quarta-feira, 24 de abril de 2013

Os "SWAPS" do nosso descontentamento


Alberto de Freitas
Nem vou falar deles, sobre o que são ou deixam de ser. Quemse pretender informar, pois que consulte a parafernália de artigos opinativos e comentários das redes sociais recheados de “prós e contras”. O problema, o mesmo de sempre, é a decisão “empresarial” com riscos socializados: privilégio de ente público.
São os custos das “nossas empresas”. Aquelas que o distúrbio esquerdopata-patrioteiro tanto adora. Tanto, que a vontadinha é que todas sejam. Esquecendo-se que, pior que “capitalismo selvagem” é “socialismo civilizado”. Quando os decisores não assumem riscos – excepto nos casos de ilegalidade – o “valor” da decisão é descurado. Desde que conforme a lei, pois que se faça.
Resulta: prova que a gestão do ente público obtém resultados iguais ou, quiçá superiores à da iniciativa privada. Premeia-se o gestor e o poder político embandeira em arco
Não resulta: prova a iniquidade de terceiros que abusando da boa-fé do Estado, “convenceram” gestores públicos, omitindo riscos inerentes. O prejuízo será (sempre) de pouca monta, pois distribuído por todos, nem se nota. O gestor, no máximo, é transferido. Em casos extremos regressa ao Parlamento, para legislar e restringir a iniciativa privada de modo que a mesma, na sua obsessão pelo lucro, não prejudique o povo.
Relativamente à demissão de Secretários de Estado, aconteceu o que devia ser norma acontecer: indiferentemente à responsabilidade individual, se o governo determina um inquérito sobre decisões passadas, não podem manter-se como seus membros quem tomou parte em tais decisões.
Título e Texto: Alberto de Freitas, 24-04-2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-