sábado, 4 de fevereiro de 2017

Bem-vindos, refugiados da América

Alberto Gonçalves

Temos gastronomia, hospitalidade, rotundas e paisagem. E temos, sobretudo, a garantia de que em Portugal nunca caberá um populista do calibre do sr. Trump: os populistas caseiros já ocuparam tudo.


A acreditar na quantidade de americanos que prometeu deixar o país se o extraordinário sr. Trump chegasse à Casa Branca, seria de esperar que os EUA fossem hoje um imenso deserto. Não é o caso. Claro que demasiadas pessoas correram para os aeroportos nas últimas semanas. Mas foi apenas para protestar às restrições à imigração, prova da maldade intrínseca do novo presidente e, em boa parte, herança do anterior. Num ápice, a rapaziada regressou à vidinha habitual: berrar na rua, destruir propriedade alheia, berrar na rua, impedir homossexuais inoportunos de falar em Berkeley, berrar na rua. Mesmo a atriz Meryl Streep, que segundo a própria integra uma das classes mais discriminadas do país (os presunçosos?), continua, ao que tudo indica, a habitar a sua mansão de Los Angeles, curiosamente rodeada por muros de betão.

De facto, o número de cidadãos de partida para o exílio é tão baixo que o Washington Post se viu e desejou para descobrir um único exemplo. Após buscas aturadas, e confessamente difíceis, lá encontraram o casal Yeager, ela reformada e ele um escritor que ganha dinheiro a criticar o “consumismo”. Os Yeagers colocaram a casa à venda para fugir à “devastação eleitoral” (cito) e passar os próximos 4 ou 8 anos no estrangeiro. Onde? As hipóteses são múltiplas: Panamá, Costa Rica, Nova Zelândia, Malásia, Vietnam, Tailândia, Croácia, Polónia, Espanha ou, talvez, Portugal.

Repararam na honra?

Entretanto, o Huffington Post meteu-se no assunto. Entre parêntesis, noto que o Huffington Post é um site “informativo”, do género de informação que, quando o dono da Starbucks anuncia a contratação de dez mil refugiados e as ações da empresa se despenham a pique, faz uma notícia intitulada: “Apoiantes de Trump: tentativa de boicote à Starbucks falha com estrondo”. Fora de parêntesis, este baluarte do grande jornalismo aproveitou a história dos Yeagers, retirou-lhe tipicamente a graça e apresentou-a como modelo a seguir. A fim de ajudar ao êxodo dos EUA, sugeriu (os desorientados agradecem sugestões) onze destinos ideais. Nesses paradisíacos destinos, há ditaduras ou democracias questionáveis, regimes alérgicos aos famosos direitos humanos, albergues exóticos, cenários de homicídios, entrepostos do terrorismo islâmico, a “neoliberal” Irlanda, outra vez a remota Nova Zelândia. E outra vez Portugal.

Convém esclarecer os candidatos que, ao primeiro impacto, não distinguirão Portugal da América. Também os nossos “media” estão repletos de criaturas empenhadíssimas em convencer os simples, a bem ou a mal, de que o sr. Trump é a reencarnação de Hitler ou o Belzebu alaranjado (a teoria divide-se). As semelhanças, porém, terminam aqui. Ou na virtual “megafábrica” da Tesla que se converteu num “stand” de automóveis a sério. Sob essa superfície, somos uma sucessão de encantos.

Temos futebol, ou melhor, conversas acerca de árbitros, dirigentes e autocarros. Temos televisões a avisar que não nos devemos aproximar do mar revolto exceto para filmar o mar revolto e enviar-lhes o vídeo. Temos um ex-primeiro-ministro, vários ex-banqueiros e muitas futuras ex-personalidades envolvidas num folclórico rol de trapaças, nas quais metade da imprensa nem toca. Temos deputados que acreditam em Marx e em elfos que querem “debater” e legalizar a eutanásia – de terceiros. Temos uma dívida pública que cresce com galhardia e não incomoda vivalma. Temos um governo legitimado pelo apoio de partidos leninistas que juram não apoiar o governo. Temos um presidente optimista e afetuoso até para com o “rating” de “lixo”. Temos hora marcada com uma bancarrota que a ninguém aflige. Temos calor (?), gastronomia, hospitalidade, rotundas e paisagem. E temos, sobretudo, a garantia de que em Portugal nunca caberá um populista do calibre do sr. Trump (que o parlamento formalmente condena): os populistas caseiros já ocuparam tudo. Os refugiados dos EUA podem vir à vontade.
Ambos.

Notas de rodapé:
Em duas ocasiões recentes, o eng. Guterres referiu-se às origens judaicas do Monte do Templo, em Jerusalém. Indignada, a Autoridade Palestiniana invocou uma resolução da UNESCO e exigiu um pedido de desculpas. Quem tem razão? Ambos. O atual Muro das Lamentações é evidentemente o que sobra do Segundo Templo, ou ao que consta uma parede contígua. Por outro lado, há meses que o braço da ONU para a Educação, a Ciência e a Cultura (a designação é irónica) passou a referir-se ao Monte do Templo exclusivamente pelos seus nomes árabes, de modo a enterrar a desagradável conexão hebraica e a legitimar as pretensões da Fatah e similares.

Perante isto, resta ao eng. Guterres uma de duas saídas. Ou manda os palestinianos à fava, por respeito à História e – eis um termo em desuso – à verdade. Ou ata uma corda ao pescoço e parte de joelhos ao encontro do sr. Abbas, por respeito à utilíssima instituição a que preside e a que o pérfido sr. Trump, para consternação universal, ameaça cortar subsídios. Até ver, o eng. Guterres apenas lamentou (longe do Muro) as políticas do último, e não abriu a boca sobre o primeiro. É assim que se vai longe.
Título e Texto: Alberto Gonçalves, Observador, 4-2-2017

Relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-