sexta-feira, 27 de setembro de 2019

[Sem rodeios] Como vi o discurso do presidente Bolsonaro na ONU e a sequente interpretação da mídia brasileira?

Vanderlei dos Santos Rocha

O discurso de Bolsonaro na ONU foi patriótico, digno de uma grande estadista. Não há como discutir-se NACIONALISTA.

Como polêmica acho que o presidente não deveria ter feito atalhos cristãos.
Eu gostaria muito que ele tivesse comentado sobre a poluição das águas e que nossos oceanos concentram muito mais gás carbônico que a atmosfera.
Temos de rever as reservas indígenas e quilombolas.

Temos de tomar de volta qualquer pedaço de terra vendido às ONGs e nações estrangeiras.

Estive revendo cerca de vinte outros discursos desde 1989 na ONU dos representantes brasileiros. Foi o desastre total de apequenar-se entre os gigantes.

O Brasil assina todas resoluções da ONU, mas não cumpre nenhuma como a da OIT, ou da corte interamericana de justiça.

Um bando de "melacocos" das ditaduras e do excremento social do BRIC.

A frase de Bolsonaro sobre Israel ter o que tem sem os recursos que temos é interpretável aos ignorantes.

Gastamos na transposição do Rio São Francisco o equivalente a dez usinas de dessalinizadoras de grande porte, uma para cada estado nordestino.

Junto com Trump, fizemos discurso patrióticos.

Aliás, depois de 11-9-2001, enquanto o governo (norte-americano) dava vinte e cinco bilhões de dólares para as cinco grandes companhias de aviação americanas, nosso governo destruía a maior companhia brasileira.

Apesar de UPS e outras companhias o correio (USMAIL) americano funciona até os dias de hoje através de lei constitucional.

Apesar de nossa mídia dizer que um deputado americano ganha mais que um brasileiro, o salário básico de um congressista americano é 174 mil dólares ANUAIS E DESCONTAM IMPOSTO DE RENDA E SE APOSENTAM EM TORNO DE 1 700 DÓLARES POR MÊS.

BOLSONARO FEZ UMA RACHADURA brasileira desde o discurso de Oswaldo Aranha, então ministro das Relações Exteriores de Getúlio Vargas, que presidiu a primeira sessão especial da Assembleia em 1945.

Oswaldo Aranha era antiamericanista e Getúlio Vargas um antissemita.

Getúlio o impediu de disputar a presidência em 1945 tornando-o chanceler da ONU recém-criada.

Bolsonaro é o meu primeiro presidente eleito, o outro, Enéas Carneiro, morreu.

O ladrão de nove dedos, ainda hoje espero viver o suficiente para cuspir em seu túmulo.

BOLSONARO RELEMBROU.
Texto: Vanderlei dos Santos Rocha, 27-9-2019

Anterior:

4 comentários:

  1. O que quer dizer exatamente com “Bolsonaro é o meu primeiro presidente eleito”?
    Foi a segunda vez que votou para Presidente? A primeira vez terá sido em Enéas Cordeiro.

    Ou, foi a primeira vez que o seu voto para Presidente ‘coincidiu’ com a eleição desse Presidente?

    Por exemplo, eu votei em TODAS as eleições presidenciais desde o restabelecimento da democracia política. Calhou ter, às vezes, votado nos vencedores. De cabeça:
    Collor de Mello;
    Fernando Henrique Cardoso:
    Lula da Silva;
    Jair Bolsonaro.

    ResponderExcluir
  2. Sim, votei duas vezes Enéas e depois em Bolsonaro mais de 20 anos sem votar.

    ResponderExcluir
  3. Eu também gostei muito. Um discurso objetivo e assertivo!

    ResponderExcluir
  4. O discurso do presidente Jair Bolsonaro foi histórico. Pela primeira vez, um líder do mundo ocidental dá nome aos bois e, pior!, diz que vai combater esses bois!

    Não por acaso, Donald Trump (sabe? aquela aberração do universo? 'Ilegítimo presidente', segundo afirmação de Hillary há dois ou três dias) no seu discurso, após o de Jair Bolsonaro, conclamou: "O futuro pertence aos patriotas, não aos globalistas".
    Foi um dia histórico!

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-