sexta-feira, 16 de março de 2018

[Aparecido rasga o verbo] Vegetação de restingue

Aparecido Raimundo de Souza

OBSERVEM, CAROS LEITORES, que coisa interessante! Mataram a vereadora Marielle Franco, 38 anos, filiada ao PSOL, e o motorista dela, Anderson Pedro Gomes, de 39, na Rua Joaquim Palhares, no bairro do Estácio, região central do Rio de Janeiro e ninguém se manteve calado. Todo o mundo falou, esbravejou, botou lenha na fogueira. Todo o mundo discursou bonito. A farra das retóricas não deixou a desejar.

A galera, em peso, levantou a voz. Políticos, OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e pasmem!, até o ilustre presidente Michel Jackson Temer saiu do seu casulo encantado e mostrou a fuça. Perdão, a cara. “Esse crime da vereadora – disse ele enfaticamente – é um atentado de extrema covardia não só a ela, mas notadamente, e, principalmente, à democracia”. Antes dele, o ministro do novo cabide de empregos recém-inaugurado, o tal do Ministério da Segurança Pública, na pessoa do garboso Raul Gazola Julgmann também se fez presente como um elefante dentro de um buzuzão lotado.

Grande bosta, esse ministério! Ora, bolas, se as polícias militar, civil e federal, que deveriam nos dar segurança vinte e quatro horas estão mal das pernas, paralíticas, truncadas e manietadas, o que um ministrinho correu fazer diante das câmeras?  Simples, caros amados e simpáticas amadas, falar. Bravatear, jogar conversa fora, conchavar, em cima dos direitos humanos. Espalhar aos quatro cantos do planeta que “esse crime da vereadora não ficará impune”. Botou, grosso modo falando, a Polícia Federal para desvendar o mistério. Repetindo: “esse crime não ficará impune”. E quem matou a representante de todos nós, os eternos barnabés? Devemos nos debruçar, evidentemente, nos demais homicídios, nas chacinas e execuções que tomamos conhecimento todos os dias, pela imprensa escrita, falada, cantada, novelada e televisada (onde os pobretões e fodidos perdem a vida nas esquinas).

Mas alto lá! Os pobretões, os fodidos, que se explodam. Policia Federal para investigar manés do povinho? Aonde se viu tamanha barbárie? Não tem cabimento! Para os “sem noção” asseverar que as execuções, os homicídios, os atentados, as chacinas são de “extrema covardia e ferem a democracia”, os desgraçados que acreditarem nisso, ou teimarem em levar essa balela a sério, deveriam ser executados imediatamente e seus ossos mandados para os quintos do inferno.

Nessa fuzarca toda, cadê o general Braga Neto e a sua chusma de soldadinhos de chumbo? Uma vez que tocamos neles, esse infindável “pelotão” serve para quê mesmo? Até agora, não fizeram outra coisa senão meter as mãos na massa no sentido de removerem as barricadas que os vagabundos (os verdadeiros homens, os donos do poder, os que dão as ordens no país) espalham a todos os instantes nas entradas das favelas e vias públicas e de acessos às comunidades.

Toda essa cambada de meninos novos, cabeças vazias, bundas sujas, pagos com o nosso dinheiro, estão trabalhando para porra nenhuma. Labutam em vão. Em resumo, entre a intervenção que vemos no Rio de Janeiro, e um saco de merda, preferimos um balaio de gatos. Enquanto a banda toca, onde foi parar o secretário de Estado e de Segurança? Alguém da conta do chefe de polícia? De outra bordoada, cadê o Pesão Chulé Fedido? Cadê o prefeito Marcelo Crivella? O que esses elementos fizeram? Que atitudes tomaram? A resposta é uma só. NADA! Não tomaram nenhuma atitude digna de ser lembrada pela posteridade.

Apenas arrazoaram, comoveram, brindaram, ejacularam caras e bocas bonitas e magistralmente asseadas a perfumes importados. Como os demais que se levantaram ocupando os principais jornais da noite em horários nobres. Regurgitaram pelos cotovelos, tagarelaram pelos bares, entronchados em rodinhas nas privadas públicas. 

