quinta-feira, 19 de novembro de 2015

A propósito do terrorismo muçulmano...

Valdemar Habitzreuter
A Europa sempre se julgou o berço da civilização, racialmente superior a outras civilizações e a detentora do poder sobre outros povos, etnicamente diferentes. As nações europeias, desde suas formações, eram nações beligerantes, guerreavam entre si por defesa ou expansão de seus territórios. Não mediam esforços para dizimar seus inimigos se assim necessário fosse.

As aventuras marítimas do século XV visavam conquistar novas terras, explorar suas riquezas e subjugar os nativos que eram considerados seres inferiores. A Europa realmente florescia em progresso e riqueza nos tempos das colonizações. O exemplo disso, temos a América que foi descoberta pelos europeus e nela se fixaram para espoliá-la e introduzir sua cultura a fogo e ferro. E isto também aconteceu em partes da África.

Estas novas terras tornaram-se independentes e absorveram a cultura europeia. Assim, temos hoje os países pujantes da América do Norte, os países da América do Sul e os países da América Central, em todos eles prevalecendo a cultura europeia. Os nativos, se não foram dizimados por completo, foram, muitas vezes, feitos escravos e obrigados a aceitar a cultura dos dominadores.

O cristianismo era imposto a essa gente e suas crenças religiosas eram intolerantemente combatidas.

Muitos massacres eram perpetrados em nome do Deus cristão. Portanto, as Américas são uma extensão cultural europeia.

Hoje em dia, a grande nação, os Estados Unidos, mancomunada com a comunidade europeia, procede ainda da mesma maneira mundo afora, querendo impor seu poder hegemônico perante outras nações mais fracas para espoliá-las de suas riquezas, haja vista o interesse pelo petróleo do oriente médio.

Os países ricos do ocidente, há muito tempo, exploram os países do Oriente Médio, inflingindo-lhes humilhações por serem mais fracos militarmente e desprezando suas culturas próprias. Intrometem-se nesses países e promovem guerras e mais guerras em nome da paz mundial, mas no fundo, os Estados Unidos e países da Europa, querem exercer um poder além de suas fronteiras e locupletar-se dos bens daqueles países.

Mas o leão muçulmano acordou e está rugindo bem alto. Não mais de explorações e humilhações. Alá é o estandarte da insurgência e Maomé o general de um exército invisível cultivando ódio ao Ocidente. Por conta disso, o islamismo é a religião que mais cresce no mundo, infiltrando-se sorrateiramente no Ocidente. Outrora era o cristianismo que se impunha como força ideológica para dominar o mundo. Hoje é o islamismo que se dissemina mundo afora.

Num futuro talvez não muito distante, a cultura muçulmana será dominante na Europa e abafará a megalomania ocidental e, assim, o troco da espoliação de séculos seguidos teria sido dado.

Esse exército invisível nem sempre age de maneira pacífica e já deu sinal de sua movimentação na base da violência para mostrar seu poder de fogo: ataque às torres gêmeas, matança de inocentes na Inglaterra, Espanha e outros países, e recentemente na França. Não se trata propriamente de uma guerra religiosa, trata-se de uma guerra de retaliação como forma de sobrevivência de uma cultura étnica que não quer mais estar sob o jugo e exploração do Ocidente cristão. E sua arma poderosa é o terrorismo. Allahu Akbar. 
Título e Texto: Valdemar Habitzreuter, 19-11-2015

2 comentários:

  1. Se bem entendi, a culpa e responsabilidade de existirem assassinos como os que mataram cento e trinta pessoas e feriram umas trezentas, em Paris, é da Europa, porque ela “se acha” e pelo que fez há seiscentos anos…

    Portanto, contextualizando, deve a Europa “pagar” nos próximos seiscentos anos pelo que andou fazendo há seiscentos anos… e, curiosamente, os “vingadores”, para deixarem claro que “não se trata propriamente de uma guerra religiosa”, exclamam e/ou gritam: “Allah é grande!”. E eu achando que Allah fosse o deus dessa religião.

    ResponderExcluir
  2. A rigor, é difícil para nós ocidentais aceitar a violência adotada por grupos islâmicos como o EI porque ignoramos que no passado, e quando a ocasião ainda se apresenta hoje em dia, praticamos a mesma violência que agora é praticado contra nós. Não quero com isso defender o terrorismo islâmico que deve ser combatido com determinação, mas a raiz do problema não é religioso, embora se alude a Alá, mas, ao meu ver, relativo às constantes ingerencias do passado e ainda hoje do ocidente nas organizaçoes de governo desses povos, unicamente para tirar proveito próprio. Sei que é difícil ver isso sob estsa ótica porque nos julgamos superiores, com direito a dar lições aos povos de culturas diferentes... É o que penso, a violência está dos dois lados. Nem Alá, nem o Deus cristão resolverão o impasse e sim uma política correta de homens corretos, irmanando o Ocidente com o Oriente Médio em respeito mútuo e cooperação...
    Valdemar

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-