terça-feira, 3 de setembro de 2019

[Para que servem as borboletas?] Suspensão de juízo... Resvalando para a mística...

Valdemar Habitzreuter

O que entendemos por juízo? Grosso modo, significa julgar, avaliar, opinar sobre algo... Nossa lide com o mundo nos impõe que tenhamos juízos sobre fatos e coisas para viabilizar nossa vida prática.

É natural que façamos juízos da realidade a nossa volta. Mas, nem sempre nossos julgamentos são definições corretas das coisas. Incorremos em erro porque, as mais das vezes, julgamos segundo nossos interesses e não vislumbramos a essência do fenômeno que se nos apresenta.

Daí a proposta husserliana (Husserl) de suspender o juízo do mundo real, de tudo que nos cerca como realidade. Não que duvidemos da existência das coisas, mas que façamos de conta como se não houvesse o mundo concreto; não emitir, portanto, juízo ou julgamento sobre o que nos cerca – suspensão de juízo.

Então, o que acontece com essa atitude? Chegamos a um ponto em que algo se apresenta incontestável: nossa consciência, nosso eu irrefutável do qual não podemos duvidar. Sabemos que o mundo concreto existe, mas dele podemos duvidar como se fosse uma ilusão, mas não há como duvidar do meu eu, pois o vivo e não o observo como se fosse uma exterioridade da qual poderia duvidar.

Assim, descubro uma realidade essencial em mim da qual não posso fugir ou duvidar: minha consciência, meu eu. E as coisas fora de mim são fenômenos (do grego phainestai = aparecer) que aparecem para mim ou se apresentam a minha consciência. Nossa consciência é sempre consciência de algo. 

Com a suspensão do juízo, todo fenômeno que aparecer na consciência é considerado desinteressadamente para que sua essência se revele, o que realmente é em si e não o que faz sentido para nossa vida prática. É ter, portanto, um conhecimento da coisa em si. Exemplo: da minha janela eu vejo um coqueiro. Mais adiante, uma jabuticabeira. São coisas que se apresentam a minha consciência como fenômenos. Qual a essência desses dois fenômenos diferentes? São árvores - essa é sua essência: ser árvore, ter a “arvoridade” ou, latinizando, a “arboridade” como pano de fundo, como substância fundante, sua essência.... Vejo que são belas e que podem me fornecer frutos, mas isso é secundário, acidental; o primordial é saber o que são árvores que, por sinal dão frutos e são belas...   É claro, na vida prática o que me interessa são os frutos que posso comer ou mesmo contemplar sua beleza, mas não dá para comer a “arboridade”....

O filósofo Husserl chamou isso de método fenomenológico que procura descobrir as essências das coisas ou, como dizia, “voltar às coisas mesmas” e vivenciá-las como são em sua essência, à parte de juízos ou julgamentos convenientes que possamos delas fazer. É fazer uma redução eidética (de ideia), isto é, chegar à ideia primordial da coisa. Reduzir a coisa até chegar ao seu cerne, à ideia fundamental que permanece absoluta sem mudança. O coqueiro e a jabuticabeira podem apresentar mudanças ao longo do tempo em suas aparências externas, mas sua essência, a ideia “arboridade” é perene, sem mudança.

O mais interessante é refletir sobre nosso eu, fazermos a redução eidética de nós mesmos, do nosso eu. Adentramos aí, a meu ver, no campo do misticismo. Creio (sem certeza se interpreto genuinamente Husserl neste ponto), creio que Husserl foi um místico, como outros filósofos que adotaram a fenomenologia como método filosófico, como Heidegger também com sua investigação sobre o ser (é o meu feeling, posso estar enganado) ...

Experienciar-se como ser é adentrar num mundo novo, desvincular-se da matéria e estabelecer-se no ser. Resvala-se, então para mística. Mística é uma experiência direta sem a intermediação dos sentidos; é viabilizada pela intuição que é experiência do espírito, tão concreta quanto a experiência sensível. Investigar o que é o eu é descobrir nossa essência que é ser. Temos a consciência de ser e quanto mais rédeas dermos em profundidade a essa consciência do eu ser ser, mais ela se enche do Ser que é o Absoluto. Esta é uma experiência mística que poucos conseguem; é uma experiência inefável, indescritível. Só aquele que a experiencia sabe o que é...

Bom, caro leitor, tente ser um místico e mergulharás no Oceano do Ser Absoluto... Como diz outro filósofo de viés místico, Bergson: “NO ABSOLUTO AGIMOS E NOS MOVEMOS”
Título e Texto: Valdemar Habitzreuter, 3-9-2019

Colunas anteriores:

Um comentário:

  1. Infelizmente os filósofos antigos carecem de conhecimento sobre a consciência. Sei que haverão réplicas e tréplicas sobre isso.
    A consciência é o resultado das informações recebidas pelos nossos 5 sentidos.
    Os filósofos antigos e alguns modernos desconhecem essa concepção biológica.
    Existem pessoas que nunca possuíram a visão, a audição, o olfato e até mesmo o tato, ou a mobilidade.
    Sentidos que formam a consciência, sendo que a mobilidade transforma caráteres.
    As imagens, os sons, o odor e o sentido táctil são princípios fundamentais para ter-se consciência.
    São fundamentais para força magistral do intelecto.
    Como poder-se-ia analisar o antagonismo dos tempos sobre o intelecto?
    Defendo com unhas, dentes e alma o controle universal da natalidade, como forma de diminuir-se a pobreza e a poluição.
    Com os avanços tecnológicos haverão nos próximos anos um desemprego em massa no mundo.
    Haverá fome e lutas sociais.
    A formação do intelecto já está sendo reduzida.
    A maioria dos filósofos contemporâneos só falam de amor, de ajuda social e de sexo.
    Quanto mais falam aumenta ainda mais o número dos que necessitam ajuda sociais.
    Muitos falam dos Estados Unidos que possui 4575 presídios o Brasil 1456, com taxa de 197% de lotação. Mesmo que construíssemos 1 presídio por dia não conseguiríamos sermos social com nosso presos.
    Desculpa-me pela troca de assunto, mas inevitavelmente sem o controle natal seremos vitimas sociais nos próximos anos.
    Nenhuma filosofia me dará paz e sossego.
    EU VIVO PRISIONEIRO DE MUIM MESMO.
    bom dia...

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-