segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Os mortos de Mariana

Carlos Lira
Foto: Franck Fife/AFP/Getty Images
Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil

Os mortos de Paris tiveram flores
Os mortos de Mariana tiveram LAMA

SENTINELA - Esta música do mineiro Milton Nascimento se enquadra perfeitamente a este drama que o Brasil protagoniza.

Um breve relato sobre Sentinela:
Os monges beneditinos de Belo Horizonte fizeram um belíssimo fundo musical à genialidade de Milton Nascimento. Dom Gerardo Vanderley regia o coral dos Monges ENQUANTO Nana e Milton cantavam.

Quem foi Dom Gerardo?
Luizinho, um bezerrense que foi oblato do Mosteiro de São Bento, em Garanhuns, o conhecia muito bem. Dom Gerardo e Dom Jeronimo de Sá Cavalcanti movimentavam o amanhecer de Garanhuns com um inesquecível programa – BOM DIA GARANHUNS!

Dom Gerardo faleceu no mosteiro de Olinda como o Prior dos Beneditinos.

Esta música que nos lembra um velório – Milton e Nana Caymi – formam um dueto profético que se enquadra perfeitamente a este drama crucial que se abateu não somente às Minas Gerais; Esta é uma tragédia de todos os brasileiros!

Em Paris, 143 foram mortos pelo terror. Foram muitos? Claro que foram muitos. Melhor seria que não fosse nenhum. Mas... alto lá! Um quase nada perante a estatística macabra de 143 assassinatos diários aqui no Brasil! O mar de lama mineiro ceifou cerca de 400 brasileiros de uma tacada só!

Os franceses mereceram homenagens de todos os recantos do Orbe: flores, hinos, as cores nacionais francesas foram exibidas até na internet... Muitas lágrimas foram derramadas, muitas flores, uma infinidade de flores...

Os mortos de Mariana, que flores receberam? Até o papa lamentou a tragédia francesa mas... e a tragédia brasileira? A carnificina de Mariana? Sua Santidade nem foi informado... Como as notícias brasileiras espalhadas pelo mundo inteiro são de mortes e assassinatos... O mundo se acostumou com este fato...

Afinal, o Brasil é uma republiqueta governada por corruptos e, como o brasileiro se acomodou em ostentar este macabro estigma, nem o Papa se incomodou em lastimar...

Brasil, pátria de 143 assassinatos diários sem incluir os que morrem DIARIAMENTE por inanição, falta de assistência médica, fome e miséria... Se computassem estas mortes, seria uma estatística vergonhosa!

Com muita lama e sem flores, só restou a “profética” música deste ilustre brasileiro amado por todos nós...
Título e Texto: Carlos Lira, 16-11-2015

Eis a música bem como eis a letra da música SENTINELA


*Tantum ergo sacramentum
veneremur cernui
et antiquum documentum novo cedat ritui
Praestet fides supplementum
Sensuum defectui

Meu Senhor, eu não sou digna
De que visites a minha pobre morada,
Porém se tu a desejas, queres me visitar.
Dou-te meu coração, dou-te meu coração.

Longe, longe, ouço essa voz
Que o tempo não vai levar

Morte e vela sentinela sou do corpo desse meu irmão que já se vai
Revejo nessa hora tudo que ocorreu, memória não morrerá
Vulto negro em meu rumo vem
Mostrar a sua dor plantada nesse chão

Seu rosto brilha em reza, brilha em faca e flor
Histórias vem me contar
Longe, longe, ouço essa voz
Que o tempo não vai levar

Precisa gritar sua força, ê irmão, sobreviver
A morte inda não vai chegar, se a gente na hora de unir
Os caminhos num só, não fugir e nem se desviar
Precisa amar sua amiga, ê irmão e relembrar

Que o mundo só vai se curvar
Quando o amor que em seu corpo já nasceu
Liberdade buscar,
Na mulher que você encontrar

Morte e vela sentinela sou
Do corpo desse meu irmão que já se foi
Revejo nessa hora tudo que aprendi, memória não morrerá
Longe, longe, ouço essa voz
Que o tempo não levará

*Tantum ergo sacramentum
veneremur cernui
et antiquum documentum novo cedat ritui
Praestet fides supplementum
Sensuum defectui

*São Tomás de Aquino

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-