sexta-feira, 9 de março de 2018

[Aparecido rasga o verbo] Círculo quadrado

Aparecido Raimundo de Souza

FINAL DE SEMANA, A DIRETORIA da empresa Chibata & Chibota Ltda, colocou anúncio nos principais jornais de circulação da capital, à procura de um candidato que preenchesse as qualificações para ocupar uma vaga bastante difícil e concorrida. Acima de tudo, a diretoria carecia de um profissional sério e competente. Coube ao Borel Cambeta, supervisor geral de obras, cuidar desse primeiro contato. Quando chegou em seu escritório, às oito horas em ponto, daquela segunda-feira fria e chuvosa, encontrou, na recepção que antecedia a de sua secretária, nada mais, nada menos, que uns oitenta candidatos.

Pelo jeito, aquela manhã seria cheia e estafante. Sobretudo, estafante. Antes de sentar na cadeira e ligar o computador, pediu a Gissely, sua lindíssima e esfuziante assistente, que lhe arranjasse um café bem forte. A se ver servido, degustou a bebida de uma só vez e então gritou à subordinada.
- Manda o primeiro...

O encabeçante da lista a se perder de vista, era um homem bem-apessoado.  Parou na soleira da porta, como a espreitar o ambiente onde entraria. De constituição alta e extremamente magro usava um par de óculos escuros e uma camisa azul grande e um pouco desbotada. Dava a impressão de que não fora feita para ele. E, de fato, não mesmo. O defunto com certeza, bem maior. Seu rosto sério expressava uma consternação chocada. Parecia trazer no olhar a certeza de que não teria boa acolhida. Ao sinal de Borel, se acomodou na cadeira, tirou os óculos e colocou sobre a mesa.   
- Nome completo?  – perguntou, de chofre, Borel Cambeta.
- Isaaaaaac Barrrrrrnaaaaaabéeeeee Si... Si... Silvaaaaaaaa.
- Isac?
- Nãaaaaao. Isaaaaaac.
- Idade?
- Quaaaaaareeeeeennnnnnta eeeeee oiiiiiitoooooo.
- Dezoito?
- Nãaaaaao sennnnnnhoooooorrrrrr. Quaaaaaa...
- Deixa pra lá. Estado civil?
- Coooooomoooooo?
- Seu estado civil?
- Meeeeeeuuuuuu ooooooqueeeeeê?!
- Seu estado civil. Quero saber se o senhor é casado ou solteiro.
- Soooooolteiiiiiiroooooo.
- Profissão?
- Meeeeeesssssstreeeeee deeeeee oooooobrassssss.
- Referências?

- Oooooo queeeeee dissssseeeeee?
- Referências. Lugar onde trabalhou antes...
- Haaaaaa! Traaaaaabaaaaaalheeeeeeiiiiii noooooo Miiiiiissssssteeeeeer Paaaaaachúuuuuur...
- Não entendi...
- Miiiiiissssssteeeeee Paaaaaachúuuuuur...
- Sabe o telefone ou o endereço? Alguém que a gente possa contactar?
- Seiiiiii. Queiiiiiiraaaaaa anooooootaaaaaar, poooooor faaaaaavor. Nooooooveeeeee oiiiiiitoooooo seeeeeeteeeeee cinnnnnn... chiiiiii... nãoooooo daaaaaa praaaaaa puuuuuulaaaaaar essssssa?
- Calma amigo. Quer, por favor, repetir o número do telefone?
- Teleeeeeefooooooneeeeee?! Queeeeee teleeeeeeefooooooneeeeee oooooo seeeeeehoooooor queeeeeer?
- Meu prezado, você falou 9-8-7-5?
- Aaaaaah! O teleeeeeefooooooneeeeee! O teleeeeeee...
- Só o número. Sabe o número?
- Doooooo teleeeeeefooooooneeeeee?
- Por gentileza. 
- Taaaaaa aquiiiiii. Neeeeeeseeeeee paaaaaapeeeeeel, aaaaaanoooooootaaaaaaadoooooo.
- Por que não me entregou de uma vez?
- Oooooo seeeeeennnnnnhoooooor nãoooooo peeeeeediiiiiiu!
- Ta legal. Trouxe a sua CTPS?
- Ceeeeeeteeeeee... ooooooqueeeeee?!
- CTPS. – CTPS. Seu Isac o senhor não tem CTPS?

- Isaaaaaac...
- Ta legal. Sua CTPS.
- Oooooo... queeeeee... éééééé... issoooooo?!

Borel Cambeta, ligeiramente furioso, levantou da mesa e correu à porta. Berrou à secretária. Gissely tomou um tremendo susto. Fazia bom tempo não via o patrão tão atarantado e fora de si.  
- Pois não, seu Borel?
- Chama o Fumacinha aqui. Agora. Já. Correndoooooo...

O tal Fumacinha, alguns minutos depois, foi localizado e trazido às carreiras. Entrou voando na sala. Antes que ele abrisse a boca e falasse alguma coisa o supervisor entregou a ficha do Isac e ordenou. Ele realmente não pediu, ordenou.
- Entreviste este rapaz. Leve lá para a sua sala e manda brasa. Alguma dúvida?
Fumacinha balançou a cabeça afirmativamente como a sinalizar, “sim, tenho.”.
- Diga qual. Só diga qual, pelo amor de Deus!
E Fumacinha, então, mandou brasa:
- Deeeeeevoooooo coooooonnnnnntraaaaaatáaaaaa-lo?
Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, do sítio “Shangri-la”, um lugar perdido no meio do nada. 9-3-2018

Colunas anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-