sábado, 17 de março de 2018

O templo do saber: subsídios para uma visão menos apalermada da universidade em contexto nacional contemporâneo

Alberto Gonçalves

O problema maior é a crença generalizada de que a universidade – a exata universidade que aceita sumidades como o dr. Vale de Almeida – é um abrigo de inquestionável erudição. E de “prestígio”.

Miguel Vale de Almeida: “Temos condições para implodir as categorias de género e sexualidade”. Foto daqui.
Tenho tantas saudades da universidade quanto da varicela, com a agravante de que, ao contrário do que sucedeu com a segunda, ainda não esqueci a primeira. Lembro-me dos professores, na maioria semialfabetizados. Lembro-me das aulas, repetições de cartilhas caducas e puras alucinações. Lembro-me das “referências teóricas”, quase sempre maluquitos franceses, argentinos e até portugueses. Lembro-me das ocasiões em que me perguntei o que fazia ali. E lembro-me de desistir de fazer: a partir de certa altura, decidi dedicar-me a conversas com um punhado de colegas, nas horas livres e nas restantes.

Passei os últimos três anos do curso no café vizinho, a trocar impressões, livros e cassetes. Ao longe, no interior de um barracão lindíssimo, decorriam preleções fascinantes em redor de trabalhos com as palavras “subsídios” ou “contributos” no subtítulo. À aproximação dos exames, eu folheava anotações alheias e fotocópias de maoístas parisienses, despejava o entulho nos testes e, menos devido à inteligência própria do que à boçalidade daquilo, obtinha uma nota distinta. Um magnífico dia, o suplício acabou. O vetusto barracão emitiu um diploma em pergaminho a declarar-me licenciado. Por mim, nunca levantei o diploma e jurei, embora não fosse preciso, que a experiência académica terminaria ali.

É verdade que a minha “formação” (digamos) aconteceu em sociologia, matéria propensa ao burlesco. Nos anos seguintes, porém, aprendi (a aprendizagem é um processo) que, por incrível que pareça (e parece), há pior. Não desejo a ninguém o contato direto com a realidade: um passeio pelos sites dos “estabelecimentos” disponíveis, com consulta dos cursos disponíveis, dos programas disponíveis e dos docentes disponíveis, é suficiente para esclarecer os incautos. Se os incautos insistirem, eles que se inscrevam em certas coisas que há por aí.

Não valeria a pena dar exemplos. Mas dou um. Nas últimas semanas, causou escândalo a notícia de que Pedro Passos Coelho iria providenciar lições num tal Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa (ISCSP). As patrulhas ideológicas, sob a forma dos professores que subscreveram um protesto alusivo, correram logo a chamar a atenção para a falta de credenciações do ex-primeiro-ministro. Conseguiram chamar a atenção para a falta de juízo de quem confunde educação com o evangelismo das “causas”. Na tentativa de denunciar uma hipotética fraude, recordaram a fraude real a que, com as excepções da praxe (sem trocadilho), se chama “ensino superior”.

Dos indignados, o mais “público” é talvez o deputado, ou antigo deputado, socialista Miguel Vale de Almeida. Dos estudos que publicou, destaco “Ser, mas não ser, eis a questão. O problema persistente do essencialismo estratégico”; “A teoria queer e a contestação da categoria ‘género’” e “O esperma sagrado: algumas ambiguidades da homoparentalidade em contextos euro-americanos contemporâneos”. Cito um resumo do último, escarrapachado na página “Ciência-IUL – A excelência da investigação e ciência no ISCTE”: “Igualmete (sic), quanto menos provisâo (sic) legal exista, menos parece haver una cultura de como fazer e proceder em situaçoes (sic) de disputa de paternidade entre gays e lésbicas, assistindo-se ao recurso ou à normativade (sic) legal, ou à normatividade moral (e necessariamente heteronormativa (sic), androcêntrica e patrilinear) a ela associada.” Concedo uma pausa para o aplauso da forma e do conteúdo. E depois um minuto de silêncio para evocarmos o abaixo-assinado e refletirmos na “dignidade dos profissionais da ciência e do ensino”.

O problema não é o dr. Vale de Almeida achar que Pedro Passos Coelho não serve para leccionar na universidade. O problema é o dr. Vale de Almeida achar que o dr. Vale de Almeida serve. Outro problema é a universidade concordar. E o problema maior é a crença generalizada de que a universidade – a exata universidade que aceita sumidades como o dr. Vale de Almeida – é um abrigo de inquestionável erudição. E de “prestígio”. Pela parte que me toca, só não escondo que frequentei semelhante antro na medida em que seria ridículo, e provavelmente escusado. Mesmo assim, inúmeros compatriotas ostentam as habilitações com orgulho. E uma razoável quantidade finge habilitações com empenho.

Já é rotina. De vez em quando, destapa-se um político que, a bem do gabarito, falsificou o currículo. Esta semana, o destapado foi um Feliciano Barreiras Duarte, pelos vistos o novíssimo secretário-geral do PSD. Evito os detalhes, entretanto divulgados com abundância, e noto apenas que, em lugar de inventar uma licenciatura, o prof. dr. Feliciano optou por inventar um emprego numa universidade californiana, a de Berkeley. Ah, Berkeley… também andei por lá – durante dez minutos, perdido após escolher a saída errada para o aeroporto de São Francisco. Ao que consta, o prof. dr. arq. Feliciano nem isso: as suas conexões à instituição especializada em censurar oradores pró-Trump são meramente platónicas, o bastante para definir um carácter e, em Portugal, uma carreira.

Repleta de maluquices (“…tem 21 livros publicados, prefaciou vários trabalhos de investigação, foi conferencista e moderador em 164 conferências, seminários e afins, publicou cerca de 750 artigos e crônicas em jornais e revistas, e tem variadas intervenções no plano profissional, extraprofissional, publica, política e de outras tipologias”), dadaísmo (“…a elaboração deste relatório, com os fins e objetivos anteriormente referidos, pretende-se que seja consabido, o relacionamento entre a primeira e a segunda parte do mesmo, com a evidência principal, que de entre a multiplicidade do currículo do seu autor, poderá sobressair e outrossim destacar, o fio condutor de que…”) e desafios à língua (ver acima), a “Conclusão” da tese de mestrado do prof. dr. arq. juiz Feliciano, avaliada com 18 valores pela ex-ministra dos incêndios,  é um regalo.

A moral da história é que, com frequência, um percurso académico simulado não produz resultados muito diferentes dos percursos académicos autênticos. Sobretudo no vago universo das “humanidades”, onde a distância da trafulhice à pertinência é subtil, não há escassez de vultos incapazes de amanhar uma redacção da “primária”. Curiosamente, essas limitações não suscitam engulhos até ao momento em que o vulto saltita para a política, por acaso das raras áreas do saber que não carece de saber nenhum. Quem a sabe toda é o bastonário da Ordem dos Médicos, que há tempos, por vergonha, pediu alternativas ao tratamento por “dr.”. O homem tem a mania e tem razão.
Título e Texto: Alberto Gonçalves, Observador, 17-3-2018

Relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-