Queremos deixar registrado, para que todos tomem conhecimento, o seguinte: não temos nada contra a vereadora Marielle Franco. Francamente, do fundo de nossos corações, repudiamos qualquer tipo de crime, seja em face de um simples vereador, de um professor, de um frentista de posto de gasolina, de um catador de latinhas, enfim... todo ser humano, independentemente da sua condição social, ou da sua ocupação, TODO SER HUMANO, SEM EXCEÇÃO, deve ter seus direitos respeitados e garantidos.

O que nos causa espanto e perturbação, surpresa e assombro, é o fato de se dar tanta ostentação e alarido, vociferação e escarcéu, à jovem Marielle Franco e nenhuma, absolutamente nenhuma notinha de rodapé, quando morre um cidadão do povo (e todo dia morre uma dezena deles), aqueles caraminguados conhecidos pelas alcunhas de “seres comuns”, ou os descamisados e míseros borra-botas.

Percebam que até Caetano Veloso entrou na dança. Cantou uma música para a vereadora. “Estou triste”.  Nesse amargor, nesse amuamento, a sociedade, em peso, se uniu a ele. Fez passeata. O trânsito caótico da ex-cidade maravilhosa se mostrou mais engarrafado que nunca. Pensem, senhoras e senhores, raciocinem!
Quantos inocentes (gentinhas sem eiras nem beiras, os integrantes do populacho), perdem a vida cotidianamente, e nenhum pilantra mostra a cara? Nenhum cidadão de brio e vergonha se dá a conhecer? Ou levanta a voz? Nenhuma celebridade do mundo televisivo faz música? Nenhum poeta verseja... nenhum escritor escreve...

Esperávamos, ao menos, que o Rei Roberto Carlos com todas as suas “emoções” à flor da pele, mostrasse alguma coisa nova em favor de quem sempre o aplaudiu. No entanto, sequer, deu o ar da graça que recebe de Jesus Cristo. Partindo daquele princípio básico de que “todos são iguais perante a lei”, entendemos que esses “todos” deveriam valer não só para os “famosos”, para os políticos, para os nossos representantes em Brasília. Igualmente o tratamento VIP, com todo o Brasil se lamentando, em favor dos boçais, dos humilhados, dos infelizes que mantém este brasilzinho nos trilhos.

Mas não! O assunto do momento é esse:  Marielle Franco. E será por mais alguns dias. Depois esfria. Pelo amor de Deus, senhoras e senhores: alguém se lembra da menina Emily Sofia Neves Marriel, de três anos, estupidamente assassinada num assalto acontecido dia sete de março, em Anchieta, zona morte do Rio de Janeiro? Emily era famosa? Não! Era vereadora? Não! Quem era Emily? Apenas um zero à esquerda. Alguém se lembra da Maria Eduarda? Não! Era famosa? Não! Era vereadora? Não! Quem era Maria Eduarda? Apenas um zero à esquerda. Alguém se lembra do Vitor Gabriel? Não! Era vereador? Não! Quem era Vitor Gabriel? Apenas um zero à esquerda.

Nessa voragem interminável, João Pedro da Costa, Sofia Lara Braga, Fernanda Adriana Caparica Ribeiro e tantas mais perderam a vida.  Em cima desses óbitos, não vimos o Secretário de Segurança de Estado, se fazer presente. Não vimos o Chefe da Polícia Civil dar um pio. Não vimos a OAB se fazer manifesta, nenhum representante dos direitos humanos pedir um minuto de silêncio. Crimes bárbaros. Execuções inexplicáveis. Não vimos no mesmo apertar de cintos, o nosso caríssimo e “onesto” presidente aparecer publicamente, nem a sombra do ministro do capcioso Ministério de Segurança Pública... latir que “OS CRIMES DE TODAS ESSAS CRIANÇAS FICARÃO IMPUNES”. Nem Caetano Veloso ou qualquer outro brasileiro RENOMADO fez uma musiquinha para elas. 

