quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019

Temporal deixa três mortos e dois desaparecidos na capital fluminense (+ vídeos)

iG São Paulo

Em estágio de crise desde às 22h15 desta quarta-feira (6), após chuvas com ventos de até 110 km/h atingir vários bairros do município, a Prefeitura do Rio recomendou que moradores não saiam de casa


Três pessoas morreram e duas estão desaparecidas após a forte chuva que atingiu a cidade do Rio de Janeiro, na noite desta quarta-feira (6). Segundo informações do Corpo de Bombeiros, As mortes foram registradas na Pedra de Guaratiba, na zona Norte, e na Rocinha, na zona Sul.

Segundo o prefeito da cidade do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, a morte na Rocinha foi causada por um deslizamento de terra. Em Guaratiba, o desabamento de uma casa provocou a morte de uma mulher e do seu filho. Dois homens ficaram feridos e foram levados ao Hospital Lourenço Jorge, e duas pessoas estão desaparecidas.

O município havia entrado em estágio de atenção às 20h30, já às 22h15 foi registrado estágio de crise (último nível dos três utilizados pela prefeitura para medir a intensidade das chuvas). Às 23h24m, o alerta estava mantido, já por volta da 1h a intensidade da chuva diminuiu. Vários bairros estão sem luz.

O Centro de Operações da Prefeitura do Rio de Janeiro orientou a população a não se deslocar pela cidade, principalmente nas Zonas Sul e Oeste. A mensagem foi postada nas redes sociais do órgão: "Pedimos para a população EVITAR temporariamente seu deslocamento". De acordo com a Defesa Civil, não há previsão de chuva forte para as próximas horas.

Ainda segundo o Centro de Operações, fortes rajadas de ventos, que chegaram a 110 km/h no Forte de Copacabana, também foram registradas em diferentes partes do Rio, causando diversos transtornos. Por exemplo, na Avenida Lúcio Costa, na Zona Oeste do Rio, um telhado foi arrastado até à pista e os cabos que sustentavam o teleférico do Alemão, na Zona Norte, não resistiram, derrubando o material.

Até à madrugada desta quinta-feira (7), foram registradas 64 quedas de árvores, houve deslizamentos em Pedra de Guaratiba, Rocinha, Inhaúma e Charitas, além de 17 bolsões d'água em decorrência do temporal. Até o momento do fechamento da matéria, a Prefeitura do Rio de Janeiro acionou 600 trabalhadores, entre agentes de trânsito, garis e pessoas cortando árvores.
Título e Texto: iG São Paulo, 7-2-2019, 8h38



Um comentário:

  1. Duas semanas já se forma sobre Brumadinho.
    As grandes cidades são barragens de asfalto e pedras.
    Moro numa rua onde mais de 80% dos moradores fecharam suas redes pluviais.
    Os esgotos não são tratados e 99% do povo joga lixo nas ruas e nas galerias.
    São BARRAGENS HUMANAS que a qualquer chuva, chuvinha e temporais alagam as cidades.
    As desculpas são sempre os milímetros pluviométricos.
    São Paulo tem toneladas de lixo nas Barragens fluviais.
    Enquanto não tivermos nós a consciência, não podemos julgar nenhum político.
    fui

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-