terça-feira, 24 de dezembro de 2013

[Rubens de Freitas] Oremos!


Carlos Lira
Meus caros colegas:

“Pelo menos há esperança para a árvore: Se for cortada ainda se renovará, e não cessarão os seus renovos. Se envelhecer na terra a sua raiz, e morrer o seu tronco no pé, ao cheiro das águas brotará e dará ramos como a planta”.
Jó 14.7-9

Rubens de Freitas, quão triste foi este seu gesto desassisado, de uma gravidade tamanha que, a nossos olhos, nos entristece a todos nós os seus colegas, a sua família e a todos que o conhecem...

Não é de hoje que você publica o seu desejo extremo de protesto contra esse governo corrupto e insensível à causa dos idosos. O caso AERUS é uma ponta do iceberg deste terrorismo praticado contra o idoso neste Brasil de todos nós. Em se tratando do idoso, o governo publica lamurientas pesquisas em que o INSS está “falido”, correndo o risco sempre crescente de parar o sistema previdenciário... Com certeza, esse risco existe, desde que existem pessoas muito bem assistidas por esta instituição com gordos salários, desde que salários são pagos a quem NUNCA participou do processo previdenciário ou a mistura explosiva que possibilita a dona de casa serem seguradas, pagando apenas 5% do Salário mínimo.

Muitas mulheres que recebem a famigerada Bolsa Família estão pagando o INSS. Claro está que elas querem deixar de ganhar os quase 300 Reais do Bolsa Família (com o Brasil Carinhoso) para ganhar os quase 800 reais do salário mínimo. Que o governo procurasse outra fonte de pagamento, respeitasse o “Direito Adquirido” do pobre aposentado que, cada vez mais, fica mais pobre. Imaginemos se os aposentados do INSS resolvessem praticar o suicídio? Isto não está distante de acontecer: este (dês)governo precisa “ver para crer”. Meu Deus, como será o amanhã dos pobres velhinhos aposentados desassistidos por este (dês)governo cruel e sanguinário...

Rubens de Freitas tentou o suicídio, está no CTI, está prestes a morrer e o seu protesto fica sem valor porque esta política podre do PT assim o quer, distanciar-se do povo e que esse mesmo povo se exploda!

Rubens de Freitas pedia sugestão para que o seu ato suicida assumisse uma grande repercussão. Eu, pessoalmente, não acreditava que isto acontecesse, que este ato desesperado viesse à tona. Quem de nós, meros mortais, iríamos sugerir algum tipo de suicídio? Que Rubens Freitas, por exemplo, munisse o corpo de explosivos e se jogasse no palácio onde se encontra a Doce e Carinhosa Presidente do Brasil e seus asseclas? Seria uma temeridade, é claro! Seria uma ação que não levaria à morte somente Rubens de Freitas como levaria também outras pessoas alheias ao drama do AERUS. Nem podemos imaginar este gesto extremo...

Continuando as citações do Livro de Jó encontro essa admoestação pertinente ao desespero do colega Rubens de Freitas: “Por que razão tomo a minha carne entre os dentes, e ponho a minha vida na minha mão? Ainda que Ele me mate, contudo Nele esperarei; os meus caminhos defenderei diante dEle”.
Jó 14.15

Existem outras modalidades de protestar contra o descaso desse (dês)governo miserável sem necessariamente recorrer ao suicídio. Muitos dos nossos colegas se suicidaram e a repercussão junto ao (dês)governo foi nula. Portanto, vamos mudar de idéia! Vamos olhar com firmeza! Vamos protestar e gritar aos quatro cantos do mundo denunciando o quanto sofre o idoso brasileiro!!!

“Se eu falar, a minha dor não cessa e, calando-me, qual é o meu alívio?”
Jó 16.6

O aposentado brasileiro não tem “muita coisa” para festejar este natal de sangue mas com o pouco que nos resta, vamos louvar a Deus e clamar por justiça:

“Embora eu clame – Violência! Não sou ouvido; embora grite por socorro, não há justiça”
Jó 19.7

Vamos orar por Rubens de Freitas, vamos orar por nós, pelos desempregados, pelos aposentados...
Vamos nos alegrar neste Natal de Jesus, Natal de todos nós.
Título e Texto: Carlos Lira, 24-12-2013

9 comentários:

  1. Entristeceu-me profundamente o gesto extremo do Sr. Rubens de Freitas. Não tenho o direito de criticá-lo. Muito menos concordo com sua atitude. Lamento muito. Trata-se de um ser humano que, com certeza, ultrapassou o limite máximo da tolerância. É a ausência total da esperança e da credibilidade na justiça em seu sentido amplo.
    Não o conheço, mas adoto a premissa de que - como tantos outros funcionários da Varig - cumpriu integralmente a sua parte, labutando dia a dia, independentemente dos problemas e dificuldades diárias. Fez com dignidade a sua parte. Ao aposentar-se, acreditava que colheria os frutos que regiamente plantou. Nem poderia pensar de forma diversa, vez que trabalhou e contribuiu, mês a mês, para que no futuro auferisse uma aposentadoria do INSS e a complementação do AERUS. Assim, por lógico e de direito, teria uma velhice tranquila. Seu direito foi cabalmente frustrado, e quando a isto não teve nenhuma participação. Apenas teve que aceitar a condição desfavorável, crescente a cada dia, que lhe foi imposta e tentar conviver por longos anos com situação a que não deu causa.
    Que DEUS o auxilie neste momento difícil para que em breve esteja completamente restabelecido. Com saúde plena.
    Vamos rezar por ele e seus familiares.

