sexta-feira, 26 de julho de 2019

[Aparecido rasga o verbo] Fui não indo

Aparecido Raimundo de Souza

MEU LADO BOM queria ir. Meu LADO MAU não. Meu coração batia descompassado sinalizando: “vai, vai, vai, não perca essa oportunidade. Lute, esbraveje. Não se entregue. Pode ser a sua única chance de ser feliz”.  Meu Lado Mal, como que parafusado ao chão, não saia do lugar, me detinha e me aprisionava. Havia uma guerra dentro de mim onde pelejavam dois exércitos distintos. Um comandado pelo Meu Lado Bom tentava me dar forças, me ver alegre e para cima, me fazer sentir inteiro e sem me privar da vontade de viver.

O outro, frenteado pelo meu Lado Mau, objetivava a minha decadência, a minha derrota, o meu fracasso. Por isso me agaturrava. O ar que eu respirava incomodava os soldados dessa tropa. Por essa razão, ele fazia de tudo para que eu não continuasse respirando. Tampouco enxergasse a tenuidade da luz no final do túnel. Meu Lado Bom queria ir, desatar as amarras, soltar as correntes que me engalfinhavam os passos, que me jungiam ao desespero. O Lado Mal, intransigente e voraz, dava o contra.

Terminantemente se propunha a não me deixar desvencilhar do cativeiro que me servia de clausura. Colado a esse percalço, alguma coisa mais forte que eu desconhecia completamente me preava, me continha os ímpetos, me domesticava, impedindo que eu alcançasse o futuro. E ele, o futuro portentoso, por sinal, estava logo ali à minha frente. Passos apenas. Nossa mente é como um computador de última geração. Às vezes, dá um tilte. Piripaqueia se indispondo com algum componente que deixou de funcionar por razões desconhecidas. Do nada o equipamento entra em parafuso, apesar de toda essa modernização que os especialistas chamam de tecnologia de ponta.

Comigo aconteceu assim. Meu Lado Bom apesar de se arrostar, derreou acabado e vencido. Meu Lado Mal regurgitou de alegria. Deu pulos e saltos. Cambalhoteou diante das anormalidades que me martirizavam. De repente, tomei um choque. Acordei para a realidade. Resolvi me divorciar de todas as aberrações e monstruosidades que me apoquentavam a alma profanada. Meu coração, quase afônico, dava forças, não desistia da empreitada: “vai, vai, vai, não perca essa oportunidade. Lute, esbraveje. Não se entregue. Pode ser a sua única chance de ser feliz”.

Ensandecido pelo baque, arregalei os olhos. Criei uma espécie de coragem atlética de ocasião derradeira. Nessa energia de espírito positivamente “duzentosevinteada” e afoita, eu, arrojado, senhor de mim, rei da cocada preta, não pensei duas vezes. Meti os pés. Fui. Viajei sem sequer me preocupar com meus anseios mais prementes.  Evoluí. Trespassei meus medos, alanceei meus receios. Rompi, de cabo a rabo, “meu todo não querer”. Atropelei meu Lado Mal com força e coragem. Pervaguei com ânimo e esperança e segui desvairado como barco navegando por águas novas de um mar desconhecido.

Pior fiz. Parti para o tête-à-tête como um trator de rolo compressor à sanha de Sansão destruindo os obstáculos como barricadas de filisteus postas à minha frente. Apesar de me sentir poderoso e invencível como o lendário nazireu, igualmente indomável e indestrutível como o temido “caveirão da polícia civil” usado nas favelas do Rio de Janeiro, todos os esforços redundaram malogrados e improfícuos. Descobri final de tudo, ter agido como um estouvado leviano, apesar de me esforçado tentado e pelejado com unhas e dentes, mandíbulas e queixadas.

De verde e amarelo me ferrei. Resultaram inúteis meus trocentos “predicados hostilizadores”. Quando voltei a me “embigodear” com os nus e os crus que se projetaram logo em seguida diante de meu espanto, dei conta de que, apesar do choque, realmente eu fui. Fui, porém não indo. Como assim, não indo?! Simples! Alguém cortou a minha corrente elétrica diretamente na caixa de barramento. O choque veio abrupto e se “pirulitou” repentinamente como entrou em cena. Em verdade, o que pretendo dizer ainda que em sentido figuradamente metafórico, está muito transparente.

Fui ficando. E ficando, logicamente não fui. Diante disso, de novo a desolação frustrante de voltar cabisbaixado ao ridículo indigesto da estaca zero. Fundo do poço. Rua sem saída. Nesse soco violento em meio à fuça, restituí minha sede de contender ao ostracismo. Igualmente ao recuo dos meus objetivos, me alienei me sujeitei fraquejado ao degredo dos meus próprios sonhos. À ataraxia me inerciei de não rinhar, de não tentar de novo, e de novo e de novo... E uma vez mais. De não me encrespar afincadamente nos objetivos a que me propunha.

Nesse roldão da plenitude a meu favor, modorrei. Enfim, desanimei e me couracei da felicidade etérea. A partir dai definitivamente adveio o FIM. Com certeza, engraçadinhos de plantão farão piadas sem graça, do tipo essa, como exemplo: “quem mandou não pagar a conta no vencimento?”. Em conclusão, brincadeiras à parte, a lição que pretendo deixar de tudo o que aqui foi dito é a seguinte: jamais permita que o seu Lado Mal predomine, sobressaia e esmague o seu Lado Bom.

Mova todas as tentativas de transtornos, aborrecimentos, discórdias e angústias de seu caminho. Alimente dentro de você a visão constante e apropriada, indefectível e ininterrupta daquela luz-chama divina que não se apaga por nada desse mundo. Fique atento: não durma no ponto. Vigie, espreite, policie, bisbilhote e pastoreie. A vida é muito curta, atarefada, ligeira e resumida. Demasiadamente breve e azafamada. Impulsiva e passageira, sobretudo passageira para que o escudo da desventura faça parte assídua do seu dia a dia. 
Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, do Rio de Janeiro. 26-7-2019

Colunas anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-