quarta-feira, 28 de março de 2018

[Aparecido rasga o verbo] Alea jacta est

Aparecido Raimundo de Souza

O QUE SE ESPERAVA, indubitavelmente veio à baila. O STF (sigla que se define por Saiu Tranquilo e Feliz), engessado à pressão que sofreu e continua a padecer dos imortais, “leões alvijubados”, livrou o senhor Luiz Fula Inácio da Gula Silva, de ser engaiolado. Tantas manobras foram feitas, tantos recursos interpostos como germinais atrozes, onde ministros latiram, uivaram, ganiram, ladraram, mugiram entre si, se mimosearam, saíram (para ingleses e outras raças verem) nos tapas e beijos, línguas e dentes. Tudo debalde!

De antemão, como tragédia previamente anunciada, o “Salvo Conduto” ganhou vida plena. O STF da latrina Brasília, proibiu que o Tribunal Regional Federal da 4ª Região, com sede em Porto Alegre, autorizasse meter, de imediato, Lula na cadeia. Esse tribunalzinho só poderá “apreciar com muito carinho e dedicação”, o recursinho mimoso da defesa do pobrezinho do Lulinha, mas, kikikikikiki, não poderá mandá-lo para o xilindró ou aplicar à sua “onesta” pessoa, outra medida restritiva.

Continuamente, antes de tal fato se tornar real, nos perguntávamos: por que essas celeumas todas, essas enganações cheirando a falcatruas, nesse circo magistralmente armado no Planalto Central, onde artistas treinados em malabarismos os mais intrincados (e pagos com os suores de nossos rostos), nos engambelavam, ou pensavam que nos davam uma pernada se, no final do espetáculo, sabíamos perfeitamente o que aconteceria? 

Caros leitores, entendam. Coloquem na cabeça uma coisa simples. Neste brasilzinho de bosta os poderosos fazem mutretas tão previsíveis, como um pau entrando numa boceta e gozando. Não há nada de novo nesse ato, ainda que o membro seja avantajado. Ou que a puta que o esteja recebendo em meio às entranhas rebole cante, dance ou peide. Não importa o modus operandi dessa galera do STF. O resultado, fim da linha chega a dar nó nas tripas. 

Agora, caso passado, vemos que tudo se encaixou ejaculadamente igual, sem tirar nem pôr. O que estamos sinalizando com esse exemplo tipicamente esdrúxulo (e nos perdoem os leitores pela afronta), é isso: não houve nenhum fato novo digno de maiores considerações no caso dos dezenove dedos de São Bernardo do Campo e a sua magia no barco STF e seus ministrinhos com caras quixotescas lutando contra loucos e varridos moinhos de ventos.

A rigor dos acontecimentos que pululam, não entendemos como o povo em sua maioria ainda perde tempo acreditando na justiça. Justiça não existe, a não ser para os RICOS E PODEROSOS. Lula é um desses milionários. Estamos cansados de bater nessa tecla. Justiça para pobres só daqui a cem mil anos. Ao contrário, a serpente dos trocentos venenos previamente incubados, está pronta para dar o bote e, se duvidar, além do bote lanchas veleiros e navios. A serpente caga um quilo certo. Afinal de contas, é e sempre foi capacho dos abastados. Sobrevive grudada nos colhões deles, como parasitas nos rabos dos elefantes.

Esse blá-blá-blá todo aponta apenas para um desfecho trágico. Se um humilde furta um pão, coitado vai se foder para o resto da vida no xilindró. Um ex-presidente (no caso do Lula da Silva), se cometer igual delito, com certeza mandará o pão para a barriga, lamberá os beiços e dará uma banana enorme para o dono da padaria. 

É assim dessa forma cômica e burlesca que as coisas funcionam desde a invenção do direito que por aqui nasceu e se criou torto e desajeitado. É como a justiça mostra a sua fragilidade. Com fuça de vagabunda e porca. Na mesma pancada, os donos do Supremo, um bando de pelágicos conspira em desfavor da raia miúda. De outra, vadios e vagabundos se vendem por polpudos depósitos em suas contas poupanças. Justiça neste país de larápios, de mafiosos, de contraventores, se traduz por QUEM DÁ MAIS. NESSA ALTURA DO JOGO DESIGUAL QUE AI VEMOS INSISTIMOS NA INDAGAÇÃO: QUEM DARÁ MAIS??!! Respondam os senhores que não fazem parte dessa panelinha.

Vivemos dias de eternas feiras livres. O que isso significa? Significa que chorará menos aquele que tiver melhores condições de suportar, a contento, os favores e as honrarias da ilustre Dama da Balança das Leis. O “quantum” a ser dado a ela, é que delimitará ou que norteará o pêndulo que moverá os vasilhames. Quanto mais propina, menos fragor sofrerá aquele inutilbelo diante da farsa da sua agonia. Ainda que essa agonia seja robustamente farta aos nossos inocentes olhos que só vêm o que Eles querem.

O Brasil desde muito, está emperrado em denso véu de trevas, obstruído, petrificado, maquinado de horror. A justiça continua cega, lembrando, sem enxergar, os humildes. A justiça vê os súplices e modestos como se olhasse diretamente para um monte de vermes em estado geriátrico de putrefação terminal.