    Maria Margareth Matos.

    ResponderExcluir
  2. Eliana França Leme24 de dezembro de 2013 18:18

    Meu Deus, que triste! Não se pode deixar que a tentativa de Rubens de Freitas seja em vão. Ele deve ter sentido, além de desilusão com o país, também muita solidão. Talvez seja a hora de pensar que além da falta de recursos financeiros, a vida se torna um tormento para quem, por não encontrar signficado após tanta luta, após tantos sonhos desfeitos, nada poder esperar.
    É preciso mudar este país. Ninguém melhor do que os aposentados para carregarem sobre seus velhos e cansados ombros esta bandeira, até pelos que ainda virão a ser um dia, velhos.
    A velhice em si não é sofrimento. Sofrimento é ter uma velhice de abandono e pouco caso.
    Abraços e que Rubem viva para dar-se conta que ainda tem uma missão a cumprir.
    Abraços,
    Eliana França Leme

    ResponderExcluir
  3. ELE NÃO É UM SUICIDA. É UM SAMURAI.
    Seria muito difícil traduzir o ritual do harakiri para outra língua.
    O suicida é egoísta, jamais pensa no coletivo.
    Suicídio é o que comete nosso sindicato, e pior ele é coletivo.
    Onde estão as forças petistas do suposto democrático sindicato, que colocou uma ditadura de domínio que sufoca a classe há mais de 20 anos.
    Eles deviam gastar mais dinheiro em prol dos aposentados, nós dos AERUS ainda hoje somos o maior número de sócios sindicais.
    Tão pouco desejo que o sacrifício do senhor Rubem seja martirizado, não precisamos de mártires, precisamos de mais esforços dos poderosos que se dizem congratular com nossa causa.
    A morte é uma dádiva de todos, o suicídio um recurso de fuga, o harakiri a atitude de dever cumprido.
    bom dia

    ResponderExcluir
  4. Passado todo o tempo da tormenta na vida de Jó, Deus lhe recompensou, e deu à Jó o dobro da prosperidade que antes tinha.
    E Deus virou o cativeiro de Jó enquanto ele orava e deu-lhe o dobro de toda a riqueza que tinha, e vieram todos os que lhe conhecia juntamente de seus irmãos e irmãs e comeram com ele pão em sua casa e consolaram de todo o mal que o Senhor lhe avia enviado e cada um deles lhe deu uma peça de dinheiro, e cada um um pendente de ouro, e assim abençoou o último estado de Jó mais do que o primeiro porque teve quatorze mil ovelhas, seis mil camelos, e mil juntas de bois, e mil jumentas, também teve sete filhoe e três filhas, e em toda a terra não acharam mulheres mais formosas como as filhas de Jó.
    E depois disto viveu Jó cento e quarenta anos , e viu aos seus filhos, e aos filhos de seus filhos até a sua quarta geração.
    Então morreu Jó, velho e farto de dias.

    Essa é a paciência de Jó. Muito difícil, mas não impossível.
    Sinto muito pelo gesto extremo de seu amigo.
    Janda

    ResponderExcluir
  5. Almir Papalardo.
    Sangra-nos o coração ao saber do sofrimento do nosso amigo Rubens, que na sua semi-inconsciência, está amarrado pelos pulsos no leito da UTI. Muito triste mesmo! Que Deus o ampare, compreendendo e perdoando o seu gesto, originado somente pela desilusão e desamor pelo próximo que os homens viventes aqui da terra ocasionam. Que este gesto de revolta seja documentado, servindo de cobrança constante e culpabilidade para os governos que provocaram e ainda provocam tal situação perversa, imposta aos aposentados brasileiros...

    ResponderExcluir
  6. Alguém sabe onde está internado o colega Rubens?

    ResponderExcluir
  7. O Sr Rubens esta internado, qual o hospital?

    ResponderExcluir
  8. Até onde sei, o Rubens não está mais internado.

    ResponderExcluir
  9. Boa noite! ! O mínimo que podemos fazer para que o gesto do nosso amigo não seja em vão, e divulgar o máximo possível o ocorrido. Paralelamente orar e pedir a Deus saúde para nosso amigo e sapiência para essa corja que ora desgoverna o país. Maroildo

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-