Que coisa feia! Que falta de humanidade! Bando de hipócritas, de fingidos, de desleais, de simulados. Em síntese, senhoras e senhores, nenhuma alma “do bem” mostrou o rosto, a tez, a cútis. Nenhum parasita se avolumou, nenhum safado se realçou em meio à plebe.  E estarrecidos e embasbacados, deixamos no ar duas interrogações, até agora inexplicáveis: que país é esse? Que brasilzinho filho da puta vivemos nesse exato momento?
Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, do Rio de Janeiro, ex-cidade maravilhosa. 16-3-2018

Relacionados:

Colunas anteriores:

9 comentários:

  1. Faço minhas as palavras do senhor Aparecido.nonguem falou do motorista nem da assessora.ah. entendi.eles fazem parte da ralé.

    ResponderExcluir
  2. Meu caro Aparecido,
    como sempre mostra uma grandeza nas palavras, Diz aquilo que todos querem ouvir, mas como a maioria são hipócrita, expressa aquilo que agrada os chamados onestos, sem o h mesmo.Como estamos em ano eleitoral nada melhor que uma mártir entre aspas para tirar o foco que é essas roubalheiras, esses bando de corruptos, enfim estamos nos afundando na merda cada vez mais. Com um país hipócrita, políticos hipócritas, e brasileiros hipócritas e quem quer sair desse lamaçal infelizmente se depara com essa imensa hipocrisia chamada pátria mal amada Brasil. Parabéns pelo excelente texto.

    ResponderExcluir
  3. No jornal "Em pauta" a jornalista criticou as redes sociais que estão criticando a vitima no lugar do sistema. Mas a certa altura a jornalista mudou o tom na voz,parecia constrangida ao ler a pauta. Dizia...ela(a vitima) morreu por ser mulher, negra,pobre e homossexual...quase cai da cadeira! Como se para bala que matou isto fizesse diferença. O jornal fazia o mesmo que as redes sócias e que era alvo de sua critica. Sensacionalismo e preconceito.
    Paizote

    ResponderExcluir
  4. E. apenas para constar nas estatísticas, mataram mais três esta noite no Rio.
    Entre estes uma criança, em tiroteio entre bandidos e policiais.
    Mas, a atenção da mídia e das redes, continuara sendo o assassinato da vereadora.
    Nem poderia ser diferente!
    Pois assim como na imprensa em geral, e nas redes, a objetividade é deficiente.
    Todo texto, independente da finalidade do mesmo, é um discurso em que inconscientemente selecionamos expressões, ou direcionamos o mesmo, influenciado pela ideologia, pela práxis, ou por valores subjetivos, de acordo com nossa posição na sociedade e conforme é direcionado o mesmo.
    Uma das regras máximas do jornalismo, comercial ou não, busca causar o maior impacto possível no seu público.
    Assim a noticia da morte de um ser, formador de opinião e com relativo destaque no meio social, sempre terá destaque maior do que a morte de um desconhecido.
    Se assim não o fosse, estaria se distanciando do publico a quem é direcionada. Consequentemente, diminuiria a atenção que pretendia com a mesma.
    Assim são os seres humanos, assim somos nós!
    O jornalismo enquanto agente formador do ser social, precisa atentar mais para um incêndio ocasional do que para uma fogueira,
    É demagogia, de quem faz e de quem reclama!

    Opss! Òia eu aqui...

    Paizote

    ResponderExcluir
  5. Agradeço a todos que leram meu texto e deixaram seus comentarios. Grande abraço a todos. Aparecido, de Viracopos, Campinas São Paulo.

    ResponderExcluir
  6. Co0ncordo com a pergunta feita no texto;"Nessa fuzarca toda, cadê o general Braga Neto e a sua chusma de soldadinhos de chumbo? Uma vez que tocamos neles, esse infindável “pelotão” serve para quê mesmo? "
    Eu sabia que esta intervenção era com intenções políticas , e afirmei aqui ser a mesma "meia boca"!
    O que lastimo é ver as forças armadas metida nisto. Se não começarem a agir logo sairão desgastadas . Passados 40 dias e ainda assim, 71% acham que nada mudou com a presença do Exército desde o mês passado .Não fez diferença! (Pesquisa Folha)
    A população ainda acredita um pouco por se tratar de militares , e estes são um dos poucos "baluartes"de honestidade que restam a esta nação. Resta cuidar para que a eficiência apareça.

    Paizote


    Melhorou

    Piorou

    Não sabe

    71%

    21%

    6%

    2%

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-