quinta-feira, 12 de abril de 2018

É preciso parar o angelismo


Me refiro ao documentário intitulado Padre Hamel, mártir da República, difundido na France 3, no dia 13 de março.

O Padre Hamel [foto acima] nunca foi um mártir da República, mas um mártir da fé católica, assassinado unicamente porque era padre católico.

A maioria da imprensa tudo faz para apagar qualquer referência à Fé e à Igreja.
São métodos insidiosos que, de tanto serem repetidos, deixam traços nos cérebros.
Cécile Moisan

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

A França chora um herói e se sente orgulhosa e emocionada pelo sacrifício do coronel Arnaud Beltrame [foto]. A igreja de Trèbes estava lotada para recordar e orar pelas vítimas. Muçulmanos se juntaram à multidão dos cristãos, para demonstrar que o Islão não é o Daech. Podemos nos questionar quanto à sinceridade deles. Em todo o caso, as mídias televisivas se apressaram em transmitir a mensagem.

No entanto, é o Corão que ordena o comportamento que se reprova nos islamistas: “E matai-os, onde vocês os encontrarem” (Corão 2, 191); ou ainda: “Não foram vocês que os mataram, foi Alá que os matou” (Corão 8, 17).

É evidente que nem todos os muçulmanos se prestam ou são capazes de degolar um infiel, mas é preciso parar com o angelismo que faz com que alguns digam que o Islão é uma religião de paz.

Foi em nome dessa paz que o coronel Arnaud Beltrame recebeu “lesões balísticas não letais” e “uma ferida gravíssima na traqueia e na laringe feita com arma branca”.

O coronel Arnaud Beltrame  foi degolado em nome de Alá.
Dr. Jean-Louis Esperce
Cartas de leitores em Valeurs Actuelles, nº 4245, de 5 a 11 de abril de 2018.
Tradução: JP

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-