sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Um país de Baptistas da Silva

Adolfo Mesquita Nunes
Quem assegura que a crise se resolveria fácil e rapidamente, assim quisessem os políticos, está a mentir descaradamente

Não há ONU que nos salve da troika. Foto: Pring Samrang/Reuters
Precisamos tanto de alguém que nos diga que a crise se resolve com duas ou três medidas, quase sem dor, que estamos dispostos a acreditar no primeiro que, com ar distinto e currículo internacional, afirme com clareza que bastam duas ou três decisões e o país entra em crescimento.
Precisamos tanto de alguém que nos diga que a crise é culpa exclusiva de terceiros empenhados na nossa desgraça que estamos dispostos a acreditar no primeiro que, com ar distinto e currículo internacional, afirme com clareza que basta enfrentar esses inimigos com bravura e o país retoma a sua vida despreocupada.
Precisamos tanto de alguém que nos diga que a crise não resulta em nada de décadas de políticas erradas que estamos dispostos a acreditar no primeiro que, com ar distinto e currículo internacional, afirme com clareza que nada temos de mudar para o país encontrar a prosperidade.
Estes primeiros parágrafos dizem respeito ao episódio Baptista da Silva, o burlão que se fez passar por colaborador da ONU e que, com a veneração de muitos e alimentando a esperança de tantos, nos quis ensinar que esta crise nada tinha a ver com Portugal nem com os nossos erros nem com as nossas políticas mas tão somente com inimigos externos ou políticos mal-intencionados.
Mas estes primeiros parágrafos não dizem apenas respeito a esse episódio. Diariamente lemos e ouvimos quem, com currículo verdadeiro, repete, com variações pouco relevantes, o discurso de Baptista da Silva. Também para esses toda esta crise se poderia resolver com facilidade, assim quisessem os políticos.
Não estou a dizer que tem de haver apoio unânime ao rumo deste governo. É natural e desejável que, em democracia, surjam alternativas. O que estou a dizer é, e nisto estou particularmente seguro, que a crise que atravessamos não se resolve com a facilidade apregoada pelos vendedores da banha da cobra.
É tentador pensar que a crise poderia ser resolvida de uma vez, sem dor, com bravura e coragem. E é tentador pensar que essa solução não é aplicada apenas porque uma conspiração de interesses lucra com a crise. É o mundo a preto e branco: os bons e os maus.
Mas o mundo não é uma história de quadradinhos. Não existe uma receita simples e directa capaz de acabar de vez com a crise e que é posta de lado por políticos mal-intencionados apostados na desgraça dos povos.
Quem pretender, seja ele o senhor Baptista da Silva, seja ele um comentador encartado, que tudo isto se resolveria fácil e rapidamente assim quisessem os políticos está a mentir. E descaradamente.
O que impressiona por isso no episódio Baptista da Silva não é o senhor ter aldrabado o seu currículo. O que impressiona é que o senhor tenha andado a vender a banha da cobra sem que alguém o confrontasse com a complexidade da crise ou com a evidente ficção por ele apresentada, para não falar das barbaridades técnicas que o senhor avançou e ninguém travou.
Infelizmente esta crise não se resolve com “chegamos lá e batemos o pé”, com “não pagamos e eles aceitam”, com “não precisamos de mudar, só temos de encontrar quem empreste sem nada exigir” ou com “renegociamos a coisa sem consequências nefastas para o país”.
Ultrapassar esta crise exige esforço, empenho e obriga a passar por um tempo difícil. Mesmo quem legitimamente não concorda com o caminho deste governo (e reforço com vigor que é normal e desejável que haja quem não concorde) presta uma mau serviço ao país se amplificar teses simplistas como as do Sr. Baptista da Silva. E Baptistas da Silva, infelizmente, não faltam por aí.
Título e Texto: Adolfo Mesquita Nunes, Jurista e deputado do CDS, jornal “i”, 28-12-2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-