quinta-feira, 22 de agosto de 2019

Com a Greta no veleiro e o Haddad condenado, os jornalistas portugueses descobriram que a Amazônia arde

Helena Matos

Foi condenado por corrupção Fernando Haddad, o candidato apoiado quase oficialmente por Portugal nas presidenciais brasileiras. O assunto é por cá tratado discretissimamente até porque os jornais portugueses descobriram que a Amazônia arde. Demoraram anos a descobri-lo é certo, mas a verdade é que este ano chegaram a essa conclusão. Com mais algum tempo e uma mudança política na Bolívia até descobrirão coisas ainda mais chocantes como as que estão a acontecer na reserva Tipnis.

Encontro de Fernando Haddad com Antônio Costa, primeiro-ministro de Portugal, em Lisboa. Foto: Ricardo Stuckert, 23 de janeiro de 2019
Dado o estremecimento de alma que vai nas redações portuguesas com os incêndios na Amazônia imagine-se o que não seria se as autoridades brasileiras mandassem os automobilistas para uma estrada onde morreriam vários queimados ou se falhassem no seu socorro às populações. Quanto às afirmações sem provas de Bolsonaro sobre a origem criminosa dos incêndios realmente causam estranheza. É tão estranho quanto achar-se que os incêndios estão a ser ateados para prejudicar os resultados eleitorais do PS.

P.S.: Apenas para lembrar que a petição Pela suspensão do Despacho n.º 7247/2019!! está quase nas 20 mil assinaturas. Já se sabe que o despacho não muda nada, não vai implicar com nada e que só pessoas muito mal intencionadas afirmam o contrário, mas mesmo assim votemos pela sua suspensão.
Título e Texto: Helena Matos, Blasfémias, 21-8-2019


Um comentário:

  1. Já imaginaram a histeria se Pedro Passos Coelho, quando Primeiro-Ministro de Portugal, recebesse, OFICIALMENTE, Jair Bolsonaro, então candidato à presidência da República do Brasil?!

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-