segunda-feira, 21 de agosto de 2017

[Versos de través] Eu, atracada ao miolo da espinha

Carina Bratt

Estilhaços

O espelho partido
Onde arremessei meus pedaços
É nosso quadro pintado
Do que um dia foi o amor
Sem ter mais seus abraços
A fúria do sexo e dos laços
Não existe mais.

Tantos defeitos, tanto desfeito...
É a herança que guardo de você e de mim
Na imagem quebrada,
Vejo minha alma estilhaçada
Não vejo mais você, na cama, despudorado.
Mas – impotente,
Sei que só pode ser assim.

***

Febre terçã

Onde estava seu coração
Quando me deixou,
Sozinha, aqui?
Já, talvez, preso a outro coração.
Porém, malgrado toda a dor
Eu, ainda assim, sobrevivi.

Louca, furiosa,
Lançando injúrias a você,
Buscando razões
Que não existem
Não eterniza sequer,
Um porquê.

Tosca,
Essa minha dor latente
Maldita essa esperança vã
Meu sofrimento e minha tesão
Me consomem
Nessa febre terçã.

Título e Texto: Carina Bratt, secretária e assessora de imprensa do jornalista e escritor Aparecido Raimundo de Souza. De Vila Velha, Espírito Santo, 19-8-2017 

Anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-