quarta-feira, 12 de julho de 2017

Reforma trabalhista aprovada

Agência Senado

O Senado aprovou nesta terça-feira (11) o projeto de lei da reforma trabalhista. Foram 50 votos a favor, 26 contrários e uma abstenção. Como não sofreu alterações no Plenário, o PLC38/2017 segue agora para a sanção do presidente Michel Temer.

 
Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado
O Plenário rejeitou 178 emendas de senadores. O PT apresentou dois destaques para votação em separado retirando da reforma o trabalho intermitente e a presença de gestantes e lactantes em locais insalubres. O PSB tentou derrubar a prevalência do negociado sobre o legislado. Mas o Plenário também derrubou os três destaques.

A sessão começou tumultuada. Por quase sete horas um grupo de senadoras ocupou a Mesa do Plenário e impediu o andamento dos trabalhos. Durante a tarde, parlamentares tentaram negociar a retomada da votação. Mas não houve acordo.

Ainda com a Mesa ocupada pela oposição, o presidente Eunício Oliveira (PMDB-CE) reabriu os trabalhos pouco depois das 18h30.

– Já que eu fiz um apelo às senadoras e elas não me entenderam, eu vou presidir a sessão como me determina o regimento – afirmou Eunício.

Antes de votar o texto principal, parlamentares discutiram pontos da reforma. A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) alertou para a possibilidade de trabalhadores serem substituídos por pessoas jurídicas. Segundo ela, isso provocaria perda de direitos.

– O trabalhador perde o 13º salário, perde as férias, perde o descanso semanal remunerado. É isso que está escrito aqui. Nós não estamos inventando – afirmou Vanessa.

O senador Benedito de Lira (PP-AL) discordou.

– Fala-se tanto que estamos arrancando direitos do trabalhador. Mas não vi ninguém mostrar aqui um único item da Constituição onde estão encravados os direitos do trabalhador. É uma inconsequência dizer que uma lei ordinária revoga dispositivo da Constituição – afirmou Benedito.

O senador Paulo Paim (PT-RS) lamentou a aprovação da reforma trabalhista.

– Este momento será marcado para sempre a ferro e fogo nas nossas histórias. Jamais será esquecido. O Brasil está sangrando. Não podemos ser Judas nem Pôncio Pilatos, lavando as mãos e dizendo: 'O que a Câmara decidiu, com 200 variações, está decidido, e o presidente de plantão que decida, porque nós vamos nos omitir' – disse Paim.

O líder do governo e relator da reforma trabalhista na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania, senador Romero Jucá (PMDB-RR), comemorou a aprovação. Ele voltou a afirmar que o Palácio do Planalto vai promover ajustes no projeto, seja por meio de veto ou de uma medida provisória. Para Jucá, o texto promove a geração de empregos.

– Essa lei é moderna, vai criar oportunidade principalmente para os jovens terem a condição do primeiro emprego. Hoje o desemprego é muito grande, mas quem mais sofre é a juventude – afirmou Jucá.

Bancada feminina

Durante a votação do último destaque, sobre o trabalho de gestantes e lactantes em locais insalubres, senadoras favoráveis à reforma trabalhista comentaram a ocupação da Mesa por parlamentares da oposição. As senadoras Ana Amélia (PP-RS), Marta Suplicy (PMDB-SP), Rose de Freitas (PMDB-ES) e Simone Tebet (PMDB-MS) disseram defender os direitos das trabalhadoras e confiar nas mudanças prometidas pelo Palácio do Planalto.
Texto: Agência Senado, 11-7-2017

Um comentário:

  1. Editorial Band: Uma reforma necessária
    Por: Grupo Bandeirantes de Comunicação

    Envolvido num turbilhão de acusações, suspeitas e conspirações, o governo Temer ainda dá um sinal de surpreendente vitalidade derrubando um dos maiores tabus da história da nossa República ao aprovar a reforma trabalhista.

    Consolidada em 1943, mas incorporando leis nascidas desde 1930, esta legislação de inspiração fascista se enraizou na sociedade, desempenhou o seu papel, mas tornou-se superada e acabou virando um entrave para a economia e para o emprego. E mais: permaneceu no tempo defendida por forças poderosas e interessadas que nenhum governo enfrentou antes.

    As 100 mudanças na CLT, aprovadas agora pelo Senado, se alinham com a aprovação do teto de gastos, a flexibilização dos negócios do petróleo e a terceirização da mão de obra, uma pauta ousada, necessária e racional que o governo Temer entrega ao Brasil. O simples enunciado deste incrível conjunto de conquistas, em tempo tão curto e em condições políticas tão adversas, demonstra que a continuidade do governo Temer poderia consolidar uma trajetória positiva, que começa a fazer a economia respirar.

    Se este caminho persistir, preservados os valores e as legítimas decisões de um estado democrático de direito, o trabalhador que busca seu emprego e o empresário que deseja investir vão agradecer.

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-