terça-feira, 20 de agosto de 2019

[Para que servem as borboletas?] A teologia da modernidade: “Sola Fides”...

Valdemar Habitzreuter

Na esteira da Reforma protestante, a fé em si basta para estreitar-nos e comunicar-nos com Deus. As boas obras são os frutos dessa fé. Teólogos modernos ensejam uma virada teológica mais liberal contrapondo-se à tradição cristã do culto a um Deus eminentemente transcendente. Estaria a Igreja do Papa Francisco sinalizando para esta nova tendência teológica?

O “sola fides” (só pela fé) é o que fundamentaria essa virada teológica. Os teólogos Karl Barth e Rudolf Bultmann, por exemplo, se colocam nessa linha... Outro teólogo, Dietrich Bonhoeffer, amplia ainda mais essa teologia, opondo-se ao sectarismo religioso donde se originam muitos conflitos. Neste sentido, a hegemonia da fé unificaria todas as religiões em uma só Igreja confidente.

Assim, nessa perspectiva, nasce uma nova teologia que está angariando adeptos e se afirmando na modernidade. Grosso modo, essa nova teologia dispensa as religiões. Portanto, a fé não necessariamente está atrelada a uma religião; isto é, a religião não é condição para a fé, ela está acima de qualquer religião.

Afirmam os novos teólogos que o homem moderno saiu da menoridade em que se encontrava, sentindo-se protegido e acompanhado pelo zelo doutrinário de autoridades que, supostamente, detinham verdades religiosas pela interpretação das Sagradas Escrituras. Não mais, afirmam; o homem moderno tornou-se adulto e é sua própria autoridade no que diz respeito à fé em Deus, e como relacionar-se com ele. Sua razão lhe diz que a fé não se pauta em transcendentalismo incompreensível e intangível, mas foca-se no centro do homem e do seu mundo.

É na existência que sua fé vê Deus no mundo com o qual se relaciona. Deus não opera do mundo transcendental, não se coloca no sobrenatural, ele pertence ao mundo natural onde acontece a existência humana.

Deus é considerado como vontade de viver imanente à vida neste mundo. Deus e mundo são inseparáveis, perfazem uma única realidade. Cristo representa essa realidade única. Realizar Cristo pela fé é unir a realidade de Deus e a do mundo. Significa realizar autenticamente nossa existência.

O natural da vida – a unidade Deus/mundo – não supõe que o homem deva praticar inconteste algum tipo de religião com vistas a vislumbrar um mundo sobrenatural, mas simplesmente ver-se às voltas com este mundo natural. O que deve incentivar o ser humano a levar uma existência autêntica é saber que Deus está metido neste burburinho da vida junto com ele e o convida a exercer o amor.

O amor é o fundamento existencial do homem. Jesus é considerado o protótipo de homem que realizou Deus neste mundo porque sua vida foi só amor – ser-para-o-outro. Jesus experimentou a existência humana despojando-se de sua divindade para conquistá-la como homem.  Daí poder-se dizer não Deus-Jesus, mas Jesus-Deus.

A tradição cristã ficou presa na idolatria de um Deus transcendente sem um vínculo imanente com o mundo. Por isso o enunciado de Nietzsche “Deus morreu” tem o sentido, para a teologia moderna, de abolir o transcendentalismo mitológico e adotar a postura teológica de trazer Deus para centro do homem e no seu mundo. Ver a desmitologização de Bultmann...

Portanto, Deus no mundo, atuando entre os homens é a nova perspectiva teológica. Deus e o homem são sócios na empresa EXISTÊNCIA. A vivência, o trabalho e o sofrimento são compartilhados entre Deus e o homem conjuntamente. Portanto, a história do homem se faz neste mundo com Deus ao seu lado. E é pela fé nesse Deus telúrico, alicerçada no amor, que nasce a esperança de um futuro de “Reinado de Paz” onde imperará a igualdade racial, a paz entre as nações e haverá pão para todos. Esta é a nova teologia apregoada por muitos teólogos modernos... Uma utopia?
Título e Texto: Valdemar Habitzreuter, 19-8-2019

Relacionado:

Colunas anteriores:

2 comentários:

  1. HABITZ excelente argumentação apenas será impossível.
    Justamente pela diferente interpretação de "Sola Fide" que há entre protestantes e católicos.
    "fé produz justificação e boas obras" protestante
    "fé e boas obras rendem justificação" católica
    "Ser declarado justo" ou "ser feito justo", é a justificação que os diferencia.
    Pensando como um cidadão que coloca como centro político um presidente ou um ditador, ambos honestos, coisa difícil, creio que declarar obras justas ou fazê-las justas são diferentes.
    O ladrão de 9 dedos declarou grandes obras justificadas, mas não as fez ou não as implantou. Outros fizeram obras não justificadas.
    Creio que é melhor olharmos sempre pelo lado justo do diário oficial dos governantes e dos religiosos.
    O justificável e feito é mais importante do que as palavras.
    fui...

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-