domingo, 1 de outubro de 2017

[Para que servem as borboletas?] A indenização da DT nos preocupa...

Valdemar Habitzreuter

Amigos velhinhos e velhinhas do Aerus, saudações! O tempo passa e nós com ele, mas com uma única diferença de que avançamos cada vez mais em idade enquanto o tempo em si permanece estável, não envelhece, sempre atual a imprimir o curso da História. É ele que dita que as coisas, os seres, os eventos perfazem uma História; isto é, faz tudo passar e coisas novas surgir; daí quantificarmos o tempo como passado, presente e futuro... O tempo não nos dá o presente da eterna juventude...

Nosso passado um dia foi presente quando, por exemplo, trabalhávamos na Pioneira e não cogitávamos na época que o futuro da Varig tivesse um desfecho como teve. Passou! A Varig agora não tem mais presente nem futuro, apenas passado, ou melhor dizendo, apenas deixada para História. Mas essa História nos é cara, pois é nela que também está depositada a honradez de nosso trabalho e o que acumulamos como poupança para nossa futura aposentadoria – o AERUS.

A Varig teve a esplêndida iniciativa de oferecer em 1982 aos seus funcionários esta modalidade de aposentadoria complementar – Aerus – como garantia de uma vida mais digna após o encerramento de muitos anos de serviço obrigatório na ativa.

A História da Varig, apesar de ser passado, nos é, no entanto, estímulo, mais do que nunca, para nos dar um presente de dignidade e felicidade. Esse estímulo dever-se-á transformar em força e união entre nós para que forças ocultas e estranhas não usurpam os ovos de nosso ninho que tão arduamente e com muito sacrifício depositamos no Aerus e cabe só a nós chocá-los.

Está em curso a discussão e polêmica do destino da dinheirama relativo à defasagem tarifária conquistada em Juízo a favor da falida Varig. Discute-se quem tem a primazia de receber... Os bilhões todos deverão ser destinados à massa falida e aí proceder à distribuição a quem de direito? É esse o impasse, se deve ser assim, e credores já se movimentam através de advogados para que a massa falida seja a depositária dessa dinheirama...

Sabe-se que ao longo do período da crise da Varig, que culminou em sua falência – diga-se de passagem por causa de políticas criminosas de governos, especialmente, petista – foi dado a ela, em caráter de empréstimo, vultosas somas pelo Aerus para que pudesse impedir a falência que, no entanto, não foi evitável. Concomitantemente, foi firmado acordo de que, em caso de falência, os assistidos do Aerus teriam a primazia da indenização numa eventual vitória nos tribunais de Justiça do processo da DT tramitando desde 1993. (Corrijam-me se estiver errado).

Agora com a causa definitivamente ganha, a execução da sentença deverá ser cumprida pelo governo. Todos os credores estão alvissareiros em torno dos bilhões que virão à falida Varig. Espertalhões estão de olho na carniça e querem achar brechas jurídicas para serem contemplados por primeiro em detrimento das garantias acordadas entre Varig e Aerus.

Assim, transmito minha preocupação quanto ao destino do dinheiro da indenização da DT. A antecipação tutelar, ora em vigor, já é um indício de que os velhinhos e velhinhas aposentados do Aerus não têm mais tempo para esperar e nem para enfrentar novas batalhas judiciais - já são mais passado que futuro - e urge, portanto, que nossas associações – AMVVAR, APVAR, APRUS, etc. – pressionem e trabalhem junto ao interventor do Aerus no sentido de fazer prevalecer o direito do recebimento da quantia indenizatória que nos é devida por direito de primazia e reativar o pagamento de nossos salários... A tutela de antecipação não nos garante a aposentadoria vitalícia. Um abraço a todos!
Título e Texto: Valdemar Habitzreuter, 1-10-2017

Relacionados:

Colunas anteriores:

6 comentários:

  1. Bom domingo! A todos!
    Habitz, corretíssimo! Penso da mesma forma, também estou preocupado, e muito ansioso!
    Mas vamos em frente!
    Quem sabe? A sorte desta vez estará conosco! Sim já conto com ela também!
    Abs,
    Heitor Volkart

    ResponderExcluir
  2. Daqui a uma hora, mais ou menos, leia uma ótima entrevista com uma respeitada ativista na CPI estadual!

    ResponderExcluir
  3. A ÚNICA associação que temos é a APRUS - Associação dos Participantes e Beneficiários do Aerus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. “APRUS, APVAR, AMVAR, FENTAC, Comissão de aposentados e escritório de advogados associados Castagna Maia (Brasília).”

      Pois eu discordo, em parte, desta lista.

      O Escritório do Dr. Castagna Maia, em que pesem suas tão louvadas qualidades, nada tem a ver com o processo Defasagem Tarifária.

      A FENTAC, que é uma federação de sindicatos, estrutura criada sob medida para promover dirigentes sindicais que sabem conchavar nos congressos federativos (e/ou confederativos), que se mantenha longe, muito longe! É o meu fervoroso desejo.

      Associações profissionais da falida Varig, não existem mais. Isto é, não existindo mais o interlocutor por excelência (a Varig), tampouco existirá a pretensa representação junto àquela. Ainda mais que, no caso específico, não há notícias de eleições ou qualquer outro processo democrático legitimador da ‘representatividade’. Ex-dirigentes das associações profissionais são vistos nas fotos da atual CPI estadual do Rio de Janeiro.

      O prezadíssimo comentador esqueceu de mencionar os SNA: sindicatos nacionais de aeronautas e aeroviários. Até aonde sei, esses sindicatos são legítimos, aqui me refiro à LEI, representantes de trabalhadores nas empresas aéreas. (!?)

      “Comissões de aposentados” têm a mesma legitimidade do que, por exemplo, um singular aeronauta, como José Manuel, ou um movimento como o “Movimento ACORDO JÁ!”

      E por último, na lista citada pelo ilustre comentador, eis a Aprus. Que conta somente com o idealismo e boa-fé de atuais dirigentes, mas a organização física, como foi bem lembrado em outra postagem “tem deficiência de estrutura e recursos financeiros”.

      Para concluir, sou favorável a que todos, mesmo todos, se sintam fiscais e mantenham-se atentos aos sinais e movimentos entre o governo (condenado), a massa falida (esteja ela onde estiver ou seja o que for) e o Instituto Aerus.

      Ah, e muito importante, não se sinta desconfortável em opinar, especialmente se a sua opinião for... contra a corrente ou uma corrente.

      Excluir
  4. Caro Jim
    O escritório Castagna Maia nada TINHA há ver com a DT!
    A partir do momento em que a ofereceu como garantia para a sua ação civil, o que nos garantiu a tutela, assumiu o risco desta oferta.
    A partir deste momento passamos , Varig e Transbrasil, a gastar a possível verba da DT, enquanto aguardamos definição.
    Que seria melhor se viesse através de acordo.
    Se todas as ações forem contempladas como esperamos, tudo bem.
    Do contrário – e esperamos que corra tudo bem-, alguém pode ser chamado a responder.
    Então o escritório Maia passou a ser um interessado direto na solução positiva para os interessados também na DT.
    Desde que atue sempre em parceria com o Aerus.
    Aliás, eu só vejo solução através do Aerus junto de quem mais vier a compor,e cobrar com o mesmo.
    Paizote

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-