quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Dilma foi vaiada no Congresso Nacional: retrato de uma gestão zumbi

Até mesmo parlamentares da base governista a vaiaram. O governo, na prática, já acabou.
Implicante

Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

O noticiário informa que Dilma Rousseff foi à abertura do ano legislativo no Congresso Nacional e, por lá, recebeu uma grandiosa vaia dos parlamentares e demais presentes. Nada de novo, é verdade, já que ela ser vaiada muitas vezes nem é notícia de primeira página. Mas ainda assim o episódio vale pelo aspecto emblemático: confirma que esta gestão acabou, está morta, é um governo zumbi.

Importante ressaltar que ela foi vaiada TAMBÉM por parlamentares da sua própria base.

Em suma, como já falamos por aqui: Dilma pode conseguir escapar do impeachment, mas não tem e nem terá a menor condições de governar de fato o Brasil. Porque um governo não consiste apenas no exercício do mandato no sentido legal e jurídico, mas sim na capacidade de promover mudanças e ditar o rumo do Estado. E nossa Presidente não tem mais essa atribuição.

Para passar no Congresso, tudo será difícil, até mesmo algo que para outros governantes seria corriqueiro. Paralelamente a isso, uma economia que só faz cair mais e mais e mais. E, claro, as denúncias que explodem a cada dia e agora atingem em cheio o mentor da Presidente.
Título e Texto: Implicante, 3-2-2016

Ontem à noite assisti no Jornal da Record (com Heródoto Barbeiro) a repórter Christina Lemos enaltecer o grande gesto da presidenta, etc, etc… que ela repete hoje em seu blogue.

Ricardo Kotscho complementou o exercício explícito de propaganda:


Vaiar Bolsonaro, bater na Polícia Militar, invadir edifícios públicos... pode! Vaiar a "santa", não pode!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-