domingo, 30 de agosto de 2020

Heroísmo: deu a vida para salvar uma criança

Sérgio Pinto Monteiro

A data de 30 de agosto de 1977 certamente não será lembrada na grande mídia nacional, hoje mais dedicada às “comemorações” do número crescente de vítimas da trágica pandemia que ora nos assola. Naquele dia, a nação viu partir mais um dos heróis brasileiros, cujo supremo sacrifício para salvar uma vida permanecerá nas brumas do esquecimento da imprensa e do meio acadêmico, como o de tantos outros mártires da pátria.  
       
Naquele 27 de agosto, há 43 anos, um militar brasileiro, o jovem Sargento Sílvio Delmar Hollenbach [foto], de apenas 33 anos, juntamente com a esposa Eni Teresinha e os quatro filhos do casal, na época com idades entre 1 e 7 anos, deixaram a residência em Brasília para um programa típico das famílias dos brasileiros mais simples. O Jardim Zoológico, que certamente iria encantar as crianças. A crueldade do destino submeteu-os à visão de uma cena dantesca, que três dias após uma indescritível agonia no Hospital das Forças Armadas, levaria o militar à morte. 

Deslocando-se de carro no interior do Zoológico, o Sargento Hollenbach viu quando o menino Adilson Florêncio da Costa, de 13 anos, caiu no interior do tanque das ariranhas.


Sua família, horrorizada, não pôde impedir que o bravo Sargento abandonasse o veículo e se atirasse no poço para resgatar a infeliz criança. Foram minutos de intenso pavor, onde o heroico militar teve que enfrentar as ferozes ariranhas, recebendo mais de uma centena de mordidas e arranhões por todo o corpo. 

Ao conseguir resgatar o menino e salvar-lhe a vida, o Sargento Hollenbach cumpriu a sua mais nobre missão na Terra. Os esforços das equipes médicas do Hospital das Forças Armadas não conseguiram preservar-lhe a vida. Morreu como um bravo. Lamentavelmente, o seu sacrifício pouco ou quase nada será lembrado neste 30 de agosto.  

       
Em homenagem ao militar, o zoo de Brasília passou a se chamar, oficialmente, Jardim Zoológico Sargento Sílvio Delmar Hollenbach. Além disso, o gesto de coragem foi eternizado na construção de um pequeno monumento, com o busto de bronze do herói desaparecido. 

Nascido em Cerro Largo, Rio Grande do Sul, o Segundo-Sargento do Exército Silvio Delmar Hollenbach sentou praça em 15 de maio de 1962. No ano seguinte foi promovido a Cabo. Chegou à graduação de 3º Sargento em 29 de novembro de 1965 e de 2º Sargento em 30 abril de 1970. Quando faleceu, o Sargento Hollenbach, do Serviço de Intendência do Exército, servia no Hospital das Forças Armadas.  
   
   
O filho mais velho do sargento, o médico Sílvio Delmar Hollenbach Júnior, fez residência no Hospital das Forças Armadas, onde seu pai faleceu. Certamente optou pela medicina inspirado na sublime motivação do pai em salvar vidas. Seu irmão, Paulo Henrique, é analista de sistemas no Banco Regional de Brasília. Bárbara Cristine é advogada em Porto Alegre. Débora Cristina é professora na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Há ruas com o nome do herói em Santo André (SP), Cascavel (PR), Bertioga (SP), Rio de Janeiro (RJ), Porto Alegre (RS), Recife (PE) e em Blumenau (SC), sendo que, nesta última cidade, o logradouro leva o nome de Tenente Sílvio Delmar Hollenbach. Em Cerro Largo (RS), sua cidade natal, foi homenageado no município com o nome de uma Escola Estadual. O auditório do Hospital das Forças Armadas, em Brasília, recebeu seu nome como homenagem póstuma. 
    

E o que aconteceu com a criança salva pelo Sargento Hollenbach, com o sacrifício da própria vida? Tristemente, ao que se sabe, Adilson Florêncio da Costa, hoje com 56 anos, foi preso em 2016 pela Polícia Federal acusado de corrupção na Operação Recomeço. Conforme noticiado na ocasião, ele responderia por desvios no fundo de pensão Postalis, dos Correios, onde foi Diretor Financeiro. “Um dos alvos da Polícia Federal na investigação que apura um rombo de R$ 6 bilhões no fundo de pensão dos funcionários dos Correios é Adilson Florêncio da Costa, o menino resgatado aos 13 anos pelo sargento Sílvio Delmar Hollenbach, que, em 27 de agosto de 1977, se jogou no tanque das ariranhas para salvá-lo no Jardim Zoológico de Brasília. Essa é a segunda vez que os investigadores miram em Adilson. Ele foi preso em junho de 2016, por supostamente integrar um esquema que desviou R$ 90 milhões do Postalis e da Petros, os fundos de pensão dos funcionários dos Correios e da Petrobras.” 
    
  
No entanto, e apesar desses fatos lamentáveis, a família Hollenbach não duvida que Sílvio ajudasse o menino novamente, mesmo se soubesse do destino de Adilson. “Não importa quem seria. Ele viu uma criança precisando de ajuda e se esforçou para ajudá-la, afirmou o filho médico, Hollenbach Júnior”. Adilson e a família do homem que salvou sua vida nunca se encontraram e ela jamais recebeu dele um simples agradecimento. 
     
Neste 30 de agosto de 2020, a lembrança do heroico Sargento Hollenbach e do seu sublime sacrifício nos remete ao enorme “apagão” cívico e cultural imposto ao Brasil e à nossa juventude, por anos a fio de degradação provocada por sucessivos governos impatrióticos e corruptos. Juntos, haveremos de reinstalar no país os princípios e valores que forjaram a nacionalidade, onde bravos como o Sargento Sílvio Delmar Hollenbach não sejam esquecidos. 

MISSÃO CUMPRIDA, HEROICO SARGENTO HOLLENBACH! MINHA CONTINÊNCIA!! 

Título e Texto: Sérgio Pinto Monteiro, Oficial da Reserva Não-Remunerada do Exército. É fundador, ex-presidente e Patrono do Conselho Nacional de Oficiais da Reserva. Membro da Academia de Brasileira de Defesa, da Academia de História Militar Terrestre do Brasil e do Instituto Histórico de Petrópolis. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-