costumes, nas leis. Dois fatores podem minorar o desastre: reações vivas nos Estados Unidos e na opinião pública interna.

Falava do Brasil. Aqui também a eleição pode ser resolvida com base na exasperação justa contra a corrupção e a violência, na ânsia de que acabe a impunidade. Não custa lembrar, apenas 15% dos homicídios têm autoria esclarecida. No roubo à mão armada, de 1 a 2%. Estima-se que a maioria dos assaltados nem vá à delegacia, sabe que não vai adiantar nada. A elucidação do crime do colarinho branco está no mesmo patamar.

Três lições: eleição de Jânio, de Collor e de Obrador. É pouco, para dizer o mínimo, votar apenas com esteio na exasperação emocional contra a corrupção, violência e impunidade, contra “tudo o que está aí”. Moral da história, escorraçar marajás a vassouradas pode até ser bom começo, mas não garante porto seguro.

Faltam três meses para aportar, o barco está na tempestade. Se houver desorientação na hora de escolher o porto, teremos retrocessos pela frente. Como no México, mesmo com a opinião pública com fortes traços conservadores, por falta de rumos, o povo pode acabar sufragando o populismo, a demagogia, candidatos de esquerda.
Título, Imagens e Texto: Péricles Capanema, ABIM, 11-7-2018

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-