Entretanto, a venda dos olhos dessa rameira cria asas, voa para longe, quando o réu pesa no balouço, ou carrega munição na agulha, e as burras recheadas. Sem mencionar o nome, o prestígio, a fama e o mais importante: a calhorda inteira do Supremo rabeia presa a ele, e com ele. Ele quem?! Ah, o nosso ex-presidente! O mais novo Jesus Cristo ressuscitado dos quintos do capeta. Esse Homem opera milagres num país onde esses “fenômenos” são conhecidos por tramoias, burlas, engodos, logros, sutilezas e sagacidades, entre outros...

Querem um exemplo simples? Daremos. Dentro de poucos dias, ou mais precisamente dia 4 de abril, será trazido novamente à pauta, o recurso de defesa contra a condenação dos 12 anos e 1 mês do assobrerjético e camalioso Lula.  Se um dos ministrinhos votarem em desfavor dele, podem magoar ou melindrar os brios do deus poderoso. Em vista disso, temos o outro lado da “moerda”. Esses senhores da capa preta, ou os abacaxis togados, arriscam perder o carguinho. Qual a melhor estratégia?  Cada um dos “corvos” alcunhados de “julgadores de asas pretas”, meter o rabinho entre as pernas e ficar bonito na foto, claro, ao lado da criatura. Sempre.

Bem com ele, as boas com o parlamento. Vamos que amanhã, por azar, ou sorte, sabe-se lá, o desgraçado vença as eleições de 7 de outubro? Qual velho babão da corte inoperante, ou do “colegiado pernicioso” quererá encompridar o resto de seus dias em casa, coçando o saco, com o terço nas mãos, tipo alma penada em busca de reza? 

Interessante, nessa história toda, agora vista por outro ângulo, Lula se declara, todo momento macho até debaixo das águas do Lago Paranoá. Ostenta essa afoiteza com unhas e dentes em sua caravana país afora. Nessa audácia teatral furada, cutuca o juiz federal Sergio Moro de maneira assuntosa.

Fala pelos cotovelos que a suprema corte está “totalmente acovardada”, que o “parlamento está confusamente intimidado”, que “está com medo da justiça de Curitiba”, porém se contradiz quando mete os quatro dedos no bolso para pagar seus advogados em vista da iminência de ser tirado de circulação. Não deveria. Não é o tal? Não se considera um perseguido depois que deixou as frondes do suntuoso Alvorada? Tudo armação, senhoras e senhores. Tudo ARMAÇÃO.

Engraçado, percebam que o vigarista nunca olha para o próprio rabo. Fala dos outros, aponta o dedo em riste para todos os lados, porém, a sua imagem de santo do pau oco necessita permanecer imaculada e intocável. A sua figura pública, pior. Não pode ser manchada ou denegrida. A nosso entendimento, não deveria o senhor Lula estar com medo de SER PRESO.

Aliás, só acreditam nessa balela da prisão de Lula os boçais os sem noção, os tapados, os babacas, os otários e manés. Infelizmente temos uma lista (pior que a do alemão Oskar) de jumentos e cavalos, caramutanjes e asnos estúpidos, que juram por tudo quanto é sagrado que Lula verá o sol nascer quadrado. Esses jegues destrambelhados, por mais que procurem, não conseguirão descortinar um palmo adiante de seus anasalados fungadores catarrentos.

A Corte, por sua vez, deu o talho na suposta possível prisão. Usaram uma faca boa de sangria e mandaram o medo receoso de Lula para os quintos do inferno de Dante. O petista pode dormir o sono dos justos, sonhar com seu tríplex em Guarujá ou com seu sítio em Atibaia. Sem falar na caravanazinha. Nenhuma autoridade constituída terá peito e coragem para jogar seus costados numa cela imunda. Nenhum deles é homem suficiente. Acreditamos, ainda esteja para nascer alguém de peito e coragem suficientes.

Oxalá, ainda que os doutores da lei mandem preparar uma acolhida de primeiro mundo no papado do complexo vaticano da Papuda. O que pode acontecer é o povo (no meio dessa turba desesperada ainda existe gente de brio e vergonha e que não aceita mais essa putaria, a começar pela Corte subornada), se juntar e apedrejar o pilantra quando cruza alguma cidade, como aconteceu recentemente em São Miguel do Oeste, em Santa Catarina.

Um dos três ônibus que faz parte do comboio do Ex-dezenove dedos, ser recebido a pedradas e ovos. Coitado dos ovos e das pedras! O que fizeram para merecer acabar assim? Cadê a turma de valentes que hostiliza o generalzinho de pijama Braga Neto dos morros do Rio de Janeiro e faz a policia inteira dar meia volta e se DESACOROÇOAR?

Afora esses contratempos de meia pataca, está em vigor o seu passaporte para, em outras palavras, salvaguardar até o dia 4 de abril seus direitos de ir e vir para onde quiser com quem melhor lhe aprouver. Depois do dia 4, kikikikikikikiki só o Arquiteto Maior saberá alinhar para nós, simples mortais, quais os artifícios e embuços, armadilhas e lambanças o famoso direito torto e seus doutores distorcidos, nos fará engolir garganta abaixo. Como uma colmeia de cordeirinhos mansos e pacíficos e uma resma de ovelhinhas obedientes e atemorizadas somente nos resta caros amados, caras amadas E-S-P-E-R-A-R.         
Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, de São Bernardo do Campo, São Paulo. 27-3-2018

Colunas anteriores:

Um comentário:

  1. https://pensabrasil.com/jornalista-dentro-no-onibus-entrega-pt-foi-tudo-armacao-os-tiros/

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-